quinta-feira, 31 de julho de 2014

Are Russians Buying Up Prime London Real Estate? / WALL STREET JOURNAL. Russians in London: 'It's official policy now to hate us' / GUARDIAN.

Are Russians Buying Up Prime London Real Estate?

The West is clamping down on Russia over the war in Ukraine, pushing global markets toward safe havens.

But are wealthy Russians following suit by investing in prime London real estate, a favorite harbor during geopolitical storms?

Nope. While rich Russians do buy bling London mansions and penthouses in the capital’s most exclusive areas, they make up only a fraction of this market, according to data from real-estate broker Savills.
London’s prime residential market – in-demand central neighborhoods like Chelsea, Mayfair, Wimbledon and Islington – includes just 5% to 10% of the capital’s homes.

And within that sliver, Russians accounted for around just 2% of transactions during the last 18 months, Savills data show. That’s a smaller contribution than North Americans, who clocked in at 3%.

There are a raft of reasons why Russian buyers are low. Getting money out from under President Vladimir Putin’s gaze this year has been tough, many have already done so, and Russian investment in London has actually been declining.

As tensions between Russia and the West mount, this could change. But at this point, Savills hasn’t detected any major shifts, and it’s too early to tell if recent events will have any big impact, it said.

Russians in London: 'It's official policy now to hate us'
Those living in capital have noticed backlash since the downing of flight MH17, and feel UK media is blaming all Russians

Caroline Davies

Outside Kalinka, a Russian delicatessen and grocers on London's bustling Queensway, customers were uneasy . "I am shocked," says one, an electrician, who came to London 12 years ago to work on building sites. He remembers the stereotyping of his fellow Russians back then. "It was Russians are rude. And they are drinking beer. And they are drinking vodka. But it was funny. It was soft humour.

"Now, the newspapers are definitely trying to mix the opinions of people against Russian culture and people. Now it is Russians are killers."

He is far from alone among Russians living in London to have noticed a backlash since the downing of flight MH17. Like most, he too, speaks only on condition of anonymity.

"There are pictures of Putin. The word "killer" on the front pages," said Anna, a Russian-born pharmaceutical consultant. "Then page after page, until page 12 or something, when it's Gaza. Russians are killers. How do you think it affects us?"

"Do you believe in collective punishment? Do you want to bomb people for their nationality?" she asks. "It's actually official policy now to hate Russians."

Of course, she said, she has no idea of the exact circumstances that led to shooting of the plane and loss of 298 lives. "But the British culture is to find a culprit. Bully them. Bully those around them. Don't bother to investigate. Judge on very superficial grounds. Let's bully his daughter. Let's find someone who played judo with this man and bully them too.

"Surround him with hate so the Russians will throw him out. But the Russians won't throw him out," she added. "Everyone is suffering. Collective punishment is not the answer."

Among his friends, Sasha, a retired Russian army officer who has lived in London for more than 20 years, now finds "a great deal of sadness, and fear, fear that the lunacy will escalate.

"It is easy to resurrect antagonism towards Russia because people remember the cold war, and when something goes wrong in Russia it's magnified," he said. Sanctions would hit the middle and lower income Russians "the tourists, the students who fill the universities" and not "the big people, who don't care".

Across London in the City, fears are also for business. One director of a reinsurance broker, whose company works in 20 different countries, many from the former Soviet Union, said his concern about media coverage was "that there is no presumption of innocence in this case.

"It looked as if the story was ready for the mass media before the aircraft came down.

"All this blaming Russians, I am Russian English. I have been living here for 25 years. I don't quite like Putin's politics. But, unfortunately, all this has really pushed me over to the Russian side, which I haven't been since the events started in the Ukraine."

He fears a break "in connections which have been set up over the last 20 to 25 years, based on information that has not been verified".

Others fear a trade slump will lead to job losses. "If there is no business with Russia, it inevitably will affect our employability because we sell our language skills," said one insurance worker.

Now living in London, she was born in Russia before moving to Ukraine, where her parents still live. She was visiting them when the plane was shot down.

"My parents have both Ukrainian and Russian channels. And the story was so contradictory if you switched from Russian TV to Ukrainian TV. It is actually scary how the same event can be shown from a different perspective and you just didn't know what to believe," she said. "They are trading accusations, and both seem equally credible. My advice would be not to listen to either."

She has found British media "more or less objective" but is concerned how comments translate into Russian.

"I can hear what David Cameron says in English and it's sort of all right. Once it is translated into Russian it sounds really harsh. That really is an issue. When it's taken out of context, and translated, it can sound almost opposite to what was said," she said.

Greek court acquits farmers who shot 28 Bangladeshi strawberry pickers / GUARDIAN

Greek court acquits farmers who shot 28 Bangladeshi strawberry pickers
'Scandalous' verdict condemned by politicians and anti-racist groups after case that revealed migrant workers' plight

Helena Smith

A Greek court's decision to acquit local farmers who admitted shooting 28 Bangladeshi strawberry pickers when they dared to ask for months of back pay has sparked outrage in the country.

Politicians, unionists and anti-racist groups roundly condemned the verdict describing it as a black mark for justice in a case that had shone a light on the appalling conditions in which migrant workers are often kept in Greece.

"I feel shame as a Greek," said the victim's lawyer, Moisis Karabeyidis, after the tribunal in the western port city of Patras, delivered the shock ruling. "This decision is an outrage and a disgrace … the court showed an appalling attitude toward the victims."

Scores of migrants, many sobbing in disbelief, protested outside the court house after magistrates allowed two of the men, including the owner of the farm who had been accused of human trafficking, to walk free.

Two others, accused of aggravated assault and illegal firearms possession, were handed prison sentences of 14 years and seven months and eight years and seven months but were also freed pending appeal.

The Bangladeshis were shot at in April last year when they demanded to be remunerated for six months of unpaid work at a farm in Manolada in the southern Peloponnese. Four of the strawberry pickers were badly injured in the attack.

At a time of unrivalled crisis in Greece, where living standards have deteriorated dramatically after six straight years of recession, the case had triggered widespread indignation.

Media investigations showed the migrants to be working in subhuman conditions without access to proper hygiene or basic sanitation.

Politicians who took up the cause also weighed in on Wednesday saying the verdict sent set an unwelcome example for other employers to follow.

"It sends the message that a foreign worker can die like a dog in the orchard," said Vassiliki Katrivanou, an MP with the main opposition radical-left Syriza party. She added that in a nation where fruit-farm labourers are frequently from overseas, the attack in Manolada was far from being an isolated incident.

"It leaves room for new victims by closing eyes to the brutal, inhuman and racist character of the exploitation suffered by workers on the land," she said, pointing out that the ruling had been made on World Day against Trafficking in Persons.

The Greek farmers had instructed top criminal lawyers to defend them in a court drama that lasted for over a month. More than 40 prosecution witnesses testified in a case in which the prosecutor had asked that exemplary punishment be made.

Denouncing the judgment as scandalous, anti-racism organisations said it raised questions about the impartiality of the Greek justice system and vowed to step up protest action against the decision.

"We call upon unions and human rights movements to react against this unprecedented racist scandal," said Petros Constantinou, coordinator of the Movement Against Racism and the Fascist Threat in a statement. "The hundreds of millions of profit made in the strawberry industry cannot come about by shooting labourers in strawberry fields."

It's the end of Argentina as we know it, and the world economy will be just fine . / GUARDIAN. Argentina defaults as last-minute talks fail / FINANCIAL TIMES.

It's the end of Argentina as we know it, and the world economy will be just fine
An entire country defaulting on its debt? After a fight with US hedge-funders? This is the stupidest ‘nuclear option’ yet

Heidi Moore

Every once in a while you get a crazy financial story that makes you wonder how smart the people in charge really are. Argentina’s recent flirting with economic default is proof that the average consumer, managing a few thousands, could probably do a better job than politicians with billions at their disposal.

If you read the papers, you would believe that the land of tango, gauchos, Malbec and great steaks is on the verge of self-destruction: “Argentina dances with default”, groused a Wall Street Journal headline. “Argentina nears cliff in risky debt game”, chided the Financial Times.

Sounds dire, doesn’t it?

It is possible – but very unlikely, despite ongoing talks – that Argentina may willfully destroy its own economy in an ill-fated political attempt to look tough on foreigners, particularly in the form of mostly American hedge-fund managers. You don’t have to watch old episodes of Dallas to know that “rich Americans” is shorthand for “evil”. That stereotype has helped Argentina. In a silly form of financial rebellion, the nation refuses to pay the hedge funds $1.5bn in interest it owes on money it borrowed from them, way back in 2001.

The entire point of Argentina’s threat is to create a panic, to telegraph the country’s own power. It shouldn’t. Default isn’t a bad word, and the stubborn refusal by the Argentines to pay up is empty drama that only ends up proving the country’s own weakness.

The US tried the same technique three times when a team of Tea Party Republicans threatened to pitch America into default. The Americans felt no financial bite from that ill-advised drama – except that the government looked unintelligent and ill-managed – and the Argentines will feel the same embarrassment now.

Absolutely nothing is riding on an Argentina’s default. The entire conflict is composed of absurdities.

Here’s one: Argentina’s president, Cristina Kirchner, maintains that Argentina can’t afford to pay the hedge funds. But it pays for the rest of us to be skeptical of that claim: if Argentina can pay some of its bondholders, it can pay all of them. The country owes the holdouts roughly only $1.5bn, a fraction of the $23bn it will pay its other bondholders in a single payment.

Here’s another: Argentina’s fight with hedge funds sets no precedents for any other countries. The US will feel no impact, beyond a few investors losing some completely manageable amounts of money on their own. Argentina’s mulishness centers around a relatively paltry set of 13-year-old, $1.5bn bonds that were badly negotiated and haven’t been imitated by any other country since.

And another insanity: Argentina is already unwelcome in the debt markets – avoiding your creditors will do that – so a default wouldn’t make it any worse. Argentina has been so financially isolated for so long that it has nearly no global weight to throw around.

Why would a country go to these lengths just to prove a point? It comes down to politics, and it illuminates how silly high finance can get when there are also votes and political power at stake.

Here’s Argentina’s conflict. It’s not complicated. The country borrowed a ton of money, $132bn. Then it had a financial crisis in 2001 and decided it couldn’t pay the interest. Argentina asked bondholders to help it out by trading in their bonds for cheaper ones, which would pay only 30 cents on the dollar. It’s better than zero, so the holders traded in 93% of the old bonds.

A group of hedge-fund holdouts, led by Wall Street billionaire Paul Singer, wanted no part of this. They still wanted Argentina to pay the original interest, so they went to a US court. After 13 years, a US judge ruled last month that Argentina lost and has to pay up by Wednesday. Still, Argentina still refuses to pay.

How will it turn out? This is the first time something quite this stupid is happening, so we’ll have to keep watching. Argentina has pushed its deadline to the very brink, and then some. (Update: on Wednesday afternoon, Standard & Poor’s had judged that Argentina defaulted on its debt. Talks will continue.) What is true, however, is that this is the kind of financial irresponsibility you can only indulge in if you have a lot of money. As anyone who has written a check to a terrible landlord or cold-hearted credit-card company knows, disliking someone is not a good reason not to pay what you owe. Any American who has feared foreclosure can enjoy a bitter laugh: if you didn’t pay your mortgage or credit cards for 13 years, you would be on the street. Argentina just gets to throw a tantrum.

Somehow the goal of financial health gets lost in the infinitely stupid ego-measuring that passes for sophisticated financial negotiations these days. The “nuclear option” of destroying an economy is increasingly becoming a way for politicians to look tough. Unfortunately, it just looks irresponsible. And it’s certainly not the end of the world.

July 31, 2014 12:28 am
Argentina defaults as last-minute talks fail
By Benedict Mander in Buenos Aires and Luc Cohen in New York

Argentina defaulted on its sovereign debt for the second time in 13 years on Wednesday, after frantic last-minute talks between the country’s government and holdout creditors failed to strike a deal.

Economy minister Axel Kicillof said “vulture funds” had rejected a renewed offer from the government that had also been made to bondholders who accepted debt restructurings after the 2001 default, but that it was “impossible” to pay them any more.
Shortly before Mr Kicillof’s declarations, Standard & Poor’s placed Argentina’s credit rating on “selective default”, after it failed to make a $539m interest payment on its debt by a Wednesday deadline.
Although Argentina has been locked out of the international capital markets since its previous default in 2001, borrowing costs are now likely to rise to punishing levels for state institutions and the private sector. Economists expect a default to worsen a recession, trigger higher inflation and put pressure on foreign exchange reserves, possibly leading to Argentina’s second devaluation this year.
The default can trigger bondholder claims of as much as $15bn to $20bn because of cross-default clauses.
“We are not going to sign any agreement that compromises the future of the Argentine people,” said Mr Kicillof at a press conference at Argentina’s consulate in New York after the talks collapsed
He said Argentina would take all measures available to put an end to “unprecedented and unjust situation”, adding the country remained open to a dialogue with creditors.

But with negotiations having reached an impasse, Marcelo Etchebarne, an Argentine lawyer, speculated that Argentina may now attempt to restructure its US and UK bonds under local law, although he doubted this would be feasible.
Although the government had already deposited the $539m with Bank of New York Mellon, the bondholders’ trustee, New York Judge Thomas Griesa, has forbidden the bank from transferring the funds to the bondholders. He said that was because it would violate his ruling, upheld on June 16 by the US Supreme Court, that Argentina must pay the holdouts in full at the same time as holders of its performing debt.
“Default cannot be allowed to lapse into a permanent condition or the Republic of Argentina and the bondholders, both exchange and holdouts, will suffer increasingly grievous harm, and the ordinary Argentine citizen will be the real and ultimate victim,” said Daniel Pollack, the court-appointed mediator in the talks between Argentina and the holdouts.
Mr Kicillof maintained a defiant attitude before the default. “Who believes in the rating agencies? Why didn’t they warn the owners of mortgages in 2008 if they know so much about risk?” he asked.

Argentina defaulted on $100bn of debt in 2001-02, at the time the largest sovereign default in history.

"Agenda para a próxima década".

“Se não se aproximassem as férias, o Dr. Costa ainda estaria a tempo de dizer que: 1) o investimento público é melhor do que o privado excepto nos casos em que o investimento privado é melhor do que o público; 2) o Estado social é sustentável desde que saia baratinho aos cidadãos; 3) Portugal não deve sair do euro enquanto os euros entrarem em Portugal; 4) pelo menos na perspectiva dos destinatários, os salários altos são preferíveis aos salários baixos; 5) o Pato Donald é um boneco.
“António, um rapaz de Lisboa”
por ALBERTO GONÇALVES /20 julho 2014 in DN online

Não se mencione o excremento

"António Costa está a transformar-se no Tomás de Alencar de 2014: a dívida é o seu excremento. Afinal, se podemos estar entretidos com o romantismo de uma “agenda para a década”, para quê perdermos demasiado tempo com o realismo das contas públicas? E por isso, na sua miniconvenção do passado sábado, em Aveiro, Costa definiu um programa político onde não havia uma única palavra sobre a dívida, argumentando que “não podemos viver limitados ao dia de amanhã”. No seu entender, a consolidação orçamental é apenas “uma questão instrumental”, que implica medidas de “curto prazo”, e que, por isso, não cabe num debate sobre uma “visão estratégica” para o país."João Miguel Tavares

Não se mencione o excremento

João Miguel Tavares / 31-7-2014 / PÚBLICO

Tomás de Alencar é uma das mais coloridas personagens de Os Maias, poeta de grandes assomos românticos e cultor de um absoluto desprezo pela literatura realista. Infelizmente, em finais do século XIX, os ares dos tempos não estavam com ele.
E à medida que a moda do realismo ia torpedeando o velho romantismo, Alencar achou por bem cunhar uma frase definitiva, que ele utilizava para colocar um ponto final em qualquer conversa sobre o tema: “Rapazes, não se mencione o excremento!”
António Costa está a transformar-se no Tomás de Alencar de 2014: a dívida é o seu excremento. Afinal, se podemos estar entretidos com o romantismo de uma “agenda para a década”, para quê perdermos demasiado tempo com o realismo das contas públicas? E por isso, na sua miniconvenção do passado sábado, em Aveiro, Costa definiu um programa político onde não havia uma única palavra sobre a dívida, argumentando que “não podemos viver limitados ao dia de amanhã”. No seu entender, a consolidação orçamental é apenas “uma questão instrumental”, que implica medidas de “curto prazo”, e que, por isso, não cabe num debate sobre uma “visão estratégica” para o país.
É uma argumentação extraordinária, esta, e o meu único consolo é acreditar que António Costa não acredita no que está a dizer. Costa até pode ser discípulo daquele ramo socrático das finanças públicas que defende que a dívida não é para pagar, mas apenas para gerir. Só que a questão - a verdadeira questão da década - é que a dívida se tornou ingerível, e portanto é impensável uma qualquer estratégia de longo prazo que não tenha como base as limitações económicas do país. Não é uma mera questão de “curto prazo”. É de curto, é de médio e é de longo prazo. Mesmo sendo verdade que nos últimos anos o controlo da dívida foi o único ponto da estratégia do actual Governo, e que nessa obsessão se perdeu capacidade para ver além da ponta do nariz, convém que António Costa reconheça que o nariz está lá

Perante a enxurrada de críticas que caiu sobre a “agenda para a década” e sobre a sua evidente alienação política, Costa lá foi obrigado a referir o tema na sua intervenção final. Mas, mais uma vez, fê-lo através da nobre arte de abrir a boca para não dizer coisa alguma, área em que se tem vindo a revelar destacado especialista, assumindo apenas a necessidade de equilibrar “o serviço da dívida” com o investimento na economia. De que forma? Não interessa. Melhor: não se deve sequer responder a tal pergunta, na medida em que é indispensável mudar de quadro mental. Responder-lhe seria pensar como a direita, e quando se pensa como a direita, governa-se como a direita.O facto de António Costa achar que este género de retórica chega como programa político significa que não tem os portugueses em grande conta — e está a notar-se muito. Nesse aspecto, Seguro, ao impor um calendário eleitoral extensíssimo, entalou o seu adversário. Esta campanha vai dar cabo do PS, mas também está a dar cabo de Costa, vítima de um desgaste público que não esperava. É muito difícil estar três meses seguidos a falar de tudo menos daquilo que mais importa. É uma exposição terrível para quem procura desesperadamente não mencionar o excremento, sobretudo quando o excremento está à vista de todos e cheira tão mal. “Quando o vejo”, dizia Tomás de Alencar, “enfrascome logo em água-de-colónia”. Esperemos que António Costa já tenha encomendado um vasto stock de Old Spice.

As primárias no PS são um passo na direcção errada, por Marina Costa Lobo.

As primárias no PS são um passo na direcção errada

Antes de se preocupar com os simpatizantes, talvez os partidos se devessem lembrar dos abstencionistas.
Hoje em dia, ser contra uma proposta de abertura à sociedade civil equivale a assumir-se como antidemocrático. Basta invocar este princípio, e lá vamos nós, sonâmbulos, aceitando tudo o que nos é proposto. Por isso é que quando António José Seguro propôs – simplesmente para ganhar tempo na luta pela liderança do PS – a eleição directa para o candidato a primeiro-ministro, António Costa viu-se constrangido a aceitar. Se o presidente da Câmara de Lisboa recusasse, seria quase como rejeitar a própria ideia da participação da sociedade civil na política. Não é.

Esta via de suposta aproximação ao eleitorado constitui um passo na direcção errada no caminho da melhoria da qualidade da democracia. E por três razões: ela é redundante num sistema já altamente personalizado a nível das lideranças partidárias como o nosso, ela é perigosa porque reforça tendências de personalização que são nocivas à saúde democrática e ela é obstrutiva de uma verdadeira reforma política necessária para Portugal.

A eleição directa do primeiro-ministro é redundante porque já existe a eleição directa de líder partidário no PS, PSD e CDS. A partir de uma mudança iniciada pelo PS em 1998, e copiada depois por PSD e CDS, todos os líderes partidários destes partidos têm sido eleitos pelos militantes. Que são depois os candidatos a primeiro-ministro. Além disso, as primárias são redundantes também porque visam reforçar o poder do primeiro-ministro quando essa já é uma marca absolutamente central do nosso sistema político. Desde a primeira maioria absoluta de Cavaco Silva, ganha em 1987, que se operou um reforço do chefe do Governo. A estabilidade governativa acrescida levou a uma reestruturação dos serviços de apoio ao primeiro-ministro, e – de forma mais preocupante – a uma governamentalização dos principais partidos.

Na medida em que as eleições primárias reforçam a personalização do poder do primeiro-ministro elas são perigosas. Porque desequilibram o poder ainda mais a favor do primeiro-ministro no que já é um sistema excessivamente personalizado. As eleições legislativas tornaram-se uma escolha de primeiro-ministro. Em resultado, o primeiro-ministro, uma vez eleito, compõe o Governo com recurso a independentes sem qualquer lastro partidário, contribuindo para a marginalização do Parlamento como órgão de recrutamento ministerial. Ao mesmo tempo, leva os membros do Governo escolhidos por si, para encabeçar os órgãos de topo do partido. Em vez de os partidos representarem a sociedade civil nas instituições políticas, estes são dominados pelo líder, e esvaziados de qualquer poder. Esta proposta é, além disso, perigosa porque pode levar outros partidos a copiar o PS à semelhança do que ocorreu com as directas para líder. Não vá alguém acusá-los de excluir os “simpatizantes”.

Finalmente, as primárias no PS estão a obstruir outro debate, esse sim urgente, sobre a reforma do sistema político em Portugal. Ser a favor da reforma dos partidos não pode significar ser a favor da “americanização” dos partidos: isto é a sua transformação em simples rótulos a ser utilizados por candidatos que queiram fazer política. Isso leva-nos a uma democracia onde só existirão candidatos a líder e “simpatizantes”, mediados pela comunicação social e dinheiros de origem duvidosa. Os partidos portugueses têm anquilosamentos? Sim. Têm problemas? Muitos. Mas não é reforçando a componente de personalização do líder que se resolve esta questão. Precisamos de abertura à sociedade civil que sirva para reforçar os laços de representação e não que contribuam para um desequilíbrio ainda maior entre quem tem poder político (as lideranças partidárias e o Governo) e quem não o tem (os militantes e o Parlamento). Precisamos de uma reforma do sistema eleitoral que aproxime os eleitores dos eleitos. É que, antes de se preocupar com os simpatizantes, talvez os partidos se devessem lembrar dos abstencionistas.

Este artigo é dedicado à memória de David B. Goldey (1936-2014).

Investigadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Fecho de esquadra da PSP faz temer furto de azulejos rococó na Mouraria. Antigo Colégio dos Meninos Órfãos, junto ao largo do Martim Moniz, tem painéis de azulejos setecentistas que ainda resistem à degradação do prédio. Historiador sugere criação de centro interpretativo no local

Fecho de esquadra da PSP faz temer furto de azulejos rococó na Mouraria
Antigo Colégio dos Meninos Órfãos, junto ao largo do Martim Moniz, tem painéis de azulejos setecentistas que ainda resistem à degradação do prédio. Historiador sugere criação de centro interpretativo no local
Marisa Soares / 31-7-2014 / PÚBLICO

O anunciado fecho da 6.ª esquadra da PSP na Rua da Mouraria, em Lisboa, levanta preocupações sobre o futuro do património azulejar existente no interior do prédio, onde funcionou o antigo Colégio dos Meninos Órfãos.
Os painéis de azulejos que forram as escadas do edifício representam cenas do Antigo e do Novo Testamento
Os painéis de azulejos setecentistas com cenas bíblicas têm resistido à degradação visível nas paredes do edifício mas não se sabe por quanto tempo assim vão continuar.
O prédio, classificado como imóvel de interesse público e identificado pela placa “Edifício Amparo” na fachada principal, fica no Martim Moniz, nas traseiras do Centro Comercial Mouraria. A porta principal do número 64, que dá acesso ao interior, é contígua à entrada para a esquadra situada no rés-do-chão, onde muitas vezes está um agente da PSP à porta. Talvez por isso os azulejos que forram as paredes das escadas interiores se mantenham praticamente intactos, ao contrário do que acontece em muitos prédios da cidade.
“A porta está aberta durante o dia, qualquer pessoa pode entrar”, constata Heitor Pato, da direcção do Grupo Amigos de Lisboa, que acompanhou o PÚBLICO numa visita ao prédio. Este investigador em História teme que a saída da PSP — a esquadra vai ser transferida em breve para o Palácio Folgosa, na Rua da Palma, ainda em obras — aumente o risco de furto dos azulejos.
Heitor Pato defende que no espaço hoje ocupado pela PSP seja instalado um centro de interpretação do imóvel, aliado a um posto de informação turística, uma ideia partilhada pela associação Renovar a Mouraria. “Fechar o espaço é impensável, o interessante é mostrá-lo”, afirma o investigador, lamentando que não exista qualquer sinalização exterior que chame a atenção dos turistas.
Actualmente, o edifício é frequentado sobretudo por idosos, que sobem a custo os oito lanços de escadas até ao quarto andar, onde existe uma sala do Inatel para actividades culturais. Neste último piso, por trás de uma porta de madeira que dá acesso às águas-furtadas, mora gente. O primeiro e segundo pisos estão ocupados com um centro de dia da Santa Casa da Misericórdia. Apesar do movimento durante o dia (à noite a porta está fechada), é fácil entrar e passar despercebido.
A porta principal leva a um pátio que dá acesso à escadaria interior, onde surge “um dos mais importantes conjuntos de painéis de azulejos com iconografia do Antigo e Novo Testamento”, como é descrito no portal Monumentos, do Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
As centenas de azulejos azuis e brancos em estilo rococó que forram as escadas largas e pouco iluminadas são, segundo Heitor Pato, atribuídas ao pintor Domingos de Almeida e datadas de 1761. Contêm representações bíblicas que ajudavam ao ensino da doutrina aos meninos órfãos católicos, antes de partirem em missão para a Índia.
À primeira vista, os 41 painéis parecem ainda em bom estado de conservação (apesar de alguns azulejos rachados), mas o mesmo não se pode dizer do espaço envolvente. Desde o rés-do-chão até ao quarto andar, há um rasto de abandono: nas paredes dos lances de escadas, sobretudo nos primeiros andares, há reboco e tinta a cair, sujidade no chão. “Não tem havido nenhuma conservação daquele património riquíssimo”, lamenta Maria Inês Andrade, presidente da associação Renovar a Mouraria.
O prédio pertence à DirecçãoGeral do Tesouro e Finanças, que não diz se irá fazer obras de conservação ou se tem algum projecto para salvaguardar os painéis de azulejos. Por sua vez, a Câmara de Lisboa, que em 2011 criou o Programa de Investigação e Salvaguarda do Azulejo de Lisboa (PISAL), afirma que nada pode fazer.

“O PISAL é um programa de estudo do azulejo da CML no âmbito do espaço público, e que por conseguinte não abrange os interiores dos edifícios”, responde fonte do gabinete da vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, acrescentando que “o zelo da CML pela preservação dos azulejos no interior dos edifícios é devido apenas naqueles que são sua propriedade.”

Um cheque de 26 mil milhões a caminho. Resta saber como o país irá aproveitar a “pipa de massa” dos fundos comunitários

Um cheque de 26 mil milhões a caminho

Resta saber como o país irá aproveitar a “pipa de massa” dos fundos comunitários

O presidente da Comissão Europeia e o primeiro-ministro selaram esta quarta-feira em São Bento o acordo de parceria para os fundos comunitários. O acordo teve naturalmente um cariz político e serviu também para Passos elogiar o trabalho de Barroso à frente da Comissão e Barroso elogiar a forma como o Governo aplicou a cartilha da troika.

 Durão Barroso fez, aliás, questão de dizer que foi graças a ele que o país conseguiu fundos adicionais, já que foi o próprio a convencer os parceiros da necessidade de brindar Portugal com mais mil milhões, como “reconhecimento dos esforços da execução do programa de ajustamento”, e mais 500 milhões para a agricultura. O ainda presidente da Comissão até usou uma linguagem corriqueira para descrever a verba que Portugal irá receber: "26 mil milhões é uma pipa de massa.” E depois acrescentou que se deviam agora calar “aqueles que dizem que União não é solidária".

Mais do que saber se é uma “pipa de massa” ou não, o que interessa nesta altura é perceber o destino e as prioridades que o país dará aos fundos estruturais. Sem nunca se referir à “política do betão”, Barroso fez questão de dizer: “No passado nem sempre investimos da melhor forma.” Não discorreu, no entanto, sobre as responsabilidades que os vários governos tiveram, incluindo aqueles de que fez parte. E Barroso esqueceu-se da anuência da Comissão em relação à forma como o cheque anterior foi gasto.

Passos parece estar em sintonia e veio dizer que os 26 mil milhões vão ajudar a que a "economia não esteja nas mãos de meia dúzia de grupos", o que é um bom ponto de partida. Resta é saber se o Governo que ganhar as eleições em 2015 irá manter as mesmas prioridades. É uma dúvida com a qual teremos de conviver e que resulta do facto de o acordo de parceria ter sido negociado com um envolvimento mínimo dos restantes partidos da oposição.

Argentina heads for second default as talks with bondholders break down

Argentina heads for second default as talks with bondholders break down
Axel Kiciloff, Argentina’s economy minister, has been locked in intense negotiations with holdout creditors

Heidi Moore in New York and Angela Monaghan in London

Argentina was heading for its second debt default in 13 years on Wednesday night after negotiations with bondholders broke down in New York.

Axel Kicillof, Argentina’s economy minister, said US hedge funds rejected the country’s latest offer.

Kicillof has been locked in intense negotiations with holdout creditors demanding to be paid the full value for bonds they own on which Argentina defaulted. The talks have been overseen by a mediator appointed by a US judge who ordered Argentina to pay the creditors.

The court-appointed mediator, Daniel Pollack, confirmed that no agreement had been reached and “the Republic of Argentina will imminently be in default”.

Pollack said that default “is not a mere ‘technical’ condition, but rather a real and painful event that will hurt real people,” including Argentine citizens, exchange bondholders and the holdout investors.

The ratings agency, Standard & Poor’s, had earlier declared some Argentine bonds to be in “selective default” because the country did not make a $539m interest payment due on 30 June. Kiciloff denied the country was in default and suggested that Standard & Poor’s was not an “impartial referee.”

Argentina tried to make the payment but was prevented by a New York judge as part of an effort to force the country to settle a dispute with US creditors. The judge, Thomas Griesa, ruled Argentina could not pay the restructured bonds back unless it also paid more than $1.5bn to the holdout investors. Argentina has insisted it cannot afford to do both.

The ruling provided for a 30-day grace period, which fell due on Wednesday. The payment was due to over 93% of Argentina’s bondholders who accepted the debt restructuring deals in 2005 and 2010, wiping out 70 cents on every dollar of their holdings, and which the government wanted to honour.

Kicillof, speaking at the Argentinian consulate in Manhattan, said the country had offered the holdout bondholders the same terms as previous debt swaps. He called their insistence on full payment “extortion” and insisted the country would “fight it with all our weapons” .

A fresh default is not expected to affect Argentina’s economy as it did more than a decade ago, when dozens were killed in street protests and the authorities froze savers’ accounts to halt a run on the banks.

There will still be consequences, however, as it is expected to worsen an economy already in recession, weaken the currency as more Argentines seek to hold dollars, and put pressure on foreign reserves. It could also raise soybean prices, as the country is the world’s third-largest soybean exporter.

“The full consequences of default are not predictable, but they certainly are not positive,” Pollack said.

Led by the country’s president, Cristina Fernández de Kirchner, Argentina has refused to pay investors she has branded “vulture funds”, which were holding out for full repayment. The fear in Argentina is that any deal to repay the holdouts in full would trigger lawsuits from the bondholders who accepted the earlier deals, demanding to be paid on similar terms. The government in Buenos Aires estimates that the associated liability could run to as high as $15bn.

The holdouts are US hedge funds spearheaded by the billionaire Paul Singer’s NML Capital, an affiliate of Elliott Management, and Aurelius Capital Management.

Markets had been optimistic that a deal could be hammered out at the eleventh hour, with the value of the country’s bonds and shares rising.

Hopes were boosted by the prospect of a potential intervention by Argentina’s banking association. Under the proposals, a consortium of Argentinian banks would offer to buy the country’s debt held by the holdout investors.

Reuters and the Associated Press contributed to this report

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Ukraine rebel chief Igor Bezler: 'I won't hesitate to have you shot' / The Guardian .Está em movimento a engrenagem da tensão, por Jorge Almeida Fernandes.

 Ukraine rebel chief Igor Bezler: 'I won't hesitate to have you shot'
Nicknamed the Demon, leader said to be behind the downing of MH17 ends rare interview by exploding into rage and threatening journalists
Shaun Walker in Gorlovka

Igor Bezler / The Demon
With a walrus moustache, a fiery temper and a reputation for brutality, Igor Bezler is the most feared of all the rebel leaders in eastern Ukraine. Nicknamed Bes, or “the Demon”, he is regarded as something of a loose cannon, even by other rebels, who speak about him in hushed tones.

If the Ukrainian security services, the SBU, are to be believed, the Demon and a group of his men were responsible for shooting down Malaysia Airlines flight MH17 over the region a fortnight ago.

According to audio of a phone call allegedly made two minutes before the disaster, the Demon was told: “A bird is flying towards you.” He asked whether it is small or big, and was told that it was hard to see, as it was flying high above the clouds. In another recording, apparently made 20 minutes later, the Demon reported to his interlocutor, supposedly a Russian intelligence official, that a plane had indeed been shot down. Bezler said the recording was real but referred to a different incident: as well as MH17 the rebels have shot down 10 Ukrainian aircraft.

The Demon hardly ever gives interviews, but a Russian journalist and I managed to secure one, so we set off last Thursday to visit his headquarters in the town of Gorlovka, a 40-minute drive along deserted roads from the regional capital of Donetsk.

Previously a normal east Ukrainian town, with decaying Soviet-era industrial plants and a political elite that skimmed off the financial flows that might have helped lift it from its decrepit state, Gorlovka has become the Demon’s fiefdom in the three months since the uprising started.

At the entrance to the town was a checkpoint with high barricades of sandbags and armoured personnel carriers with their guns pointed at the road. It was manned by rebels with Kalashnikovs in their hands and rocket-propelled grenade launchers slung over their shoulders.

The man on the post, who introduced himself as Gorynych – like the three-headed dragon from Russian folklore – did not want to let us pass but we explained we had an interview set up with the Demon himself. Phone calls were made, and eventually we were allowed to enter the town.

Arriving at the government building that the Demon’s fighters had seized at the start of the uprising, we were led through several barricades, made up of sandbags and stacked ammunition boxes, and brought to the first floor, where there was a waiting area for those who wanted to be granted an audience with the Demon. On the wall, there was a portrait of Vladimir Lenin and one of Soviet-era bard Vladimir Vysotsky, with the caption: “A thief should sit in prison.”

Periodically, fighters came dashing up the stairs with news for the boss. Before they entered his office, they had to leave their telephones and weapons on a table. One man with a Cossack fur hat deposited two pistols, a Kalashnikov, a foot-long dagger and an iPhone 5 on the table before he was allowed into the Demon’s inner sanctum.

While we waited, a group of fighters made us tea in plastic cups with a lilac-coloured kettle, and we talked about life in the warzone. The rumble of shelling in the distance was audible. It had been getting closer every day, said the fighters, as the Ukrainian army continued retaking towns, not without civilian loss of life.

Some of the fighters were locals, others had come from Russia and attended a training camp in Rostov, across the border, before being sent to the Demon. One was a local who had lived in Moscow and worked as a lighting engineer for photoshoots. Holding up an umbrella all day, he found it demeaning work, and longed for something more meaningful in life. When the insurgency started, he had returned to his home town and now looked every inch the fighter, with a flowing beard, irregular fatigues, and a waistcoat with pockets for knives and ammunition.

The fighters showed me a room in disarray, filing cabinets tipped over and documents strewn across the floor. In the corner, incongruously, was a petting zoo of 10 rabbits. One of them was a huge, white specimen that the fighters had nicknamed Yatsenyuk, after the leader of the Maidan protests in Kiev, who went on to become prime minister and resigned last week. They said they planned to skin, cook and eat Yatsenyuk soon. It was unclear if they were joking. In the bathroom, instead of toilet paper, a copy of the Ukrainian legal code sat on top of the holder, half of its pages already ripped out.

The door to the Demon’s office opened and the man himself emerged, cigarette in hand and wearing a telnyashka – the stripy Russian naval vest – underneath military fatigues. In an instant the fighters were on their feet, standing rigid and saluting. One meekly explained that two journalists were waiting to see him.
Igor Bezler / The Demon

“I’m busy, we will talk later. For now, show them the prisoners,” he snapped, striding down the stairs surrounded by heavily armed men.

The Demon was born in Crimea as Igor Bezler and lived for a long time in Russia before moving to Gorlovka where he worked for a time as the director of the local funeral parlour. The SBU claims he is a Russian military intelligence agent who coordinates his actions directly with Moscow.

He is one of a number of key commanders of the rebel movement who Kiev claims are Russian agents, including the mysterious figure of Igor Girkin, nicknamed Strelkov or “the Shooter”, who is the commander in chief of the Donetsk resistance. An enthusiast of military re-enactments, Strelkov himself has admitted he was a Russian agent until last year, and took part in the Russian takeover of Crimea.

It is possible that men like Bezler and Strelkov are not directly carrying out Moscow’s orders but are proxy agents with handlers two, three or four steps removed from the Kremlin or other official Russian structures; players that can be directed from Moscow but who are also liable to go rogue at any time.

Bezler, Strelkov and many of the other commanders in the patchwork network of rebel groups operating in eastern Ukraine have all taken hostages. At the headquarters in Gorlovka, we were led down to the ground floor and into two small rooms filled with mattresses.

In one of the rooms I met Vasyl Budik, a local journalist arrested for supposed links to Pravy Sektor, a Ukrainian far-right group. He had been a prisoner for nearly three months, and was even subjected to a mock execution captured on video to pressure Kiev into agreeing an exchange for the remaining prisoners. There was also a 64-year-old Swede, who did not want to say what he was doing when captured (though he said he was not involved in combat), and a number of Ukrainian soldiers. One of them was with his wife; she had travelled from Kiev and voluntarily entered captivity so she could be with her husband.

As we talked, guards came for Budik, and took him upstairs into the main courtyard. A van had arrived, serving as an impromptu hearse, carrying the body of a rebel fighter who had just died in combat. The Demon and the other fighters crowded round the open doors of the van to glance at the open coffin and pay their respects. Budik was also emotional.

“I knew him well, since he was eight years old,” he said. “My wife and I would bring in homeless kids or orphans and try to give them a decent upbringing. I taught him boxing, tried to give him a grounding in life. I helped him out a lot. He was a good lad.”

I remarked what an extraordinary testament it was to the mindless, fratricidal nature of the conflict in eastern Ukraine that he was mourning the death of one of his captors. Budik chuckled. “You think that’s weird, they’ve got a high-ranking SBU official as a prisoner here, and one of his in-laws is guarding him,” he said.

The Demon materialised outside the rooms holding the hostages and told us he was ready to talk, but as we turned to walk up to his office, he became agitated over the question of why he keeps hostages. He looked back at us with furious eyes.

“The only reason they are here is because they are Ukrainian army soldiers,” he said, gesturing at the rooms with the hostages in. “Those who are fighting with the Ukrainian army, we keep as prisoners. Those who are fighting with volunteer battalions, we question them and then shoot them on the spot. Why should we show any pity to them?”

His voice got louder as he got more and more angry.

“You should [see] what they have done to my people. They chop off their heads and shit in the helmets! They are fascists! So why should we stand on ceremony with them? Questioning, an execution, that’s it. I will hang those fuckers from lampposts!”

By this point he was shouting at the top of his voice, and suddenly noticed that the Russian journalist I was with had her dictaphone on, and I was making notes in my notebook. He grabbed the dictaphone from her hands and ordered one of the fighters to throw it at the wall. Pulling my notebook from my hands, he began to rip out the pages frantically.

Protesting only made it worse. He barked commands at his subordinates: “Burn their notebooks! Seize their electronics! Search everything for compromising material and then destroy it! If you find anything, execute them as spies!”

Working in eastern Ukraine has been difficult for all journalists and anger and threats are commonplace. This was the first time, however, that I felt a very real sense of danger. “Don’t think for one minute I will hesitate to have you shot,” he yelled at the pair of us.

We were taken into a room for our bags to be rummaged through by underlings, the gravity of the situation underlined by just how scared the rebel fighters themselves appeared to be.

Twenty minutes later, as a nervous woman was methodically flicking through our possessions and I was clandestinely deleting all photographs and messages from the phone in my pocket they had not noticed, the Demon appeared at the door again, smoking a cigarette. He had calmed down, somewhat.

“Give them back their things. Drive them to the checkpoint, kick them out and never let them in,” he barked. We left hastily, and I never did get to ask the Demon about his alleged role in shooting down MH17.

I may never get another chance. Three days after our visit, on Sunday, Gorlovka was shelled ruthlessly using Grad rockets. Meaning “hail” in Russian, the Grad can launch up to 40 rockets in a matter of seconds, and is a spectacularly imprecise weapon designed to inflict maximum casualties. The missiles hailed down on central Gorlovka without warning, with plumes of smoke rising from buildings across the town.

The Demon was not there when the attack came – the Ukrainians say he has fled, his fighters say he left Gorlovka on a mission. But the missiles missed the headquarters anyway, coming down in various residential areas.

As the conflict enters what looks like an endgame, both sides are more resolute that ever. When the bodies began to fall from the sky earlier this month, the downing of MH17 seemed like an event so outlandish, and so gruesome, that some thought it might just act to jolt the players in the region’s conflict to their senses. A collateral massacre whose victims had no stake in the messy conflict on the ground, it was surely enough to end a war that has appeared largely manufactured, but has nevertheless cost hundreds of civilian lives.

Instead, the fighting has only intensified. The pro-Russian rebels have continued to down Ukrainian planes and Kiev claims Russia is still funnelling weapons and fighters across the border. Ukrainian forces, meanwhile, have intensified their attacks on the rebels and appear to have used indiscriminate missile systems against civilian areas. The conflict, far from calming down, has entered its most vicious stage yet.

Around 13 people died in Gorlovka on Sunday, including a mother and her young child. A haunting photograph of the pair lying on the ground, the mother’s body badly mangled but one arm still cradling the corpse of her child, was shared on social media and led to another round of both sides loudly blaming the other for the atrocity.

The headquarters of the Ukrainian anti-terrorist operation denied it had used Grad missiles on Gorlovka, and instead blamed the rebels, saying they had done so to “discredit the Ukrainian army” among the town’s residents.

Ukrainian forces have repeatedly denied using Grads against residential areas, and it is true that both sides have the missile launchers in their arsenals. However, Human Rights Watch found that on the outskirts of Donetsk there was compelling evidence that shelling had come from Ukrainian positions.

The rebels have a healthy supply of weaponry and, if Kiev is believed, are still receiving shipments from Russia. But they are no match for the sheer size of the Ukrainian army and the various volunteer regiments fighting on Kiev’s side, whatever state of disarray the government forces may be in.

Deep down, they all expect to die here. One of the Demon’s men, a jovial Muscovite, gave us a number to call so we could tell his relatives where to find his body when he is killed. None of his family knew he had come to Ukraine to fight.

“There is nowhere for us to go now, we will fight until the end, until the last drop of our blood is spilled and the last one of us is dead,” he said.

The question is how much more civilian blood will be spilled before that happens.

Está em movimento a engrenagem da tensão
30-7-2014- PÚBLICO

Vladimir Putin está a cometer demasiados erros de avaliação, o que é perigoso. A tragédia do avião da Malásia mostrou os riscos da sua política ucraniana e da perda de controlo sobre os bandos “separatistas”. A seguir, perdeu a oportunidade de contribuir para uma desescalada sem perder a face. Está agora confrontado com a perspectiva de sanções mais duras, que poderão constituir uma séria ameaça para economia russa. Na sua lógica, não recuará — isto é, calcula que não pode recuar por razões de prestígio e de poder doméstico — e ampliará consequentemente a dimensão da crise.
O analista russo Aleksander Morozov explicou à Reuters que o Presidente teria podido atenuar a reacção ocidental e reduzir o nível das sanções de uma forma simples: demarcando-se dos separatistas. Terá calculado que isso não lhe traria dividendos políticos. Agora é tarde: “Ele falhou a oportunidade.” E lançouse em diatribes antiocidentais.
Outro analista, Nikolai Svanidze, disse a uma rádio de Moscovo: “Penso que a nossa liderança é experiente, mas creio que não avalia devidamente a mentalidade do Ocidente.” Os mortos do “voo 17” endureceram a atitude ocidental, atenuaram as divergências entre a UE e Washington sobre as sanções e “reduziram a resistência do poderoso lobby económico alemão”.
“O avião mudou tudo”, diz ao Washington Post Sophia Pugsley, especialista nas relações UERússia no European Council on Foreign Relations. “E o que fundamentalmente mudou foi a atitude alemã.” Berlim será quem mais perde, já que largos sectores da sua economia estão ligados à Rússia. “Não sabemos se a Rússia quer ser nosso parceiro ou nosso adversário”, declarou à Spiegel o MNE alemão, Frank-Walter Steinmeier. A Alemanha — explica — está a meio caminho entre os países do Leste europeu, vizinhos da Rússia, e os da costa atlântica que têm uma visão diferente do peso de Moscovo.
Os governos ocidentais são forçados a agir e podem acreditar que as sanções levarão Putin a repensar a sua estratégia, evitando que esta crise o encoste à parede. Mas o que se passará será previsivelmente o inverso. Moscovo endurecerá a sua postura. “Putin já investiu demasiado, seja de um ponto de vista geopolítico seja em termos do seu estatuto [político] doméstico para ser convencido por sanções”, afirma Nicholas Spiro, director de uma agência britânica de riscos estratégicos. “[O avião] está a forçá-lo a endurecer a postura antiocidental muito mais cedo do que desejaria. Putin não quer queimar as pontes com as grande economias europeias, mas agora pode ser forçado a fazê-lo.”
Um preço elevado
Putin está de certo modo prisioneiro da sua retórica nacionalista e “imperial”. Uma sondagem do independente Levada Center indica que 61% dos russos dizem não temer as sanções, enquanto 64 culpam o Ocidente pela crise ucraniana.
A economia russa está à beira da recessão e as sanções terão efeitos graves ao nível da transferência de tecnologias e do investimento. Alexei Kudrin, antigo ministro das Finanças de Putin, teme o isolamento. Diz à Reuters: “Tenho sérias preocupações de que a escalada do conflito da Ucrânia leve à conclusão (...) de que não precisamos das melhores práticas do mundo. De facto, uma tal atitude prejudica seriamente a modernização da Rússia.”
O desígnio que guia Putin desde a sua eleição em 2000 é devolver à Rússia o “estatuto a que tem direito” no mundo, isto é, o papel que a antiga União Soviética ocupou — falar de igual para igual com os EUA e reduzir a influência global ganha pelos EUA no pósGuerra Fria. “Mas para isto não pode estar isolada nem tornar-se, pelo seu comportamento ou pelo dos seus homens de mão, numa espécie de estado-pária”, anota o analista francês Daniel Vernet.

Para lá da Ucrânia

Os homens do Expresso e Ricardo Salgado, o BES, o Grupo Espírito Santo: Nicolau Santos, Pedro Santos Guerreiro, João Vieira Pereira. E Miguel Sousa Tavares. E João Duque. E outros de outra comunicação social como Marcelo Rebelo de Sousa. E o Correio da Manhã (mas isso não sei se é bem jornalismo). E os Partidos. E não só. / Um Jeito Manso / Blog.

O VOODOCORVO publica hoje na íntegra um "post"do blog UM JEITO MANSO
O relacionamento e dependência dos Media com os Grupos Económicos merecem reflexão

Um jeito manso / Blog
'Há palavras que nos beijam como se tivessem boca' [... outras nem por isso]
segunda-feira, Julho 28, 2014

Os homens do Expresso e Ricardo Salgado, o BES, o Grupo Espírito Santo: Nicolau Santos, Pedro Santos Guerreiro, João Vieira Pereira. E Miguel Sousa Tavares. E João Duque. E outros de outra comunicação social como Marcelo Rebelo de Sousa. E o Correio da Manhã (mas isso não sei se é bem jornalismo). E os Partidos. E não só.

Volto a um assunto de que já tantas vezes aqui falei: a decadência de um poderoso Grupo económico português que se tem vindo a precipitar a velocidade acelerada, mostrando como entre a glória e a ruína vai um curto passo. Uma família Espírito Santo, até há pouco tão rica, rica demais para poder tombar, é hoje, certamente, um grupo de pessoas em aflição, consumida pela desconfiança e pelo ódio.

 E volto ao assunto porque a imprensa, antes tão servil, é agora um cão esfaimado pronto a saltar ao pescoço daqueles a quem, antes, tanto venerava. E, ao lançar confusão e areia, a imprensa tablóide corre o risco de desviar a atenção daquilo que importa.

Por isso, vou começar no Correio da Manhã mas não por muito tempo pois penso que presta um mau serviço ao país e vou antes centrar-me no Expresso, no qual há, apesar de tudo, alguns jornalistas de qualidade. E digo alguns porque outros, jornalistas ou colaboradores, uns por uma razão, outros por outra, nem tanto (e agora estou a cingir-me, em particular, ao mediático caso Espírito Santo).

O Correio da Manhã, que parece estar umbilicalmente ligado ao Ministério Público, revela que o BES emprestou alguns milhões aos Partidos, com o CDS à frente (5.5 milhões?).

Não sei como é feita a gestão económica e financeira dos partidos. Presumo que tenham como fonte de receitas o que os militantes pagam, que não deve ser muito, e algum apoio vindo do Orçamento de Estado. Como despesas, devem ter rendas e outras despesas de funcionamento da sede, incluindo pagamento de ordenados a funcionários, publicações e publicidade, etc. Não sendo empresas com fins lucrativos, diria eu que deveriam ser capazes de viver com o que têm já que não poderão fazer, como as empresas, diversificação de actividades, 'penetração' em novos mercados. Por isso, causa alguma estranheza que precisem de se financiar em milhões. Por exemplo, o CDS, um partido tão pequeno, precisa daqueles milhões para quê? Não sei. Mas, enfim, parece ser mais um caso de gestão do que outra coisa. Uma organização ou uma pessoa pedir empréstimos à banca não tem nada de mal, sobretudo se os conseguir pagar. Por isso, a capa do Correio da Manhã a mim não me diz nada: parece-me, isso sim, puro populismo jornalístico.

A questão é mais outra: quase toda a gente que exerce uma actividade em Portugal parece que não sabe gerir sem ser com recurso a capitais alheios. Ou seja, tal como digo aqui desde sempre e como fica cada vez mais claro, não foram as pessoas individualmente que viveram acima das suas possibilidades mas sim alguns, poucos, os muito privilegiados de sempre, e as organizações, especialmente as de gestão privada (provavelmente, partidos incluídos).
Portugal vive em cima de dívida e isso, sim, é um grande problema. Há tempos li na entrevista que Anabela Mota Ribeira fez a António Nogueira Leite uma coisa com a qual estou absolutamente de acordo. Referia-se ele ao contacto que tinha tido com o patrono do Grupo Mello:
O Sr. José Manuel de Mello via sempre à frente de todos os outros. Há uma série de coisas que estão a acontecer que, ditas na linguagem encriptada que ele usava, e que quem trabalhava com ele percebia, anunciou. Refere, candidamente mas de uma forma frontal, que em Portugal as pessoas não gerem activos, gerem dívida – que até aí ninguém tinha dito.

É verdade. E, quando se vive em cima de dívida, vive-se no arame - dependente de tudo, vulnerável, as fracas economias que a actividade vá gerando a serem devoradas pelo serviço da dívida. E vive-se sob o jugo de quem tem o poder para ir dispensando mais uma pinguinha, mais um pózinho.

Porque se chegou a este ponto? Ter-se-ia que recuar muito na História de Portugal para encontrar as causas e nem seria eu a pessoa mais habilitada para falar nisso.

Um Estado em geral ocupado por fracas elites, por gente que se deixa manipular, incapaz de regular o que quer que seja, o poder na mão de uns quantos, poucos, e muita corrupção, grande e pequena mas disseminada, dinheiro circulando por muitos corredores - esta tem sido, de facto, mais coisa menos coisa e salvo em alguns curtos períodos de excepção, a história da vida deste pobre país.

As empresas francesas, quando orçamentavam grandes projectos para venderem em Portugal, incluíam sempre uma rubrica designada por frais latin. Luvas. Soa humilhante para nós mas era (e até há pouco tempo era assim; agora não sei) indispensável para que se conseguissem ganhar grandes concursos.
Não havia grande negócio que se fizesse que não tivesse que contemplar dinheiros para este, para aquele e para aqueloutro. Por vezes, as benesses percorriam a hierarquia de cima a baixo, tudo agilizado (oleado) de forma generosa. Repito: escrevo no passado porque desconheço o que se passa nos dias de hoje.

E, portanto, uns porque pagaram, outros porque receberam, outros porque trabalham em empresas que são fornecedoras e que não querem perder negócio, outros porque são colaboradores e devem fidelidade à empresa, outros porque são amigos ou familiares, ou por mil outras razões - não puderam falar e, mesmo hoje que tudo se escancara em escândalo e revolta, há pessoas de quem se esperaria que denunciassem ou criticassem factos e o não fazem.

Numa altura em que o assunto que grita no País é o escândalo e o drama da queda do império Espírito Santo, Miguel Sousa Tavares sempre tão atento à actualidade, não toca no assunto GES/BES. Compreende-se: a sua filha é casada com um Espírito Santo. Eu também teria dificuldade em arrasar publicamente um compadre meu.

Marcelo Rebelo de Sousa já o disse publicamente várias vezes: é amigo pessoal de Ricardo Salgado, já passaram muitas férias juntos, e é sabido que a sua namorada de longa data, Rita Amaral Cabral, é administradora do Grupo. Como poderia ele falar abertamente? Como poderia ele lançar alertas públicos? Fala apenas em geral, em termos globais e fala agora. Ouvi-o há pouco dizendo que já em 98 afrontou Ricardo Salgado mas não tenho ideia. Desconheço se teceu críticas privadas ou quase privadas mas em privado tudo é possível porque, supostamente, as paredes não têm ouvidos. Sobretudo, é inconsequente. O que importava, perante as dramáticas consequências para tanta gente, era que, atempadamente, se tivesse tentado impedir que tanto mal acontecesse.

[Nota: Falar agora é fácil e meio mundo o faz como se já soubesse deste brutal escândalo há mil anos. Mas a coisa é ainda mais desagradável quando o falatório assume contornos de conversa de vizinha. É o que achei da recente conversa de Paes do Amaral. Paes do Amaral foi casado com uma irmã de Rita Amaral Cabral e, portanto, quase cunhado de Marcelo Rebelo de Sousa. A forma deselegante como, na entrevista que concedeu ao jornal Dinheiro Vivo a propósito da privatização da TAP, envolveu Marcelo Rebelo de Sousa na teia de Ricardo Salgado soou-me a vingança, a mau feitio, a coisa feia, a coisa muito pouco nobre - mas, enfim, por estes dias a nobreza parece andar pelas ruas da amargura]

Continuo. Falo agora não de jornalistas ou comentadores mas, sim, de gestores tidos por excelentes, verdadeiros opinion makers junto de quem se interessa pela boa governance de sociedades. Henrique Granadeiro ou Zeinal Bava eram presença frequente em seminários ou debates, casos exemplares. Contudo, estão nas administrações de empresas que têm como accionista os Espírito Santo - como podem falar, se estão onde estão pela confiança que merecem junto do ex-dono disto tudo? Não podem. Aliás, de forma incompreensível, atiraram para a lama a sua própria reputação, a reputação da PT e estoiraram com as economias dos que acreditavam neles. Um caso difícil de entender e que ainda irá dar que falar.

São exemplos, simples exemplos, porque as ligações são poderosas e inúmeras.

Nicolau Santos recordou na sua crónica do suplemento de Economia do Expresso de sábado: em tempos falou das suspeitas e indícios envolvendo Ricardo Salgado e, por causa dessa ousadia, o Expresso sofreu uma quebra de receitas publicitárias no valor de 3 milhões. O BES é um grande anunciante, uma fonte de receitas relevante para toda a gente que precisa das receitas publicitárias. Não é fácil a uma empresa como aquela que gere o Expresso encaixar uma perda de receitas de 3 milhões. Por isso, antes que alguém falasse, que pensasse bem. Assim funcionam estas coisas.

Por isso, foram poucos os que, em momentos difíceis, tiveram a coragem de romper o cerco. Nicolau Santos, como já antes o disse, tem sido exemplar na forma como rompe os cercos do medo. Esta semana não apenas recorda os que valorosamente têm posto o dever de informar acima de medos ou interesses, como tem a coragem de enunciar as actuações tíbias de Carlos Costa que tem sido tão elogiado por meio mundo e cuja actuação, na prática, tem sido tardia, pouco eficaz, e, sejamos claros, pouco credível.

Nicolau Santos fala também em Pedro Santos Guerreiro, um jornalista de primeiríssima água. Claro na expressão, directo, honesto, pela sua mão têm sido escritos dos mais claros artigos sobre a ruína da família Espírito Santo.

Esta semana, Pedro Santos Guerreiro, faz uma antevisão do que vai acontecer às empresas do Grupo (falências, depreciações, venda, prejuízos para os fornecedores e demais credores, muito desemprego), ao BES (perda de valor, perda de dimensão, provável aquisição por parte de outro banco, anulação da marca BES) e para a família (perda de tudo, ser processada, desagregar-se). Ler Pedro santos Guerreiro é ler a realidade sem photoshop.

Nicolau Santos fala ainda de João Vieira Pereira que acompanhou algumas investigações.

Confesso que, em geral, não me revejo na escrita e nas opiniões de João Vieira Pereira. Parece-me frequentemente errático nas suas apreciações, injustificavelmente crédulo (o que parece acontecer sempre que as promessas vêm do lado da actual coligação), só reagindo perante evidências, aparentando pouca consistência nos seus juízos de valor. Mas, de vez em quando, tem assomos de clarividência e escreve de forma directa, sem brandura. É o caso do que escreve esta semana no seu Bloco de Notas. Não sei exactamente a que se refere quando fala de links mas presumo que ele saiba e, por isso, transcrevo:

O Grupo Espírito Santo era claramente extractivo. Extraía para alguns. Para os seus. Família ou amigos. Não havia bem comum. Havia o bem de um.

Sobre ele girava um império. Os links estão todos feitos. A Durão Barroso, a Paulo Portas, a José Sócrates, à EDP, à PT, e até ao Benfica. Os casos sucederam-se durante anos. Sempre com o memsmo denominador. No palco ou nos bastidores.

Mas a culpa é tanto dele como de quem lá o deixou ficar. Durante anos houve um pacto que ninguém ousou quebrar, ninguém.Por mais que agora venham dizer que sempre avisaram, é mentira! Ninguém teve coragem para o fazer. Ninguém com o poder de acabar com a vergonha.

A vergonha de haver um poder económico que não trouxe prosperidade. E que ajuda a explicar por que razão continuamos na cauda da Europa. O valor criado era apropriado por alguns, os eleitos. E foram muitos os que ganharam no jogo.

Não posso estar mais de acordo. Só lamento que, com a presciência que agora revela, João Vieira Pereira não tenha tido a mesma lucidez nas vezes em que o vi defender, com unhas e dentes, as medidas estúpidas com que Passos Coelho tem vindo a destruir a economia, a aumentar a dívida e a atacar trabalhadores, como se tivessem sido estes últimos os responsáveis pelo estado do País. Mas, enfim, se finalmente, caíram os véus que, por vezes, pareciam toldar-lhe a vista, só posso ficar contente. O país precisa de um jornalismo isento e lúcido.

Exemplo de um cata-vento que diz o que calha consoante sopram os ventos é, em minha opinião, João Duque, justamente o da 'confusion de confusiones'. Chega a ser patético. Esta semana escreve uma crónica, naquele seu estilo que tenta ser humorístico, mostrando que, com a estrutura accionista e a estrutura organizativa (e fiscal), as empresas do Grupo Espírito Santo formam uma teia impossível de rastrear. Pois. Têm razão Nicolau Santos e João Vieira Pereira quando dizem que agora é fácil pisar quem já está no chão. Pois não foi João Duque que, à frente do ISEG, concedeu mais uma distinção a Ricardo Salgado? Em 2013, Ricardo Salgado  não foi prestigiado com o doutoramento "honoris causa" por serviços prestados à economia, cultura, ciência e à universidade?

Transcrevo uma parte de uma notícia de Julho de 2013, assinada por Maria Teixeira Alves,sobre o discurso de agradecimento de Ricardo Salgado ao ser agraciado :
"Hoje em dia não se pode falar de emprego e crescimento sem ter conta uma visão estratégica sobre o que se passa no mundo", disse [Ricardo Salgado] defendendo a internacionalização. Elogiou o papel do BESI na internacionalização do banco.
"Agrada-nos muito ter contribuído para o aumento das exportações portuguesas", disse.
Ricardo Salgado reforçou o papel do Estado no equilíbrio das finanças públicas para poder reduzir a austeridade ao mínimo e promover o crescimento económico". O banqueiro realçou ainda a importância da União Bancária.
Finalmente elogiou o papel do ISEG, presidido por João Duque, no conhecimento.

Por isso, quanto a João Duque, estamos entendidos.

Mas volto ao muito esclarecedor artigo de Nicolau Santos e, para abreviar razões, limito-me a transcrever:

O BES foi seguramente, nos últimos anos, o banco que mais investiu em publicidade na comunicação social. Essa estratégia nunca foi inocente. Na sua mão tinha sempre a espada de Dâmocles, que levava o director de cada rádio, jornal ou televisão a pensar duas vezes antes de publicar algo desagradável para o banco verde.

A esta actuação aliava uma outra: o convite a jornalistas para irem a conferências de uma semana em estâncias de férias de neve na Suiça ou em França, onde de manhã se ministravam cursos de esqui na neve e à tarde se ouviam especialistas na área económica e financeira. E no verão repetia-se a dose: uma semana num barco algures no Mediterrâneo, acompanhando a Regata do Rei, até que num dos dias se subia a bordo do veleiro (ou será iate?) onde estava Ricardo Salgado para uma conversa descontraída sobre o banco.

Poderia eu acrescentar: Meu Caro Nicolau Santos, acha que esta prática era exclusivamente dedicada a jornalistas ou a estâncias de neve ou náuticas? Quantos directores ou administradores de empresas foram assistir a jogos de futebol aqui, ali e acolá, com viagem de avião, deslocações, almoços e jantares tudo incluído por convite do BES? Poderia juntar alguns exemplos para além do futebol como, por exemplo, torneios de golfe aqui e além mar, ou outros, mais mas isto está longo para além da conta e eu sei que a vossa paciência tem limites.


Seria bom que se pudesse fazer uma limpeza nos bastidores da política, da economia e das finanças de Portugal, especialmente acabando de vez com a teia que perigosamente, ao longo de muitos anos, se foi entretecendo entre os seus vários agentes. Mas seria bom que isso não implicasse o sacrifício de muitos inocentes. E é disso que tenho receio, é isso que me preocupa. Mas tudo se há-de resolver e, com sorte, os efeitos colaterais não serão dramáticos e a justiça correrá célere para punir os culpados de tanto atraso de vida.

E até lá, até que a justiça faça o que tem a fazer, que haja decência e respeito (inclusivamente por parte da Justiça e dos seus agentes).