sábado, 31 de dezembro de 2016

No comment needed

Brexit vote sparks rush of British Jews seeking Portuguese passports

Brexit vote sparks rush of British Jews seeking Portuguese passports
More Sephardic Jews are applying for citizenship of Portugal under law making amends for expulsion centuries ago

Sam Jones in Madrid
Saturday 31 December 2016 07.00 GMT

The UK’s decision to leave the European Union has fuelled an 80-fold increase in the number of British Sephardic Jews seeking Portuguese citizenship under a recent law intended to make amends for their ancestors’ expulsion from the Iberian peninsula more than 500 years ago.

Last year both Spain and Portugal brought in legislation to facilitate the return of the descendants of the thousands of Jews who were forced from the countries at the end of the 15th century.

The Spanish government said the offer of citizenship was intended to right the “historical wrong” that saw the country’s Jewish community exiled, forced to convert to Catholicism or burned at the stake. Portugal said that while there was no way to make up for what had been done, the offer of citizenship represented “an attribution of a right”.

The stories you need to read, in one handy email
Read more
In the wake of June’s Brexit vote, however, a rapidly increasing number of British Sephardic Jews have been applying for Portuguese citizenship as a way to deal with the uncertainty created by the leave victory.

According to the Jewish Community of Oporto – which, along with the Lisbon Jewish community, is certifying applicants – demand from the UK has soared since 23 June.

Dr Michael Rothwell, a delegate to the community, said it had received just five applications before Brexit compared with 400 in the two months following the vote.

“I think people are a bit nervous about this and therefore feel that having a European Union passport would be an advantage even if they are not necessarily planning to move to Portugal,” he said. “Having citizenship of an EU country has its benefits.”

Rothwell said the community had not been surprised by the rush for Portuguese passports, adding that the number of individuals applying was greater that 400 as many had applied in groups. Although there are no precise figures, the UK’s Sephardic population is estimated to be in the thousands.

Alison Rosen, executive director of the S&P Sephardi Community in London, said its archivists had also seen a rise in the number of people inquiring about their Sephardic ancestry.

“One hundred per cent, the minute Brexit happened, we definitely saw an increase in volume and I think it’s continuing,” she said. “In the past, we had a handful of people and it’s now a steady flow of people. In the past we might have got one a month and now it’s a couple a week or something.”

However, Spain’s Federation of Jewish Communities said it had not seen a similar rise in UK applications after Brexit, perhaps because the language tests required by the Spanish government are pushing would-be applicants to try the Portuguese route, which makes no linguistic demands on applicants. The UK does not feature among the Spanish government’s top 10 countries for applications, a list led by Argentina, Israel, Venezuela, the US and Canada.

Gillie Traeger, a 45-year-old teaching assistant from Greater London, is one of those now seeking Portuguese nationality. For her, the offer of citizenship is a matter of recognising both her Sephardic roots and asserting her wider European identity in the aftermath of Brexit.

“There’s kind of a sense of pride from coming from this very old Jewish family in England,” she said. “[But] historically, I don’t feel like I’m just English. I feel I’m European and would like to stay that way. Having the opportunity to do this is rather nice, actually.”

Another British descendant of Sephardic Jews, who did not want to give his name, said his decision to apply for Portuguese citizenship had been political and pragmatic.

“The moment that I heard about the decree in Portugal, I said to my wife: ‘If we leave the European Union, I’m going to apply for Portuguese citizenship,’” he said.

“I’m literally in mourning about Brexit. I’m a European, a cosmopolitan and I think all forms of nationalism are pretty hateful. If you look at the 19th and 20th century and see what nationalism does, it’s not a history to be particularly proud of.”

Particularly distasteful, he added, had been the rhetoric surrounding the debate with its familiar attacks on “the hated Johnny Foreigner”.

“My going for Portuguese citizenship is in part symbolic; it’s in part protest and in part the embracing of a particular cultural heritage. But it’s in part the practicality of being able to travel in Europe without having to produce a non-European passport.”

Yoram Zara, an Israeli lawyer representing Sephardic Jews from all over the world, said the reasons for the rise in applications were self-evident.

“They are used to being a part of the European Union and enjoying all the privileges and rights of European citizens,” he said. “Now there’s some uncertainty about what will happen in the coming years, so it’s safe to have it if you intend to live, work or study in the EU or to retire there. Having a Portuguese, EU passport certainly shouldn’t harm you and might give you things that a British passport will no longer allow you to have.”

Zara and Rothwell said that while applications to Portugal from the UK were on the increase, there was also strong interest from Turkey, which welcomed many Sephardic Jews following the expulsion from Spain and Portugal.

Five hundred years on, the dwindling community has found itself the target of terrorist atrocities, and many feel increasingly unwelcome in Turkey’s shifting political climate.

“This law came out at a time when precisely Turkish Jews are feeling under stress from the political changes that are taking place in Turkey,” said Rothwell.

“Five hundred years ago, Spain and Portugal expelled the Jews and the Sultan of the Ottoman empire received them very happily – it was a very good deal – and they have been living in those areas very happily for 500 years, but now the circle is kind of closing because the Turkish Jews are not feeling very safe where they are, and so you have the inverse.”

Zara said that Sephardic Jews in Turkey were now applying in their “hundreds and thousands”.

He added: “They are concerned – and I think the last few months have proved them right – because things are not stable in Turkey and maybe they will need to leave if things get worse.”

Despite the emollient words from Madrid and Lisbon, though, some of those whose ancestors were persecuted and chased from their homes are still left pondering the epic injustice of it all.

“To them it may be an offer of amends but to me it’s part of my cultural identity and heritage,” said Misty Kenney, who applied for Portuguese citizenship before the Brexit vote.

“I’m surprised they didn’t start doing this years ago. If it wasn’t for the inquisition maybe I would be in Portugal today.”

Portugal runs for four days straight on renewable energy alone

Portugal runs for four days straight on renewable energy alone
Zero emission milestone reached as country is powered by just wind, solar and hydro-generated electricity for 107 hours

Arthur Neslen
Wednesday 18 May 2016 14.59 BST

Portugal kept its lights on with renewable energy alone for four consecutive days last week in a clean energy milestone revealed by data analysis of national energy network figures.

Electricity consumption in the country was fully covered by solar, wind and hydro power in an extraordinary 107-hour run that lasted from 6.45am on Saturday 7 May until 5.45pm the following Wednesday, says the analysis by the Sustainable Terrestrial System Association and the Portuguese Association of Renewable Energies (Apren).

News of the zero emissions landmark comes just days after Germany announced that clean energy had powered almost all its electricity needs on Sunday 15 May, with power prices turning negative at several times in the day – effectively paying consumers to use it.

Oliver Joy, a spokesman for the Wind Europe trade association said: “We are seeing trends like this spread across Europe - last year with Denmark and now in Portugal. The Iberian peninsula is a great resource for renewables and wind energy, not just for the region but for the whole of Europe.”

James Watson, the CEO of SolarPower Europe said: “This is a significant achievement for a European country, but what seems extraordinary today will be commonplace in Europe in just a few years. The energy transition process is gathering momentum and records such as this will continue to be set and broken across Europe.”

Last year, wind provided 22% of electricity and all renewable sources together provided 48%, according to the Portuguese renewable energy association.

While Portugal’s clean energy surge has been spurred by the EU’s renewable targets for 2020, support schemes for new wind capacity were reduced in 2012.

Despite this, Portugal added 550MW of wind capacity between 2013 and 2016, and industry groups now have their sights firmly set on the green energy’s export potential, within Europe and without.

“An increased build-out of interconnectors, a reformed electricity market and political will are all essential,” Joy said. “But with the right policies in place, wind could meet a quarter of Europe’s power needs in the next 15 years.”

In 2015, wind power alone met 42% of electricity demand in Denmark, 20% in Spain, 13% in Germany and 11% in the UK.

In a move hailed as a “historic turning point” by clean energy supporters, UK citizens last week enjoyed their first ever week of coal-free electricity generation.

Watson said: “The age of inflexible and polluting technologies is drawing to an end and power will increasingly be provided from clean, renewable sources.”

• This article was amended on 19 May and 21 December 2016. An earlier version said that in 2013 Portugal generated 27% of its electricity from nuclear, 13% from hydro, 7.5% from wind and 3% from solar, according to Eurostat figures. In fact those figures are for the whole of the EU; Portugal does not have any nuclear power plants. The organisations that undertook the analysis, which were not identified initially, have been added. After publication, it was pointed out that some fossil-fuel-generated power is used, for example, for pumping in hydro schemes. Notwithstanding that element, Apren says, renewable energy generated enough power to meet Portugal’s demand over the four days.

EU waits on Donald Trump for next Russian sanctions move / Donald Trump praises 'great move' by Vladimir Putin for not ordering tit-for-tat expulsions / Transition From Barack Obama to Donald Trump Turns Tense

EU waits on Donald Trump for next Russian sanctions move
The U.S. measures underscore European divisions.


Europe watched Barack Obama’s retaliatory steps against Russian election hacking with keen interest. But America’s closest allies are looking to his replacement for cues on their next move.

Donald Trump’s call on whether to keep the Obama-era sanctions against the Kremlin in place will most likely determine whether Europe hunkers down for a long fight with Moscow in cyberspace and elsewhere.

Obama’s decision on Thursday to expel 35 alleged intelligence officers and take other steps in response to cyber-meddling in the U.S. election comes at a time of deep divisions in Europe over policy toward Russia. There is growing pressure from countries such as Italy and Hungary to lift existing sanctions imposed over Russia’s actions in Ukraine. More hawkish nations, led by the U.K., France and Germany, want new penalties over Russia’s intervention in Syria. There is also fear that Russia will use the same disruptive techniques as it reportedly used in the U.S. to influence key 2017 elections in France and Germany.

Publicly, European leaders have largely kept quiet about the U.S. move. But officials and analysts say the real impact across the Atlantic will be felt after Inauguration Day. “For the EU, it depends on what Trump does,” said Mark Leonard, director of the European Council on Foreign Relations.

If Trump cancels these new sanctions and rolls back those over Russia’s annexation of Crimea, the EU will be pressed to follow suit. “The nightmare for European countries is to play bad cop to America’s good cop,” Leonard added. “If [Trump] recognizes the annexation of Crimea and starts to remove sanctions, it puts the EU in an intolerable position.”

EU leaders extended the bloc’s economic sanctions against Russia earlier this month until July 31 2017. In October, they shied away from imposing new sanctions over what British Prime Minister Theresa May called Russia’s “sickening atrocities” in Syria — despite a strong push from the U.K., France and Germany.

Trump has so far shown he cares little for the party line, so his position is unpredictable.
It’s as hard to remove as to add sanctions and the divisions among the EU countries favor the status quo. Barring an unexpected Russian military disengagement from the conflict in Ukraine, the only game changer would be an American move to drop sanctions, said Marek Wąsiński, an analyst at the Polish Institute for International Affairs. “If there is a lack of trans-Atlantic vision of how to respond to Russia, and if the United States withdraws from these plans, then Europe should be in the same position,” he said.

Obama quickly received support from senior U.S. Republican congressmen, who welcomed the sanctions as being “long overdue.” That makes it harder for Trump to undo the move, which would open him to charges of being a Kremlin ally. That said, Trump has so far shown he cares little for the party line, so his position is unpredictable.

Russian President Vladimir Putin appeared to ingratiate himself with the next president, announcing on Friday that Moscow would not expel any American diplomats in response to the U.S. ejecting 35 Russian officials — or take other retaliatory actions until Trump takes office.

“Although we have reason to retaliate, we will not resort to irresponsible ‘kitchen’ diplomacy but will plan our further steps to restore Russia-U.S. relations based on the policies of the Trump administration,” the Kremlin said in a statement.

The looming cyber threat

The justification for the new U.S. sanctions is that Russia interfered in its elections — charges backed up in a report published Thursday by the U.S. Department of Homeland Security and the Federal Bureau of Investigation, laying out the methods used by the Russian intelligence services.

A European diplomat said his foreign ministry had already passed the U.S. report to its intelligence services to analyze, but noted that it echoes cyberattacks in his own country, though not related to elections.

“We were more in favor, like other countries, of extending the existing sanctions” rather than strengthening or expanding them, the diplomat said, on condition of anonymity. “But if this report is technically substantiated … we can’t remain still.”

There is growing fear that the Kremlin is planning similar measures elsewhere in the EU in order to get back at some of its fiercest critics, the diplomat said.

“France permanently and with the greatest vigilance tracks anything that could affect its sovereignty and the regular democratic expression of it” — French foreign ministry statement issued Friday.
German government officials worry the Kremlin has set its sights on Chancellor Angela Merkel, who has condemned Russian actions in Syria and Ukraine, and who faces a probable September election.

The chief of Germany’s internal security service warned this month of attempts to influence the outcome of elections in his country, as did the head of France’s ANSSI cyber-security agency though without naming Russia, due to a strict French diplomatic tradition of not naming countries suspected of espionage.

“France permanently and with the greatest vigilance tracks anything that could affect its sovereignty and the regular democratic expression of it,” said a French foreign ministry statement issued Friday.

In November, France’s National Secretariat of Defense and National Security, a coordinating agency linked to the prime minister’s office, held a seminar to educate political parties, pollsters and companies that handle electronic voting about the risk of hacking.

And on Wednesday Sébastien Pietrasanta, a Socialist MP, sent a written question to the government expressing further concerns about the security of electronic voting devices, which are used in some communes in France.

“As we saw with the hacking of computers belonging to the Democratic Party in the United States, the possibility of an attack on these machines is not to be ruled out,” wrote Pietrasanta.

The Kremlin may have an interest in the election in France of a pro-Moscow candidate who could tip the balance of power in Europe toward lifting economic and diplomatic sanctions against Russia.

The Conservative former Prime Minister François Fillon, who is currently leading the polls, is a forceful advocate for warmer relations with Russia, as well as the lifting of sanctions. He met with Putin after leaving office and is reported by French media to have personal ties with the Russian leader.

Center-left presidential candidate Emmanuel Macron also called this year for lifting Russian sanctions, and National Front chief Marine Le Pen is a vocal advocate for Russia. In 2014, her euroskeptic party accepted €11 million in loans from Russian-backed financial institutions, a transaction that some speculated may have been linked to her recognition of Russia’s annexation of Crimea.

While France’s position in Russia may change after the May election, a German shift is much less likely because Merkel is expected to win a fourth term as chancellor, analysts said.

A pro-Russian political shift in Western Europe could leave Central and Eastern Europe isolated.

“From the Polish position, there is no change when it comes to the situation in Ukraine,” said Wąsiński. “We cannot agree on canceling the sanctions.”


Sara Stefanini and Nicholas Vinocur
Donald Trump praises 'great move' by Vladimir Putin for not ordering tit-for-tat expulsions
Mr Trump has again used Twitter to conduct his political outreach

Andrew Buncombe New York @AndrewBuncombe

Donald Trump has praised Vladimir Putin for not ordering tit-for-tat expulsions following the decision by Barack Obama to oust 35 Russian diplomats.

In a move that will likely lead to the President-elect’s critics claiming he appears more loyal to the Russian leader than the US president, Mr Trump said it was a “great move” by the Kremlin.

A day after Mr Obama ordered the expulsion of the Russian enjoys and the closing of two compounds used by the diplomats, Mr Putin surprised many observers by not reciprocating in kind. In a clever piece of political chess, he said Russia would not lower itself to the level of “kitchen” diplomacy”. He even invited the children to US diplomats in the US to attend a New Year’s celebration at the Kremlin.

Donald J. Trump ✔ @realDonaldTrump
Great move on delay (by V. Putin) - I always knew he was very smart!
8:41 PM - 30 Dec 2016
26,436 26,436 Retweets 70,327 70,327 likes

Mr Putin also made clear that he could order further responses depending on what steps Mr Trump takes when he assumes the US presidency on January 20. On Thursday, Mr Trump had issued a statement saying that the American people needed to move on to more important issues.

On Friday, after Mr Putin played his hand, Mr Trump said on Twitter that he thought the Russian leader’s decision was a “great move”. He added: “I always knew he was very smart!.”

During the election campaign, Mr Trump repeatedly praised Mr Putin’s leadership, an issue on which he stood in sharp contrast to his Republican colleagues. He also said he was ready to begin a new relationship with Russia, after eight years under Mr Obama during which things have become very strained.

Trump's advisor suggests Obama's sanctions against Russia are to 'box in' the incoming President
Yet Mr Trump stoked the greatest controversy over the issue of Russia’s alleged hacking of emails belonging to Hillary Clinton’s top adviser and members of the Democratic National Committee. Firstly, Mr Trump encouraged Russia to hack Ms Clinton and find her “missing emails”.

US intelligence has since said it believed Russia was behind the hacking of the emails, which were subsequently passed to Wikileaks, and similar sights. Many reports say a consensus among the intelligence community is that Russia was seeking to influence the election in favour of Mr Trump.

Mr Trump has rejected the findings and said agencies such as the CIA cannot be trusted given that they were wrong over their claims over Saddam Hussein’s weapons of mass destruction.

Mr Obama ordered the closure of compounds in Maryland and New York (AP)
On Friday, the US authorities took possession of two “luxurious retreats” used by Russian diplomats to swim, sail and relax, a day after Barack Obama announced sanctions in in retaliation for Moscow’s alleged interference in the presidential election.

The Associated Press said that shortly before noon, caravans of diplomatic vehicles departed both Russian compounds under the watch of US State Department agents.

It said the 45-acre Maryland included a brick mansion along the Corsica River in the Eastern Shore region. Reports indicate it was bought by the Soviet Union in 1972 and served as a getaway for its diplomats in nearby Washington.

Meanwhile, in New York, Russian diplomatic staff were similarly evicted from a mansion on Long Island’s Gold Coast. The estate, once called Elmcroft, is in the town of Oyster Bay and was purchased by the Soviets in 1952.

Transition From Barack Obama to Donald Trump Turns Tense
After warm start, White House changeover gets messy as agendas collide
Updated Dec. 31, 2016 1:39 a.m. ET

President Barack Obama and his successor Donald Trump are making moves that tread on each other’s turf and complicate the other’s agenda, creating one of the messiest White House transitions in recent years.

Since Election Day, Mr. Obama has taken some of the most far-reaching actions of his eight-year presidency, leaving Mr. Trump to manage the fallout and narrowing his options once he takes office. He also plans a final major address the week before the inauguration that will reflect on his policy agenda, according to people familiar with the speech. The address could contrast his approach with Mr. Trump’s.

This week, Mr. Obama slapped Russia with a series of sanctions and diplomatic censures in response to a U.S. intelligence assessment that Moscow used cyberattacks to try to interfere with the presidential election. Last week Mr. Obama broke with decades of U.S. policy and let pass a United Nations resolution condemning Israel for building settlements.

As he prepares to take office Jan. 20, Mr. Trump has made countermoves. His team talked to Israeli officials about derailing the U.N. vote and he used social media to try to sway the outcome, calling on Mr. Obama to use U.S. veto power to reject the resolution.
Trump’s Plan to Partner With Russia Faces New Hurdle
A central promise of Trump’s foreign policy is that he will forge a working partnership with Russia, turning an adversary into an ally in global threats that bedeviled President Obama.

Mr. Trump has made clear he doesn’t believe punitive sanctions against Russia are needed, and he has questioned the evidence of Moscow’s meddling. Russian President Vladimir Putin said Friday he would hold off on taking retaliatory action and wait to see how relations take shape in a Trump administration. Mr. Trump commended the decision in a tweet Friday: “Great move on delay (by V. Putin) – I always knew he was very smart!”

Past transitions played out with far less conflict on core national issues.

The 2000 transition was abbreviated because of the recount in Florida. Incoming officials in George W. Bush’s White House said they enjoyed the luxury of building an administration behind the scenes, with much of the press and public focused on ballot counts in Florida precincts.

Once the Bush team moved into the White House, they accused President Bill Clinton’s aides of vandalizing in prank fashion some office equipment—including removing the ‘W’ from some typewriters— but the two teams didn’t contradict each other’s final and first acts.

The Bush-Obama transition in 2008 is viewed as among the most seamless. After he won the election, Mr. Obama sought to steer clear of commenting publicly on the financial crisis and steep job losses that consumed Mr. Bush’s final months in office. In the weeks before his inauguration, Mr. Obama repeatedly said the nation has only “one president at time,” and he praised his predecessor in his inaugural address.

Watching from the White House in recent days, Mr. Obama’s team has made plain it would like Mr. Trump to wait his turn.

Ben Rhodes, a deputy national security adviser, said recently that the president and his aides “believe that it’s important that there’s a principle here that the world understands who is speaking on behalf of the United States until Jan. 20 and who is speaking on behalf of the United States after Jan. 20.”

Confusion is evident in some foreign capitals.

At a government news conference in Berlin this week, the German foreign ministry spokesman took a question about a tweet from Mr. Trump saying the U.S. should “expand its nuclear capability.”

“We cannot conclude how policy will look after Jan. 20 based on half a tweet and a comment,” the spokesman, Sebastian Fischer, said. “It is good state practice always to have only one president at a time.”

The transition started out on an auspicious note. Two days after the election Messrs. Obama and Trump met in the Oval Office for 90 minutes—longer than Mr. Trump planned. They have been talking by phone about weekly ever since.

But beneath the cordial conversations are serious policy disputes. Mr. Trump wants to repeal the centerpiece of Mr. Obama’s domestic legacy: the health-care overhaul aimed at insuring the millions of Americans who lacked coverage.

Next week Mr. Obama will head to Capitol Hill to meet with Democrats to discuss ways they can try to preserve the Affordable Care Act, with hopes of stiffening their resolve in the face of Mr. Trump’s efforts to roll back the health law.

Mr. Obama has been taking other steps that could potentially circumscribe Mr. Trump’s action once in office.

Last week, the Obama administration said it would indefinitely block drilling in broad swaths of the Arctic and Atlantic oceans, an attempt to cement his environmental legacy and potentially stymie a move by the incoming Trump administration to expand drilling.

Mr. Trump seemed to be making reference to these moves when he tweeted Wednesday that he was “doing my best to disregard the many inflammatory President O statements and roadblocks.”

“Thought it was going to be a smooth transition - NOT!” he added.

Kellyanne Conway, an incoming senior adviser to Mr. Trump, told Fox News on Thursday: “I hope this isn’t motivated by politics even a little bit.”

She added: “We do wonder about the rush to do all of these things in the next couple of weeks by the Obama administration and how that may upend longstanding U.S. policy, as it seems to be.”

White House officials stress that while there are policy differences between the president and president-elect, that is are separate from the logistical preparations for the transition, of power which Mr. Obama has pushed his aides to ensure is seamless.

Part of what is motivating Mr. Obama, White House aides say, is a desire to lock in pieces of his legacy. He had been considering taking a stand on the Israeli-Palestinian conflict at the U.N. long before Mr. Trump’s election victory, White House officials said.

With respect to Russia, he became convinced the nation meddled in the election in ways that pose a genuine threat to the country and can’t go unpunished.

White House aides talk of “nailing down the furniture” so that policy goals that Mr. Obama methodically pursued can’t be undone once Mr. Trump takes power. The president, when he took office eight years ago, did just that to his predecessor, Mr. Bush.

—Anton Troianovski contributed to this article.

Write to Peter Nicholas at peter.nicholas@wsj.com and Carol E. Lee at carol.lee@wsj.com

Now, really crank up heat on Russia

Now, really crank up heat on Russia
What more America and Europe can do to fight Kremlin assault on Western democratic institutions.

By DAVID J. KRAMER 12/30/16, 4:23 PM CET Updated 12/30/16, 4:26 PM CET

WASHINGTON — Vladimir Putin opted on Friday not to expel 35 American diplomats, following Thursday’s decision by the Obama administration to declare persona non grata that number of Russian intelligence operatives from the United States and take other measures in response to Russia’s interference in the recent election. The Kremlin chief may be trying to appear reasonable, seeking to limit the damage to U.S.-Russian relations with three weeks to go before Donald Trump, with his softer line toward Moscow, gets sworn in as president.

Nobody should fall for this KGB veteran’s act. After all, it was Putin who authorized the Russian hacking and interference in the U.S. election this year, in an unprecedented attack on America’s political and electoral system. Had Putin decided to expel 35 Americans, he would not have been retaliating – he would have been escalating the confrontation.

In July, after reports about the cyberattack on the Democratic National Committee’s computer system first appeared, I joined more than two dozen leading Republican figures in calling on appropriate congressional committees to launch an immediate investigation. “The foreign attack was an assault on the integrity of the entire American political process,” we argued then. “Those responsible for this gross interference in our political process, and those who might contemplate similar moves in the future, need to understand that such actions will have consequences.”

America and EU must together push back against Russia’s aggression, including by expelling RT and Sputnik employees – who are not real journalists, let’s be blunt – from our countries.
Since then, the entire U.S. intelligence community has concluded that Russian agencies sought to tip the election in favor of Trump, not simply discredit the U.S. electoral process. Russia’s brazen actions demanded a strong response.

Thursday’s announcement was a step, overdue but still welcome, in the right direction. In sanctioning a number of entities and individuals, the U.S. government went after those directly responsible, including Russia’s Military Intelligence Service (GRU) and the Federal Security Service (FSB), the successor agency to the Soviet-era KGB. As President Obama’s statement made clear, “The United States and friends and allies around the world must work together to oppose Russia’s efforts to undermine established international norms of behavior, and interfere with democratic governance.”

Moscow vs. the West

While Russian interference in the U.S. political process this year was a new development, Moscow has been intervening in other countries’ elections and politics for years. It launched a cyberattack against Estonia in 2007 and has messed with the infrastructure of neighboring states like Lithuania. Ukraine has been the victim of endless Russian cyberattacks on top of more traditional military assaults in its eastern Donbas region and the illegal annexation of Crimea in 2014.

The Kremlin’s propaganda outlets such as RT and Sputnik meddle in other countries’ politics. Almost a year ago, in an effort to stir up ethnic tensions in Germany, Russia’s most-watched television network, Channel One, fabricated a story that a 13-year-old German-Russian girl was gang-raped by a group of immigrants in Berlin. More broadly, German authorities have been warning about Russia’s growing role ahead of next fall’s elections there, while RT announced it was beefing up its French-language service to cover the upcoming elections in France.

Let’s do some retaliatory hacking of bank accounts of top Russian officials. Lopping off a few zeroes from the Russians’ ill-gotten gains would send a strong, targeted message.
The U.S. and Europe must work more closely together in pushing back against Russia’s aggression, including by exploring the idea of expelling RT and Sputnik employees — who are not real journalists, let’s be blunt — from our countries. After all, the role of these outlets is not to engage in true journalism but to blur the distinction between fact and fiction and exploit the openness of Western societies. More European countries should also adopt the Magnitsky legislation — Estonia this month is the only country on the Continent that has done what the U.S. did in 2012 — that sanctions Russian officials involved in gross human rights abuses. The way the Putin regime treats its own people, to be clear, is similar to the way it behaves in foreign policy.

* * *

More can and should be done in the U.S., too. For example, it is unclear why the Obama administration targeted, rightly, the head of the GRU, Igor Korobov, but left off its sanctions list the head of the FSB, Alexander Bortnikov. The FSB has played a major role in destabilizing neighboring Ukraine, and Bortnikov already should have been sanctioned under actions taken in connection with that situation. Instead he was allowed to attend the “Countering Violent Extremism” conference in Washington in April 2015.

U.S. authorities should also engage in a little retaliatory hacking of their own by going after the bank accounts of top Russian officials; Europeans can help in this effort. Lopping off a few zeroes from the Russians’ ill-gotten gains would send a strong, targeted message. It is unlikely these officials will publicly protest that they are out millions, even billions of dollars, since they would have trouble explaining how they acquired such fortunes in the first place.

Congress ought to tie Trump’s hands on Russia sanctions by codifying the Obama moves into law.
Congress has a very important role to play as well. It plans to hold hearings to determine how the hacking was done, who was responsible, and what should be done to prevent any repeat. Such hearings should avoid partisan gamesmanship and focus on how this was an attack on our country, regardless of party differences. Congress should also look to codify the sanctions put in place by the Obama administration and add to them. They should do the same when it comes to sanctions imposed on Russia for its illegal annexation of Crimea and ongoing aggression against Ukraine. And they should pass legislation imposing sanctions for Russia’s brutal actions against civilians and others in Syria, which some have described as war crimes.

Such moves by Congress would complicate any plans the incoming Trump administration may have to undo the measures adopted by the outgoing administration. The sanctions announced on Thursday, like the sanctions imposed on Russia in 2014-15 related to its invasion of Ukraine, have all been done under executive authority, meaning that Trump could undo them, albeit with some difficulty, with the stroke of a pen. If the sanctions were codified into law, they would be almost impossible for Trump to ignore or dismiss.

Some Republican Members of Congress have criticized Obama’s measures as too little, too late. Senate Majority Leader Mitch McConnell, for instance, described the sanctions as “a good initial step, however late in coming.” Maybe so, but that is a better response than saying “we ought to get on with our lives,” as President-elect Trump argued this week. The reaction among leading Republican Senators suggests Trump will face resistance to any efforts to lift sanctions on the Putin regime. His nominee for secretary of state, former Exxon-Mobil CEO Rex Tillerson, has publicly criticized the Ukraine-related sanctions; he should be asked whether as secretary he would recommend lifting those and the most recent sanctions related to the cyberattack on our election. Tillerson’s answer to that question should be a key factor in the Senate vote on his confirmation.

We simply cannot let Russia’s egregious actions go unchallenged. We need to come together as a united country — and together with Europe — to push back firmly against hostile, foreign interference in our political and electoral systems.

David J. Kramer, senior director for democracy and human rights at the McCain Institute in Washington, is a former assistant secretary of state for democracy, human rights and labor in the George W. Bush administration.


David J. Kramer  

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

22,3 % das pessoas nascidas em Portugal vivem fora do país

22,3 % das pessoas nascidas em Portugal vivem fora do país
Céu Neves

O peso da emigração portuguesa no mundo é sete vezes superior à da população. O Reino Unido continua primeira escolha dos últimos anos.

O número de emigrantes nascidos em Portugal superou os 2,3 milhões, 22,3% da população portuguesa, o que significa que continuamos a ser um país de emigrantes. Um dado sublinhado por Rui Pena Pires, coordenador do Observatório da Emigração, que ontem apresentou o relatório de 2015. Destaca, "com surpresa", duas outras informações: a subida da emigração para Angola e a manutenção em alta de portugueses em França. O volume de saídas não aumenta pelo terceiro ano consecutivo, 110 mil pessoas, o que se considera elevado,

Portugal é o 27.º país do mundo com mais emigrantes e o sétimo na Europa. As Nações Unidas indicam 243 milhões de migrantes internacionais em 2015, 3.3% da população mundial. Destes, 2.3 milhões são portugueses, 0.9% do total de emigrantes, percentagem sete vezes superior ao peso da população de Portugal no contexto internacional (0.14%).

Tais números desequilibram a balança demográfica, já que o número de imigrantes é bastante inferior. E, segundo as conclusões do Observatório da Emigração, "é improvável, nos próximos anos, uma redução do volume da emigração significativa para os níveis anteriores à crise", anteriores a 2008.

Em 2015, a emigração subiu no Reino Unido (RU), Espanha, Dinamarca e Angola. Desceu na Suíça Luxemburgo e Noruega. Faltavam os dados estatísticos da França - entraram mais 18 480 portugueses - e de Angola - mais 6 715 -, para fazer uma avaliação final sobre a emigração em 2015.

"A única coisa que podemos afirmar é que a emigração não cresceu, se estabilizou ou se teve uma descida é algum que não podemos afirmar com certeza", disse Rui Pena Pires na apresentação do Relatório da Emigração 2015. Explicou: "mantém-se em valores claramente superiores a cem mil saídas por ano, ou seja, a níveis que, na história recente, só têm paralelo com os movimentos populacionais dos anos 60 e 70 do século XX". Em 2013 ter-se-á atingindo o pisco de emigrantes, 120 mil.

Apresentou as conclusões na presença do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro. Os governantes salientaram a "estabilização" do fluxo emigratório e como os efeitos da crise se refletiram na saídas do País.

"É fácil notar o efeito específico da crise desde 2008 e, depois, com particular expressão com o programa de ajustamento entre 2011 e 2014, no reforço da saída de emigrantes portugueses", disse Augusto Santos Silva. Além de sublinhar algumas das conclusões do relatório, José Luís Carneiro, referiu a atividade da secretaria de Estado das Comunidades no apoio aos emigrantes, às associações e à língua portuguesa (ver caixa). Uma das iniciativas, a curto prazo, é a migração da base de dados consulares baseado num ato único de inscrição, evitando a duplicação de registos de alguém que emigre para diferentes países. Outra é o lançamento do Espaço Cidadão, em Paris, estando prevista a abertura do segundo, em Londres.

Reino Unido continua a liderar

O Reino Unido recebeu 32 301 portugueses em 2015, uma nova subida, embora a um ritmo mais lento do que até 2013, e que coloca este país na primeira escolha dos portugueses. Houve uma retoma da emigração para Espanha, mais 12% pelo segundo ano consecutivo. "E, surpreendentemente, uma aceleração da emigração para Angola, um crescimento de 31,7% em relação a 2014. Os consulados de Angola em Lisboa e no Porto registam 6 715 vistos, mas falta a informação de Faro. A crise do petróleo marcou o território angolano a partir do final de 2015, o que significa que fora muitos os portugueses a entraram no início desse ano.

Angola é o quinto país do mundo para onde os portugueses emigram, depois do RU, França, Suíça (12 325 mas diminuiu), Alemanha (9 195, baixou) e Espanha (6 639). Manteve-se a tendência para a diminuição da emigração para a Alemanha e Suíça, a partir de 2013, embora se mantenha num patamar elevado. Também desceu no Luxemburgo, 3 525 entradas em 2015, menos 8% do que em 2014.

Os dados do Observatório da Emigração baseiam-se nas estatísticas das entradas de emigrantes permanentes nos países de destino. Estão, no entanto, próximos dos do Instituto Nacional de Estatística, 103 203, baseados num inquérito à população.

Um prato populista / Marine Le Pen vai vencer e a França vai sair do euro”

Um prato populista
30 de Dezembro de 2016, 6:29

O ataque à União Europeia pela via do populismo promete dominar o ano político e a receita italiana é hoje apresentada por Claudio Borghi nas primeiras páginas deste jornal. Mas o prato pode ter geografias variáveis, conforme venha de Geert Wilders na Holanda, do espanhol Pablo Iglésias ou das muitas opções disponíveis na Grécia. A lista de ingredientes tem sempre à cabeça a saída do euro, acompanhada por bastas doses de demagogia sobre o futuro. Como em muitos outros momentos, prometem-se amanhãs que cantam e tecem-se loas ao nacionalismo. A receita é indigesta e os resultados já foram experimentados em vários momentos da história recente da Europa — com resultados dramáticos.

O populismo não é de esquerda nem de direita, podendo surgir num lado ou noutro do espectro político. O denominador comum ideológico em todos os movimentos populistas é a separação entre o povo genuíno e a elite corrupta que rouba os privilégios para se eternizar no poder. É também um pensamento construído com base em manipulação dos factos e em mentiras descaradas, estruturado normalmente em torno de um líder carismático que se põe sempre do lado bom da sociedade. Foi este discurso que deu a vitória a Orban na Hungria, ao “Brexit”, que deixou a União Europeia catatónica, e foi também este discurso que, em parte, deu o triunfo a Trump.

É o primado do “nós contra eles”, mudando o “eles” de acordo com as conveniências de quem representa o “nós”.

Os fenómenos populistas são um desafio tremendo às sociedades democráticas, até porque é delas que derivam. E se o seu nascimento é matéria de estudo académico, o combate que é imperativo tem de ser eminentemente político. Ficou já claro que não há na Europa capacidade política para fazer frente aos populismos emergentes. Pode ainda não ser desta que a Frente Nacional ganha em França, ou que o 5 Estrelas triunfa em Itália. Mas mais cedo ou mais tarde, numa potência ou noutra, os populistas vão tomar conta do poder. E os resultados podem ser catastróficos.

Em 2017, com eleições em meia Europa, o impensável está em cima da mesa. A União Europeia pode morrer por dentro, forçada à irrelevância pelo desatino entre os novos senhores das políticas nacionais e o ideal de Schumann. Era bom saber se, em São Bento, há plano B que vá para lá da alegria tonta de Bloco e PCP face a este cenário que será ruinoso
para Portugal.

Marine Le Pen vai vencer e a França vai sair do euro”
O economista italiano Claudio Borghi acredita que esta União Europeia está condenada. É o que deseja para um projecto que, diz, será lembrado “como um monstro, comparável à União Soviética”.
Sofia Lorena
SOFIA LORENA 30 de Dezembro de 2016, 6:30

Itália vive há anos em crise, mas os últimos meses foram de golpes e contragolpes acelerados. Matteo Renzi chegou ao poder sem eleições, jogou tudo num referendo sobre a reforma constitucional e perdeu. O Governo actual, do mesmo Partido Democrático, está a prazo, até ser concluída uma nova lei eleitoral. O Movimento 5 Estrelas, de Beppe Grillo, pode ter votos para governar (é o que dizem as sondagens) e deverá aliar-se à Liga Norte e aos Fratelli d'Italia. Em comum têm o plano de saída do euro de Claudio Borghi, economista que falou ao PÚBLICO por telefone.

Faz uma avaliação negativa dos 20 meses de Governo Renzi?
Foi um desastre. No fundo, a única coisa que conseguiu fazer foi propaganda. Realmente, a pior coisa que fez foi nos bancos, aceitar aquela lei louca do bail-in [regra europeia que exige que os accionistas e credores dos bancos assumam perdas antes dos Estados]. Aceitar esta lei num sistema bancário como o italiano, muito dependente do privado, da confiança dos credores nos bancos, foi destrutivo. As pessoas começaram a levantar dinheiro, porque não se sentiam seguras. A questão mais grave que era a do [banco] Monte dei Paschi, não quis tratá-la.

O que é que teria feito?
A questão do Monte dei Paschi devia ser concluída com a nacionalização completa do banco.

Sim, deve ser adquirido pelo Estado com o acordo dos credores. E é obrigatório impugnar a normativa do bail-in porque se não é impossível. Começa-se a pôr algum dinheiro num banco e vai sempre crescendo. Estamos a falar de milhões, não de trocos. Se o BCE não sabe avaliar qual é a solvência de um banco, quantos são os milhões que fazem falta… Nós queremos que os cidadãos e os credores sejam informados.

Mas isto está a acontecer em vários países. É um problema maior.
É como se estivessem a usar uma arma. Considero que está a acontecer a segunda parte de uma guerra na Europa, uma guerra financeira. A primeira guerra, que já viu o fim, foi a das dívidas soberanas, em 2008. Usaram a arma dos títulos de Estado para constranger tantos países a fazerem o mesmo, a porem-se de joelhos e a pedir ajuda, ou para pagar dívidas, como no caso de Itália, ou a pedir empréstimos, como no caso de Portugal. O importante era que os países estivessem subalternos. Não se considera suspeito que ninguém quisesse títulos de Estado e agora esteja tudo bem? Não é por estarmos melhores, os valores são decididos pelo BCE, que é quem define valores e pode tirar as garantias. Se se tira as garantias a determinados títulos de Estado ninguém os compra, se lhes dá garantia acontece isto. Agora, passou-se aos bancos. Por causa da recessão, todos os países da Europa do Sul – o Euro impede o crescimento – acumularam muitos débitos que não restituíram. Os bancos emprestam às empresas, se as empresas faliram não pagam aos bancos. E então utilizam os bancos como nova arma para conseguir dinheiro às pessoas.

Não há má-fé na acção dos responsáveis? Todos os problemas são uma consequência da recessão?
Principalmente, são uma consequência da recessão. E em qualquer caso, quem não tem culpa é um cidadão responsável que usa o seu banco e acredita que é controlado pelo BCE.

O plano dos opositores do euro em Itália

Como se faz para forçar uma mudança? É preciso pensar em sair do euro?
Sair do Euro é a única forma para voltar a crescer. Se o problema fosse só dos bancos bastaria, decidir que todas as faltas de capitalização ou outras dos bancos seriam cobertas pelo BCE. O Banco Central Europeu acaba de criar 1,1 biliões de euros em divisas… Quer dizer, não era preciso isto tudo para garantir a segurança dos bancos.

Quem é que tinha de convencer?
Enfim, é preciso convencer os alemães que foram os que organizaram esta arma. Por isso é que eu digo que temos de sair do euro. Queremos convencer gente que nos quer de joelhos a fazer a coisa certa. É preciso sair do Euro, recuperar poderes para fazer as coisas normais. É preciso que os nossos produtos, qualquer coisa que possa ser fabricada ou feita em Itália ou Portugal, volte a ser conveniente para o resto do mundo.

O seu plano é conhecido mas nunca foi feito. Não há muitos imponderáveis?
Como em tudo, há riscos de execução. Mas por um lado temos riscos de execução, do outro temos a certeza do desastre. Se continuamos assim não há forma de evitar que tudo fique pior.

É uma escolha sem recuo.
Evidente. Mas penso que quando um país como a Itália sair do euro, o euro não fica, não imagino que possa sobreviver. Veremos o que acontece, depende de cada país. Se, como eu espero, cada país, uma vez recuperada a soberania monetária, queira pôr-se de acordo para manter as outras coisas que fazem parte da UE.

Um prato populista
O mercado livre.
Sim, é só a moeda. Tirando a moeda de tudo o resto que é a União Europeia, seria possível. Eu preferia que se começasse de novo, tornou-se um monstro que será recordado a par da União Soviética ou algo do género. Mas se quisessem sair da moeda e manter tudo o resto, pode fazer-se. Seja como for, há uma série de países da União Europeia que não têm euro.

Então, depende tudo dos governos, das vontades?
Sim, é preciso um país com coragem para dar o primeiro passo e compreender que fora se está bem. Não obstante, apesar do que se diz, toda a gente antecipava um desastre com o “Brexit” mas na minha opinião está a correr muito bem.

Há problemas nas negociações.
Sim, as negociações são sempre assim, mas os mercados que são os que antecipam o que pode acontecer, estão tranquilos e vêem que a incerteza vem da UE e não parte da Grã-Bretanha.

Mas e se a Itália sai e o euro termina, não há muitos riscos para outros países, que podem não ter preparado a saída?
É um bom ponto, mas eu penso que no fim as pessoas serão inteligentes. Os responsáveis vão sentar-se à mesa e vai sair daí um plano de desmantelamento válido para todos. Diz-se que não há alternativa, mas se um quiser sair e disser, “eu vou, querem que vá e provoque a confusão ou vamos todos e resolvemos os problemas de todos?”. Em qualquer caso, para accionar os procedimentos que permitam resolver os problemas de custos, de realização, é preciso perceber o grupo de países implicado, todos menos os que decidam juntar-se à Alemanha.

E depois da Itália?
Eu não penso que a Itália será o primeiro. À frente de todos, neste momento, está a França. Porque, de facto, Marine Le Pen, mesmo que digam que não vai acontecer, eu acredito que vai vencer.

E se Le Pen vencer as presidenciais de Abril e Maio a saída do euro vai mesmo acontecer?
Sim, sim, se vence vai fazê-lo. Nós temos contactos com Marine, eu estou em contacto com a Frente Nacional, até por estarmos no mesmo grupo no Parlamento Europeu, trabalhamos juntos nesta matéria, sei que vão avançar mesmo.

O mais provável em Itália é que a Liga se alie para governar.
É verdade que pensamos em unir-nos, mas alguns destes partidos não nos convencem em relação aos temas do euro e da União Europeia. Por exemplo, venceríamos de certeza se nos aliássemos ao Movimento 5 Estrelas, era uma vitória segura. Uma aliança com o único objectivo de sair do euro.

Neste ponto estão de acordo.
Sim, é verdade. Mas eles continuam a dizer que querem fazer o referendo, e isso é impossível, por causa da lei italiana. Em Itália não é possível referendar um tratado europeu sem mudar a Constituição…

Mudar a Constituição não se consegue.
Pois [risos], imagine, é melhor nem nos metermos nisso. Mesmo que por hipótese se avançasse e fosse possível, não é assim. Imagine, marcávamos um referendo sobre a saída do euro e o BCE podia fazer a chantagem que entendesse, tinha os bancos na mão, e no estado em que estão. Não se pode [mais risos]. Eles continuam com a ideia do referendo e eu desconfio que eles não querem mesmo sair do euro.

É possível que seja em Junho mas muita gente diz que será em Setembro porque [risos] os parlamentares em Setembro já podem ter pensão. Pode ser que usem os regulamentos jurídicos do Parlamento para arrastar a situação. É um pouco triste.

Seja como for, antes da Alemanha, em Outubro ou Novembro?
Sim, acredito que antes da Alemanha. O ideal para nós seria ao mesmo tempo que a França.

Há tantas análises alarmistas sobre o fim do euro e o futuro da Europa. Tem uma visão diferente.
Claro, porque se a Europa se dissolve não resulta daí nada de negativo. Tal como sempre houve análises excessivamente optimistas sobre como se ia resolver estas crises e eu sempre disse que não ia ser assim.

O dia em que os judeus foram expulsos de Portugal

O dia em que os judeus foram expulsos de Portugal
29 Dezembro 2016
Maria José Oliveira

Faz 520 anos que D. Manuel I assinou o édito de expulsão dos judeus, uma condição imposta por Espanha para que casasse com D. Isabel. Milhares tiveram de escolher entre a expulsão ou a conversão.

Em 1492 um decreto dos reis católicos, D. Isabel e D. Fernando, rompeu com uma longa tradição de tolerância religiosa em Castela, Leão e Portugal. O édito foi publicado a 31 de Março: os judeus de Castela e de Aragão eram obrigados a converterem-se ao cristianismo, sob pena de serem expulsos de Espanha num prazo máximo de quatro meses.

Desde a Idade Média que a população judaica era olhada com alguma desconfiança, tanto em Espanha como em Portugal. E isso tinha uma causa: os judeus trabalhavam para o rei na cobrança das rendas e na organização da contabilidade pública. Os ocasionais ataques a judiarias tinham quase sempre esta motivação. Mas mantinha-se a tolerância quanto à religião.

No final do prazo dado pelos reis católicos, em Julho de 1492, milhares de judeus atravessaram a fronteira, tendo D. João II permitido a entrada dos refugiados e nomeado locais onde poderiam ser integrados: Olivença, Arronches, Figueira de Castelo Rodrigo, Bragança e Melgaço. Na raia, os judeus espanhóis pagavam uma espécie de portagem e, em troca, recebiam um salvo-conduto. Àqueles que exerciam uma profissão, os funcionários régios faziam um desconto, uma vez que eram tidos como mão-de-obra útil à economia nacional: ferreiros, carpinteiros, oleiros, tecelões.

Ao longo do tempo a atitude de D. João II para com os judeus expulsos de Espanha foi ganhando contornos terríveis. Em 1493 ordenou que os filhos menores fossem retirados aos pais e enviados para São Tomé, que precisava de ser povoado. A ilha tinha então grande número de crocodilos, além de um clima hostil, pelo que a maioria das crianças foi comida pelos animais. As restantes sucumbiram à fome.

A documentação coeva não permite definir, com rigor, o total de judeus desterrados. O arqueólogo e etnógrafo Adriano Vasco Rodrigues escreveu que seriam perto de 100 mil; a historiadora Maria José Ferro Tavares, autora de uma vasta bibliografia sobre os judeus em Portugal, preferiu não indicar qualquer número; o historiador Lúcio de Azevedo estimou 120 mil; Damião de Góis escreveu sobre 20 mil famílias; e o Abade de Baçal quantificou 40 mil pessoas.

A maioria destes cidadãos dirigiu-se para as grandes cidades: Lisboa, Porto e Évora. Contudo, uma parcela considerável da população fixou-se na raia, na zona de Ribacôa. Por isso mesmo, existiram comunidades hebraicas em Pinhel, Vila Nova de Foz Côa, Meda, Marialva, Numão, Trancoso, Guarda e Sabugal, explicou Adriano Vasco Rodrigues. A decisão de viver em povoações fronteiriças justificava-se pela esperança, acalentada por muitos refugiados, de que o decreto de expulsão fosse revogado, possibilitando assim o regresso a Espanha.

A autorização de entrada atribuída por D. João II tinha, no entanto, um prazo de validade: o salvo-conduto extinguia-se ao fim de oito meses. Os judeus poderiam viajar para outras paragens, mas o rei só lhes permitiu embarcar em navios com destino a Tânger e a Arzila. Alguns fizeram-no, mas acabaram por regressar a Portugal depois de terem sido maltratados e roubados pelos mouros.

Ao longo do tempo a atitude de D. João II para com os judeus expulsos de Espanha foi ganhando contornos terríveis. Em 1493 ordenou que os filhos menores fossem retirados aos pais e enviados para São Tomé, que precisava de ser povoado. A ilha tinha então grande número de crocodilos, além de um clima hostil, pelo que a maioria das crianças foi comida pelos animais. As restantes sucumbiram à fome.

Os Judeus de Lisboa são riquíssimos, cobram os tributos reais, que arremataram ao Rei. São insolentes com os cristãos. Têm muito medo da proscrição, pois o Rei de Espanha ordenou ao Rei de Portugal que expulsasse os marranos e da mesma forma os Judeus, aliás teria guerra com ele. O Rei de Portugal, fazendo a vontade ao de Espanha, ordenou que antes do Natal saíssem do reino todos os marranos.
Jerónimo Münzer in “Viagem por Espanha e Portugal. 1494-1495”

Em Dezembro de 1494, o médico alemão Jerónimo Münzer estava em Lisboa. “Os Judeus de Lisboa são riquíssimos, cobram os tributos reais, que arremataram ao Rei. São insolentes com os cristãos. Têm muito medo da proscrição, pois o Rei de Espanha ordenou ao Rei de Portugal que expulsasse os marranos e da mesma forma os Judeus, aliás teria guerra com ele. O Rei de Portugal, fazendo a vontade ao de Espanha, ordenou que antes do Natal saíssem do reino todos os marranos. Eles fretaram a nau Rainha, belíssimo navio, e no meado de Dezembro irão para Nápoles; aos Judeus, porém, deu o Rei o prazo de dois anos [Garcia de Resende diz na sua “Crónica de D. João II” que o prazo foi de 8 meses] para assim os expulsar do reino menos violentamente. Em vista disso os Judeus vão-se retirando sem demora e procuram no estrangeiro lugares próprios para a sua residência”, escreveu em “Viagem por Espanha e Portugal. 1494-1495”.

D. João II morreu em 1495, deixando o trono sem sucessor, pois o seu filho, Afonso, morrera alguns anos antes. A coroa foi então herdada por D. Manuel, cunhado e primo direito do monarca. Nos primeiros anos do reinado, a comunidade judaica viveu em paz, tendo o rei escolhido o judeu Abraão Zacuto para seu médico particular (Zacuto era também matemático e astrónomo, tendo sido consultado antes de o rei enviar a expedição de Vasco da Gama para a Índia). D. Manuel I desejava uma união da Península Ibérica, debaixo da sua coroa, naturalmente, pelo que propôs casamento a D. Isabel, viúva de Afonso e filha mais velha dos reis católicos. A proposta foi aceite por D. Isabel e por D. Fernando, mas sob uma condição: o rei português deveria expulsar os judeus do país.

Escolher entre a expulsão ou a conversão

Em Novembro de 1496, D. Manuel I casou com D. Isabel e logo no mês seguinte decretou a ordem de expulsão dos judeus (e dos mouros), obrigados a sair do país até finais de Outubro do ano seguinte. Caso não o fizessem, seriam condenados à morte e todos os seus bens seriam confiscados pela coroa. Contudo, a decisão não recolheu consenso no Conselho de Estado, que alertou para a fuga de capitais do país. Pretendendo reter os judeus em Portugal, o rei ordenou então que aqueles que se convertessem ao cristianismo poderiam permanecer no país. E agendou um prazo para os baptismo: a Páscoa de 1497.

Uma das duas únicas gravuras sobreviventes ao Terramoto de Lisboa 1755 e ao incêndio da Torre do Tombo: “Von dem Christeliche – Streyt, kürtzlich geschehe – jm. M.CCCCC.vj Jar zu Lissbona – ein haubt stat in Portigal zwischen en christen und newen chri – sten oder juden, von wegen des gecreutzigisten [sic] got.” (Da Contenda Cristã, que recentemente teve lugar em Lisboa, capital de Portugal, entre cristãos e cristãos-novos ou judeus, por causa do Deus Crucificado”).
Uma das duas únicas gravuras sobreviventes ao Terramoto de Lisboa 1755 e ao incêndio da Torre do Tombo: “Da Contenda Cristã, que recentemente teve lugar em Lisboa, capital de Portugal, entre cristãos e cristãos-novos ou judeus, por causa do Deus Crucificado”

Denominado “Que os Judeus e Mouros forros se saiam destes Reinos e não morem, nem estejam neles”, o édito de 5 de Dezembro decretava o seguinte:

“… sendo Nós muito certo, que os Judeus e Mouros obstinados no ódio da Nossa Santa Fé Católica de Cristo Nosso Senhor, que por sua morte nos remiu, têm cometido, e continuadamente contra ele cometem grandes males, e blasfémias em estes Nossos Reinos, as quais não tão somente a eles, que são filhos de maldição, enquanto na dureza de seus corações estiverem, são causa de mais condenação, mais ainda a muitos Cristãos fazem apartar da verdadeira carreira, que é a Santa Fé Católica; por estas, e outras mui grandes e necessárias razões, que Nos a isto movem, que a todo o Cristão são notórias e manifestas, havida madura deliberação com os do Nosso Conselho, e Letrados, Determinamos, e Mandamos, que da publicação desta Nossa Lei, e Determinação até por todo o mês de Outubro do ano do Nascimento de Nosso Senhor de mil quatrocentos e noventa e sete, todos os Judeus, e Mouros forros, que em Nossos Reinos houver, saiam fora deles, sob pena de morte natural, e perder as fazendas, para quem os acusar.”

A conversão forçada começou com uma medida trágica. Na Páscoa de 1497, D. Manuel I mandou que os judeus menores de 14 anos fossem entregues a famílias cristãs de várias vilas e cidades do país. Pouco depois, a ordem estendeu-se aos jovens com 20 anos. E os resultados foram horríveis. Muitos pais mataram os seus filhos, degolando-os ou lançando-os em poços e rios, contou Damião de Góis. A perseguição não ficou por aqui. O monarca restringiu ainda o número de portos de embarque para aqueles que queriam sair do reino, obrigando-os a concentrarem-se na capital. Segundo Jorge Martins, cerca de 20 mil pessoas, oriundas de várias zonas, foram encaminhadas para o Palácio dos Estaus (futura sede da Inquisição, localizada onde é hoje o Teatro Nacional D. Maria II), ali permanecendo, sem comer e sem beber, até ao momento do embarque. A ideia de aprisioná-los nos Estaus tinha um motivo.

Os dois homens tinham uma missão: persuadir os judeus a converterem-se ao cristianismo. Muitos acabaram por ser levados para as igrejas da Baixa e baptizados contra a sua vontade; outros conseguiram fugir e suicidaram-se, atirando-se a cisternas e a poços.
Enquanto aguardavam pela partida para o estrangeiro, foram visitados por dois judeus conversos, Nicolau, médico, e Pedro de Castro, eclesiástico em Vila Real. Os dois homens tinham uma missão: persuadir os judeus a converterem-se ao cristianismo. Muitos acabaram por ser levados para as igrejas da Baixa e baptizados contra a sua vontade; outros conseguiram fugir e suicidaram-se, atirando-se a cisternas e a poços.

Aqueles que, não tendo sido baptizados, ficaram no país, já como escravos do rei, apresentaram uma proposta a D. Manuel I. Aceitavam a conversão, mas pediam algo em troca: a restituição dos seus filhos; e a garantia de que o rei não ordenaria qualquer inquérito sobre as suas práticas religiosas num período de 20 anos. D. Manuel I anuiu. E a 30 de Maio de 1497 foi publicada a proibição de inquirições sobre as crenças dos recém-convertidos ao cristianismo. Ou seja, consentiu oficiosamente o judaísmo (daqui nasce o criptojudaísmo, a prática clandestina da religião). O decreto tinha ainda outras cláusulas: ao fim de 20 anos, se o cristão-novo fosse acusado de judaízar, teria direito a conhecer os seus acusadores para que pudesse defender-se; caso fosse comprovado o crime de heresia, seria condenado à perda de bens, posteriormente legados aos herdeiros cristãos; os físicos e os cirurgiões que não sabiam latim poderiam utilizar livros de medicina em hebraico; finalmente, os cristãos-novos não deveriam ser tratados de forma distinta, uma vez que estavam convertidos à Santa Fé.

As garantias inscritas no decreto não convenceram, porém, uma parte da comunidade. Muitos optaram por sair do país, levando consigo os seus bens, e os mais ricos negociaram letras de câmbio com os cristãos, para depois serem trocadas noutro país. Isto é: uma parte da riqueza do país estava a fugir. D. Manuel I entendeu que devia agir e, em 1499, reagiu à fuga das fortunas com a publicação de duas leis: a primeira proibia o negócio com os judeus; e a segunda impedia a saída do reino dos conversos de 1497 sem prévia autorização régia. O incumprimento das normas resultaria no confisco dos bens dos infractores.

Para Maria José Ferro Tavares a intenção de D. Manuel I era estimular a integração dos conversos na sociedade portuguesa. Notou a historiadora que, entre 1497 e 1499, o rei promulgou uma lei que proibia o casamento entre cristãos-novos. O objectivo consistia em inserir a minoria nas famílias de cristãos-velhos. Mas não só: interessava também partilhar o dinheiro e os bens dos ex-judeus. Nada resultou, segundo a historiadora. Não apenas porque subsistia o sentimento anti-judaico na maioria cristã, mas também porque os cristãos-novos, ainda que em número reduzido, estavam no pódio das grandes fortunas. Após a conversão ganharam mais poder, ascenderam à nobreza, às universidades, à administração real e municipal.

Pogrom em Lisboa

A 19 de Abril de 1506, Domingo de Pascoela, a minoria cristã-nova sentiu, pela primeira vez em Portugal, uma inaudita violência sobre pessoas e bens. Lisboa estava então assombrada pela peste que assolava a capital desde Outubro do ano anterior. Um período de seca matara os campos nos arrabaldes; escasseavam alimentos; a fome tomava conta da cidade.

Damião de Góis escreveu que naquele dia a igreja do convento de São Domingos estava repleta de cristãos-velhos, pois surgira um rumor de que a 15 do mesmo mês, acontecera um milagre naquele templo dominicano. Os crentes aguardavam uma repetição. E ele aconteceu, aos olhos dos cristãos: uma luz brilhou no crucifixo da igreja e a multidão rejubilou. Menos uma pessoa. Que chamou a atenção para o facto de se tratar de um reflexo de uma das muitas candeias que estavam acesas. Esta pessoa era um cristão-novo, mas para os cristãos-velhos era um judeu e, por isso, alvo de ódio.

Os gritos deram início ao massacre. Os crentes espalharam-se pelas ruas de Lisboa; a esta multidão juntou-se, segundo o historiador António Borges Coelho, a chusma das naus da Índia, que, atiçada pela pregação dos frades, violou, matou e queimou milhares de pessoas. Arrombavam as portas das casas, em busca de cristãos-novos, perseguiam quem tentava fugir, carregavam mortos e vivos para as fogueiras que iam sendo ateadas em vários locais da cidade, como o Rossio e a zona ribeirinha.

O homem foi arrastado para rua e, em poucos minutos, mataram-no e queimaram-no no Rossio. Sabendo do que acontecera, o irmão acorreu ao local e quando gritou pelos assassinos, foi igualmente morto e queimado numa fogueira. No meio da agitação, um frade dominicano bradou um discurso contra os judeus. Em seu redor, a turba vociferava contra a comunidade judaica. Dois frades, Frei João Mocho e Frei Bernardo, juntaram-se ao que estava a discursar, exibindo o crucifixo do “milagre” e gritando: “Heresia! Heresia! Destruam o povo abominável!”.

Os gritos deram início ao massacre. Os crentes espalharam-se pelas ruas de Lisboa; a esta multidão juntou-se, segundo o historiador António Borges Coelho, a chusma das naus da Índia, que, atiçada pela pregação dos frades, violou, matou e queimou milhares de pessoas. Arrombavam as portas das casas, em busca de cristãos-novos, perseguiam quem tentava fugir, carregavam mortos e vivos para as fogueiras que iam sendo ateadas em vários locais da cidade, como o Rossio e a zona ribeirinha.

A matança e as pilhagens prosseguiram por três dias. Segundo os cronistas da época terão sido mortos entre duas mil a quatro mil pessoas; Alexandre Herculano e o historiador norte-americano Yosef Yerushalmi registaram duas mil, o número que obtém mais consenso entre os especialistas. Damião de Góis, que tinha apenas quatro anos quando aconteceu a chacina, descreveu desta forma o massacre, na sua “Crónica do Felicíssimo Rei D. Manuel”:

“No mosteiro de sam Domingos da dicta cidade está hua capella aque chamão Iesu, & nella hum Cruçifixo, em que foi entam visto hum sinal, a que dauão cor de milagre, com quantos hos que se na egreja acharam julguam ser ho contrairo, dos quais hu cistão nouo dixe q lhe pareçia hua candea açesa que estaua posta no lado da imagem de Iesu, ho que ouuindo algus homes baixos, ho tiraram pelos cabellos arrasto fora da egreja & ho mataram, & queimaram logo ho corpo no resio.

Aho qual aluoroço acodio muito pouo, aquem hum frade fez hua pregaçam conuocandoho cotra hos cristãos nouos, apos ho que sairão dous frades do mosteiro, com hum Cruçifixo nas mãos bradando, heresia, heresia, ho que imprimio tanto em muita gente estrangeira, popular, marinheiros de naos que entam vieram de Holãda Zlenada, Hoestelãda & outras partes, assi homes de terra, da mesma condiçam & pouca calidade, que jutos mais de quinetos, começaram a mattar todolos cristãos nouos que achauam pelas ruas & hos corpos mortos & meos vivos lauçauão & queimauam em fogueiras que tinham feitas na ribeira & no resio, aho qual negoçio lhes seruião escrauos & moços, que cõ muita diligençia acarretauam lenha, & outros materiaes pera açender ho fogo, no qual domingo de Pascoella mattaram mais de quinhentas pessoas. A esta turma de maos homes, & dos frades, que sem temor de Deos andauam pelas ruas conçitando ho pouo a esta tamanha crueldade, se ajuntaram mais de homes da terra, da calidade dos outros, que todos juntos à segunda feira continuaram nesta maldade com mór crueza, & por já nas ruas nam acharem nenhus christãos nouos, foram cometter com vaiues & escadas, has casas em que viuiam, ou onde sabiam que estauam, & tirandohos dellas arrasto pelas ruas, co seus filhos, molheres, & filhas, hos lançauam de mistura viuos, & mortos nas fogueiras, sem nenhua piedade, & era tamanha há crueza q até nos mininos, & nas crianças que estauão no breço há executauam, tomandohos pelas pernas fendeo hos em pedaços, & esborachandohos darremeso nas paredes. Nas quaes cruezas se nam esqueçiam de lhes metter a saquo has casas, & roubar todo ho ouro, prata & enxouaes que nellas achauam, vindo ho negoçio a tanta dissoluçam que das egrejas tirauão muitos homes, molheres, moços, moças, destes inocentes, desapegandohos dos sacrarios; & das images de nosso Senhor, & nossa Senhora & outros Sanctos, com que ho medo da morte hos tinha abraçados & dalli hos tirauam, mattando & queimando misticamente sem nenhu temor de Deos assi a ellas quomo a elles.

Neste dia pereçeram mais de mil almas sem hauer na çidade quem ousasse de resistir, pola pouca gete de forte que nella havia, por estarem hos mais honrrados fora, por caso da peste. (…)”

Nesta mesma crónica, o historiador descreveu ainda a actuação do rei, que foi informado do que estava a acontecer em Lisboa quando estava em Aviz, a caminho de Beja para visitar a mãe, a infanta D. Beatriz. D. Manuel I ficou “triste” e “enojado”, tendo dado de imediato poderes ao Prior do Crato e a D. Diogo Lobo para castigarem os culpados. O problema era identificar os culpados. Uma cidade inteira revoltara-se contra os judeus e matara aqueles que não conseguiram escapar. Muitos portugueses (Damião de Góis conta que, entre os assassinos, estavam também estrangeiros, quase todos marinheiros, que recolheram às naus com os saques) foram presos e condenados à forca. Góis escreveu que Frei João Mocho e Frei Bernardo foram queimados na fogueira, num local público, mas o ensaísta e professor António José Saraiva defendeu que os dois frades escaparam à condenação, argumentando que, 36 anos depois do massacre, ambos estavam vivos e ao serviço de D. João III em Roma.

Para castigar os habitantes de Lisboa, D. Manuel retirou uma série de privilégios à cidade: aqueles que tinham se provara terem participado no morticínio perderam todos os seus bens; os que não estavam envolvidos, mas nada fizeram para deter a multidão, perderam um quinto dos seus bens; foi suspensa a eleição dos representantes da Casa dos Vinte Quatro e dos seus quatro representantes na vereação municipal da cidade.

O pogrom de Abril de 1506 continua hoje a ser recordado em dois monumentos erguidos no Largo de São Domingos, onde começou a tragédia, inaugurados em Abril de 2008, numa iniciativa da autarquia em conjunto com as comunidades judaica e católica.