segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Protesters disrupt US panel's fossil fuels pitch at climate talks / Em 2150, a Terra poderá ser tão quente como há 50 milhões de anos



Protesters disrupt US panel's fossil fuels pitch at climate talks
Official event praising coal, oil and gas met with laughter and chants of ‘shame on you’

Jonathan Watts in Katowice
Mon 10 Dec 2018 16.21 GMT Last modified on Mon 10 Dec 2018 19.00 GMT

A Trump administration presentation extolling the virtues of fossil fuels at the UN climate talks in Poland has been met with guffaws of laughter and chants of “Shame on you”.

Monday’s protest came during a panel discussion by the official US delegation, which used its only public appearance to promote the “unapologetic utilisation” of coal, oil and gas. Although these industries are the main source of the carbon emissions that are causing global warming, the speakers boasted the US would expand production for the sake of global energy security and planned a new fleet of coal plants with technology it hoped to export to other countries.

The event featured prominent cheerleaders for fossil fuels and nuclear power, including Wells Griffith, Donald Trump’s adviser on global energy and climate, Steve Winberg, the assistant secretary for fossil energy at the energy department, and Rich Powell, the executive director of the ClearPath Foundation, a non-profit organisation focused on “conservative clean energy”. The only non-American was Patrick Suckling, the ambassador for the environment in Australia’s coal-enthusiast government.

None of the US participants mentioned climate change or global warming, focusing instead of “innovation and entrepreneurship” in the technological development of nuclear power, “clean coal” and carbon capture and storage.

Ten minutes into Griffith’s opening speech, he was interrupted by a sudden, sustained, loud volley of laughter by several dozen protesters that was then followed by a single shout of “It’s not funny”, and then a series of chants of “Keep it in the ground” and “Shame on you”.

Several campaigners read statements. “There is no such thing as clean coal. Coal is deadly from the beginning to the end. They talk about the life cycle of coal, I talk about it as a death march. My father died of black lung, and I am in this struggle with others whose fathers and husbands are dying of black lung right now,” said Teri Blanton of Kentuckians for the Commonwealth, which represents Appalachian coal workers in North America.

After the protesters were led away by security guards, Griffiths said: “In the US our policy is not to keep it in the ground, but to use it as cleanly and efficiently as possible”.

This statement was contradicted by climate analysts, who noted the US environment agency estimates that 1,400 more deaths per year will result from Trump’s proposal to replace the Clean Power Act.

“It’s ludicrous for Trump officials to claim that they want to clean up fossil fuels, while dismantling standards that would do just that,” said Dan Lashof, the director of the World Resources Institute. “Since taking office, this administration has proposed to roll back measures to cut methane leaks from oil and gas operations, made it easier for companies to dump coal ash into drinking water, and just days ago proposed easing carbon pollution rules for new coal-fired power plants.”

Griffith boasted the US had the largest coal reserves in the world and iwas producing more petroleum than ever. “To achieve economic growth and eradicate poverty, all energy uses are important and they will be utilised unapologetically,” he said.

Echoing a claim often made by Trump, Griffiths said the US would not be subject to agreements that hamstrung domestic growth, while allowing China to operate with high emissions.

This was the second consecutive year that the Trump team was heckled after promoting fossil fuels and nuclear power at the climate talks, underscoring how the US position has shifted since the president took power in 2017.

The US was a key player in forging the Paris agreement in 2015, but its standing has steadily eroded since. In 2017, Trump announced he would pull the US out of the global accord. This year, his representatives have taken a still more destructive stance by aligning with Russia, Saudi Arabia and Kuwait to try to downgrade a key report by the world’s scientists that warned of the dangers of global warming moving beyond 1.5C above pre-industrial levels.

None of the panelists would be drawn on the study, but Griffith spoke out against “alarmism” that, he claimed, displaced pragmatic solutions to address environmental concerns with prescriptive regulations that put jobs at risk and raised costs for consumers. In fact, scientists say their forecasts about climate impacts have been too conservative, while economists say the shift to renewables has resulted in cheaper energy for many users.

Winberg said the US government was planning to support a new fleet of small, modular coal plants that he claimed would be energy-efficient and have near-zero emissions if combined with carbon capture technology. After initial development in the US, he said they could be exported to other countries. “They offer opportunity for developing nations to access tomorrow’s coal technology to improve energy security,” he said. He also proposed more pipelines to oil fields in the Gulf of Mexico.

Despite this public commitment, the US use of coal is declining because renewables are cheaper, according to Nathaniel Keohane, the senior vice-president for the Environmental Defense Fund nonprofit group.

“Trump is playing politics, but it’s not changing the facts on the ground,” he said. “Coal usage in the US just hit a 39-year low. If we really want to protect our economy, we’ll move aggressively toward 100% clean energy.”

An alternative, non-official US delegation has backed a faster transition to renewables. Made up of city- and state-level governments, business executives and religious leaders, the “We’re still in” group is staging dozens of events in a bid to show action is still possible without White House support.

Nonetheless, many observers at the official US panel were ashamed at the position of their federal government. “I was completely embarrassed to be an American”, said Leo McNeil Woodberry of the Climate Action Network. “Everything they proposed was absolutely wrong. I can’t believe they are putting profits over the planet, and profits over people.”




Em 2150, a Terra poderá ser tão quente como há 50 milhões de anos
Cientistas dos EUA e do Reino Unido fizeram projecções do clima do nosso planeta através de referências geológicas do passado. Conclusão: se as emissões de gases com efeito de estufa não abrandarem, a Terra poderá estar tão quente como na época do Eoceno.

TERESA SOFIA SERAFIM 10 de Dezembro de 2018, 20:05

Uma subida média global de 13 graus multiplicaria fenómenos meteorológicos extremos.

Há 50 milhões de anos – durante a época do Eoceno – as temperaturas globais médias da Terra eram 13 graus Celsius mais elevadas do que no século XX. Caso não se reduzam as emissões de gases com efeito de estufa, este pode ser o cenário do nosso planeta em 2150, alerta um estudo publicado esta segunda-feira na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

“Podemos usar o passado como um parâmetro para compreender o futuro”, começa por dizer John Williams, da Universidade do Wisconsin-Madison (Estados Unidos) e um dos autores do trabalho, num comunicado da sua instituição. Juntamente com outros cientistas dos Estados Unidos e do Reino Unido, John Williams andou atrás no tempo para projectar o futuro.

Para tal, fizeram-se projecções climáticas (desde 2020 até 2280) através de dois cenários baseados no quinto (o último) relatório de avaliação do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas de 2014, assim como em diferentes modelos de simulação do clima. Quanto aos cenários, no mais gravoso (RCP8.5) as emissões de gases com efeito de estufa não descerão. Já no cenário intermédio (RCP4.5) as emissões de gases com efeito de estufa reduzir-se-ão ligeiramente ou estabilizarão.

PUB

Depois, teve-se em conta seis marcos geológicos: o início do Eoceno (há cerca de 50 milhões de anos), meados do Plioceno (entre há 3,3 e três milhões de anos), o último período interglaciar (entre há 129 mil e 116 mil anos), meados do Holoceno (há seis mil anos), a era pré-industrial (antes de 1850) e o início do século XX.

Usando modelos climáticos diferentes, o clima da Terra ficará parecido com o verificado em meados do Plioceno já em 2030 no cenário mais gravoso, enquanto no cenário intermédio isso acontecerá em 2040.

Há cerca de três milhões de anos, durante o Plioceno, o clima era árido: as temperaturas globais médias da Terra eram 1,8 a 3,6 graus Celsius mais elevadas do que hoje. “Durante esta altura, não havia grandes mantos de gelo no hemisfério Norte e o nível do mar era 20 metros mais elevado do que hoje” descreve ao PÚBLICO Kevin Burke, também da Universidade do Wisconsin-Madison e autor do estudo. “Por volta de 2030 com o cenário RCP8.5, o interior dos continentes será o primeiro a alcançar climas como o do Plioceno”, lê-se no artigo científico.

Se as emissões de gases com efeito de estufa se mantiverem (cenário intermédio), o clima da Terra daqui a 100 anos será ainda como o de meados do Plioceno. Mas, se essas emissões subirem, em 2100 começará a assemelhar-se com o clima do início do Eoceno e terá já as condições dessa época por volta de 2150. “Se as emissões continuarem a subir, isso deverá rebobinar o relógio do clima em cerca de 50 milhões de anos, resultando num clima futuro como o do Eoceno”, ilustra Kevin Burke.

Durante o Eoceno, além das temperaturas globais médias serem 13 graus Celsius mais elevadas do que as do século XX, nessa altura os dinossauros já se tinham extinguido (desapareceram da Terra há 65 milhões de anos) e os mamíferos tinham-se espalhado pelo planeta. Não havia gelo permanente nas regiões polares e o Árctico tinha florestas pantanosas como aquelas que existem agora no Sul dos Estados Unidos. E haveria cerca de 1400 partes por milhão (ppm) de dióxido de carbono na atmosfera. Hoje a concentração atmosférica de dióxido de carbono já alcançou as 400 ppm.

Tal como se sugeria em 2030, também no século XXII o aumento da temperatura começará a notar-se primeiro no centro dos continentes e só depois se expandirá. “[A cidade de] Madison aqueceu mais do que Seattle, mesmo estando à mesma latitude. Quando se lê que se espera que [o planeta] aqueça três graus Celsius este século, em Madison deve esperar-se que a temperatura global média suba aproximadamente o dobro”, explica John Williams.

Além disso, em 2280, no cenário mais gravoso, surgirão “climas geologicamente novos” em 8,7% do planeta, sobretudo no Leste e Sudeste asiático, no Norte da Austrália e na costa das Américas. No cenário intermédio estes novos climas afectarão apenas 1,5% da Terra.

No artigo, os cientistas destacam que se espera que estas alterações climáticas ocorram a um “ritmo significativamente acelerado” e que, por exemplo, os fenómenos extremos serão mais frequentes e intensos. “Talvez o mais preocupante seja a forma imediata como vimos que os climas do Plioceno e do Eoceno serão os mais parecidos [com os do futuro]. Estamos a andar para um futuro que se assemelha mais a esses períodos”, refere Kevin Burke.

“As grandes mudanças são definitivamente uma característica da emergência do Antropoceno [época geológica sem estatuto oficial e que representa o impacto que a humanidade tem na transformação da Terra] e uma diferença fundamental entre os climas de um futuro próximo e do passado geo-histórico”, refere-se no artigo.

Como tal, Kevin Burke considera: “Actualmente, a sociedade está a enfrentar desafios sem precedentes, por isso temos de perceber o que o futuro nos reserva. Podemos usar o clima do passado como uma espécie de ‘laboratório natural’ para aprender como poderá ser.”

O cientista considera que as acções individuais são um primeiro passo “excelente” para que o cenário mais gravoso não seja alcançado, tal como o uso de transportes públicos e uma melhor gestão do lixo e do consumo. “Deve-se reconhecer que este é um problema de hoje – não do futuro – e que é crítico.”

John Williams assinala ainda que se tem feito algum esforço para se transitar dos combustíveis fósseis para fontes de energia mais “limpas” e sem carbono. Mas frisa que é preciso mais. Até sexta-feira, na 24ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP24), que decorre em Katovice, na Polónia, discutem-se medidas a tomar para enfrentar as alterações climáticas.

Mas nem todos os países parecem estar empenhados da mesma forma. Durante o fim-de-semana, a Arábia Saudita, os Estados Unidos, a Rússia e o Kuwait – todos exportadores de petróleo – rejeitaram uma moção de apoio ao relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas sobre os impactos da subida da temperatura em 1,5 graus Celsius, apresentado no início de Outubro. Esse relatório mostra que, se a temperatura se limitar a 1,5 graus em relação ao período pré-industrial, os efeitos do aquecimento global podem ser atenuados. Os quatro países apenas “tomaram nota” da existência do relatório, uma moção que, devido à falta de consenso, ainda não foi aprovada.

Macron responde à crise nas ruas com aumento do salário mínimo em 100 euros



Uma “distribuição de trocos” ou uma “gorgeta de restaurante” são como alguns classificaram as “concessões” de Macron … as afirmações “Voltar ao passado [com a subida dos impostos aos mais ricos] seria uma fraqueza. Mas o parlamento e o governo deverão ir mais além para combater a evasão fiscal” foram contrapostas por acusações de não ter falado sobre as exigências de reforma no sistema político representativo e ao confirmar que o imposto de solidariedade sobre as fortunas não vai regressar gerou críticas pois, foi o fim deste imposto, introduzido em 1982 por François Mitterrand, que valeu a Macron a alcunha de "Presidente dos ricos".
OVOODOCORVO

Macron responde à crise nas ruas com aumento do salário mínimo em 100 euros
Leonor Mateus Ferreira
19:14

Presidente francês anunciou medidas de apoio a trabalhadores e reformados, numa altura de fortes protestos contra o Governo. Estado vai financiar subida do atual salário mínimo de 1.498,47 euros.
O presidente de França anunciou esta segunda-feira medidas de apoio aos trabalhadores e reformados, como resposta aos protestos dos “coletes amarelos”, contra o Governo no país e o aumento de impostos, nas últimas semanas. A principal decisão de Emmanuel Macron é o aumento do salário mínimo em 100 euros, a partir do próximo ano, financiado pelo Estado e sem custos adicionais para as empresas. Atualmente, o salário mínimo no país situa-se nos 1.498,47 euros mensais, de acordo com o Eurostat.

Além da subida no salário mínimo, as horas extras vão passar a estar isentar de tributações. Macron pediu ainda às empresas que atribuam um prémio de final de ano aos trabalhadores sem encargos de impostos. Para os reformados, anunciou que quem receba menos de dois euros por mês irá ficar isento do pagamento do imposto Contribuição Social Generalizada (CSG).

Macron afirmou que “o investimento na Nação é inédito”, mas quer ser mais rápido neste assunto. “Peço ao Governo para fazer o necessário para as pessoas viverem melhor”, afirmou. “Reagiremos às exigências económica e social com uma resposta forte”.

Os benefícios não são só para os cidadãos em França com rendimentos mais baixos. Macron lembrou que os manifestantes reclamam o aumento dos impostos sobre os mais ricos, mas o presidente considera que esta medida iria levar a uma fuga das empresas para outros países. Afirmou que é necessário que as empresas e cidadãos mais afortunados ajudem a nação, nomeadamente através da criação de emprego. “Voltar ao passado [com a subida dos impostos aos mais ricos] seria uma fraqueza. Mas o parlamento e o governo deverão ir mais além para combater a evasão fiscal”, referiu.

Este sábado, perto de 2.000 pessoas foram identificadas em França nos protestos dos “coletes amarelos” que levaram às ruas cerca de 136.000 manifestantes. As interpelações deram origem a mais de 1.700 detenções, segundo o balanço definitivo do quarto grande dia de manifestações daquele movimento, que começou há algumas semanas em protesto contra o aumento do preço dos combustíveis.

A violência foi menor do que no fim de semana passado graças a um dispositivo de segurança que contou com 8.000 agentes e veículos blindados. Ainda assim, Paris voltou a assistir a cenas de carros queimados, montras partidas, lojas saqueadas e barricadas nas ruas.

“Nenhuma ira justifica que se ataque um polícia ou que se estraguem montras”, disse Macron, esta segunda-feira. “A nossa liberdade apenas existe se pudermos exprimir opiniões sem ninguém ter medo. Dei ao Governo instruções rigorosas. No entanto, no início desse episódio há ira e indignação que muitos franceses podem partilha-la. Não quero que seja reduzida a estes comportamentos inaceitáveis”.

O presidente assumiu a responsabilidade de não ter conseguido, deste que chegou à presidente de França, acalmar essas indignações. “É possível que tenha dado a impressão que não era a minha prioridade”, disse, acrescentando que acredita nas capacidades de o país sair desta crise social.

Devido aos protestos, deputados da esquerda francesa — do Partido Socialista, do França Insubmissa e do Partido Comunista — tinham apresentado uma moção de censura contra Macron, que iria avançar esta segunda-feira, mas acabou por ser adiada à espera das reuniões do presidente com os sindicatos e das posteriores declarações. Sem se referir especificamente a este assunto, Macron acrescentou: “A violência não será beneficiada. Todos vimos os oportunistas que tentaram aproveitar-se da ira”.

(Notícia atualizada às 19h45)

In full: Theresa May delays the vote on her Brexit deal





A retirada "estratégica" pode ser comparada àqueles jogos entre miúdos, nos quais quando o dono da bola está a perder, o mesmo interrompe o jogo e leva a bola para casa.
Há muito de cobardia patética nesta atitude e um desrespeito pelas regras do jogo, neste caso, a soberania Democrática do Parlamento.
Esta teimosia 'tenaz', quando chega a este ponto de vazio de significado de representatividade política, constitui apenas apego ao poder, a qualquer custo ...
Reparar na galhofa trocista quando May afirma que ouviu as vontades diversas do Parlamento ...
OVOODOCORVO




The Guardian view on the Brexit vote: the prime minister is on the run
Editorial
Theresa May continues to treat parliament with contempt, as her authority drains away on the most important issue facing Britain
Mon 10 Dec 2018 18.30 GMT Last modified on Mon 10 Dec 2018 19.50 GMT

Theresa May decided to pull the parliamentary vote on her Brexit withdrawal agreement because she knew she would lose. She has been humiliated by her own MPs. It is staggering that this defeat only became obvious to her after it had been clear to everyone else for weeks. In the end, she chose to run rather than stand and fight for what she had agreed with European leaders. Mrs May is not saving her leadership, she is devaluing it to the point of worthlessness. The prime minister has no one to blame but herself for this mess. In the last two years the government has devoted itself to leaving the European Union in a manner consistent with Mrs May’s obsessions – primarily controlling immigration. Her resulting withdrawal agreement has been rubbished by her own unruly troops. They will not be easily instructed to march in a different direction.

The prime minister is trying to buy herself time by getting Brussels to accept some tweaks in her Brexit deal over the Northern Ireland backstop as a means of persuading some doubters to vote for it. These will be cosmetic, as EU leaders say there can be no further renegotiation of the terms of the UK’s departure.

The threats to Mrs May are multiplying. In parliament, the prime minister foreshadowed a constitutional trial of strength in a furious exchange with the Commons speaker, John Bercow. Mr Bercow rightly called for MPs to be allowed to vote on postponing the Brexit debate. In rejecting this, the prime minister continues to treat parliament with contempt.

Crises of this nature are only resolved in line with a Commons majority. Mrs May’s actions invite MPs across parties to coordinate with one another so they make the conduct of the government impossible unless ministers bow to their will. It is important to note that Mrs May’s deal, even in its refined form, will garner less support in the Commons than either another referendum, in which the risk of the option of a catastrophic “no deal” is endorsed by a weary public, or some variant of the Norway deal, in which we give up sovereignty for economic stability.

The prime minister wants to play for time, saying only that the vote on her deal, replete with reassurances, will be held by 21 January – the last possible date to do so. If dodging a defeat becomes the only way for Mrs May to survive, then the indications are that she will delay a vote until the last possible moment. This is playing politics with the nation’s stability. It ill behoves any prime minister to be so cavalier about such a serious issue.

Her decision to stay on is one based on her own self-interest and that of her party rather than the country. The prime minister is now a diminished figure, with her authority draining away on the most important issue facing Britain. It is galling to hear her claim that the 2016 referendum vote was a cry for help from left-behind Britain when it was Tory austerity that hollowed out deprived regions. Since then, Brexit has immobilised the government, leaving it unable to deal with these problems.

Mrs May might claim that she lives to fight another day. But given that the leadership is on the run from the hard Brexiters, she lives on only as a political zombie. Ensnared by her own convictions, she has resorted to dilatory tactics because she has belatedly realised the full weight of their burden. When, at last, she has been forced to recognise this, she found herself alone and politically friendless in a party that prefers accommodation of its prejudices to political calculation – let alone what is best for this country.

Suspensão de novos registos não afasta alojamento local dos bairros históricos de Lisboa




(…) “O problema na habitação não é culpa do turismo”. Correram a afirmar sucessivamente Costa, Medina e Marcelo. Isto imediatamente confirmado pela ALEP e pelo poderoso lobby do Alojamento Local.
Tanto mais que a colaboração entre a ALEP, a AIRBNB e afins está assegurada, pois eles ‘ajudam’ no registo e controle do fenómeno. Desde o início, Medina elegeu-os como cúmplices e colaboradores com a mesma tranquilidade e naturalidade como se elege a raposa como principal guardiã da capoeira.
Quando foram anunciadas, finalmente, tímidas medidas de controle nas principais freguesias do centro, sem se consultarem as mesmas freguesias, assistiu-se a uma corrida desenfreada aos novos registos que são já da ordem dos milhares.
Tudo isto ilustra a total dependência de Costa, mago geringonço no seu jogo das três panelas e duas tampas, das receitas turísticas. Para isso e em nome do PIB ele está disposto a vender, a prostituir e a alienar os habitantes, a destruir todo o tecido social e a identidade local e nacional.
ANTÓNIO SÉRGIO ROSA DE CARVALHO in:
 “Aprés nous le Déluge!”
Em nome do PIB Costa está disposto a vender, a prostituir e a alienar os habitantes, a destruir todo o tecido social e a identidade local e nacional.



Suspensão de novos registos não afasta alojamento local dos bairros históricos de Lisboa. Proprietários fogem para Arroios e Graça
Rafaela Burd Relvas

Primeiro, houve uma corrida para legalizar alojamentos nas zonas que seriam suspensas. Desde que a medida entrou em vigor, os alojamentos foram registados noutras zonas de alta pressão turística.
A Câmara Municipal de Lisboa (CML) decidiu, em outubro, suspender a autorização de novos registos de alojamento local em cinco bairros históricos da cidade com o objetivo de proteger a habitação existente nessas zonas e incentivar a dispersão do turismo para áreas menos pressionadas. Para já, a medida não está a surtir efeito. Não só houve uma corrida aos registos para legalizar alojamentos dentro destes bairros antes da entrada em vigor da suspensão, como, desde que esta medida entrou em vigor, quase todos os novos alojamentos locais foram registados nas zonas que, por também serem alvo uma pressão turística elevada, já estão a ser monitorizadas pela autarquia. A maioria foi para a Graça e para Arroios.


A suspensão de novos registos está em vigor desde o dia 12 de novembro e aplica-se a cinco bairros históricos de Lisboa: Castelo, Alfama, Mouraria, Bairro Alto e Madragoa, abrangendo partes das freguesias de São Vicente, Santa Maria Maior, Misericórdia, Santo António e Estrela. As áreas de suspensão foram delimitadas pela CML, como se vê nos mapas em baixo:


As áreas de suspensão de novos registos de alojamento local, definidas pela Câmara Municipal de Lisboa.

Estes foram os bairros identificados pela Câmara onde o rácio entre o número total de estabelecimentos de alojamento local e o número total de alojamentos familiares clássicos é superior a 25% — ou seja, nestes cinco bairros históricos, mais de um quarto das casas disponíveis está a ser usada para alojar turistas.

Na verdade, quando a CML decidiu avançar com limites ao alojamento local, já estes rácios eram muito mais elevados nas zonas em causa. Cálculos feitos com base em dados disponibilizados pela Câmara e pelo Registo Nacional de Turismo (RNT) mostram que mais de 41% dos alojamentos familiares clássicos existentes na freguesia de Santa Maria Maior estão, atualmente, a ser usados como alojamento local — ao todo, há mais de 4.450 alojamentos locais para um total 10.729 casas nesta freguesia. Já na freguesia da Misericórdia, com mais de 3.600 alojamentos locais num universo total de 10.500 casas, o rácio é superior a 34%.

Com esta suspensão, os objetivos seriam, de acordo com a deliberação da CML que foi aprovada em novembro, “defender o stock de habitação permanente”, “limitar a instalação de novos estabelecimentos turísticos nos bairros onde a sua presença já tem um peso excessivo em relação à residência total disponível” e “melhorar a atratividade de novos polos de atração turística na cidade fora do centro histórico e da zona monumental de Belém”.

Mas não é isso que está a acontecer. Primeiro, nas semanas que antecederam a entrada em vigor da suspensão, foram registadas dezenas de novos alojamentos nas duas áreas onde isso deixou agora de ser permitido. Desde que a Câmara anunciou que iria avançar com a suspensão, a 25 e outubro, até à entrada em vigor desta medida, a 12 de novembro, a autarquia deu luz verde a 352 dos pedidos de registo que deram entrada, de acordo com os dados disponíveis na plataforma do RNT. Destes, 158 estão dentro das duas áreas onde as autorizações de novos registos estão agora suspensas.

Depois da entrada em vigor da suspensão, os proprietários de alojamento local pouco se afastaram das zonas proibidas. Para além das duas áreas de suspensão, a Câmara identificou cinco áreas turísticas “onde se verifica a existência de fortes fatores de pressão ao uso habitacional” e que, por isso, estarão sob monitorização mais apertada, podendo vir a ser decidida a suspensão de novos registos de alojamento local nestas zonas. Baixa, Avenida da Liberdade, Avenida da República, Avenida Almirante Reis, Graça, Colina de Santana, Ajuda, Lapa e Estrela são as zonas em causa.

E foi precisamente nestas áreas que foi registada a maioria dos novos alojamentos locais desde que a suspensão entrou em vigor nos cinco bairros históricos. Ao todo, desde que a suspensão entrou em vigor, e até à data, a Câmara aceitou 99 dos pedidos de registos que foram feitos. Destes, mais de metade foi registada numa das áreas sob monitorização. A maioria foi para a Graça e para Arroios.

Nas zonas para onde a Câmara queria dispersar o turismo (Praça de Espanha, Gulbenkian, Campo Grande, Paço do Lumiar e zona da Feira Popular na Pontinha), não foi registado qualquer novo alojamento local neste período.

A cidade de Lisboa ganhou, assim, mais de 450 novos alojamentos locais no espaço de pouco mais de um mês. Entre os alojamentos registados antes da suspensão e os que foram autorizados após a suspensão, o resultado pode ser visto neste mapa:

Alojamentos locais continuam a ser registados nas áreas de suspensão
A medida de contenção imposta pela Câmara já está a funcionar, mas a ordem foi ignorada por vários proprietários, que, mesmo após a entrada em vigor da suspensão, continuaram a pedir para registar alojamentos dentro das áreas onde já não podem ser autorizadas novas unidades. Alguns foram bem-sucedidos.

Os dados disponíveis na plataforma do RNT mostram que, já depois da entrada em vigor da suspensão, foram autorizados os registos de 16 alojamentos dentro de ambas as áreas de suspensão.

Questionada, a Câmara de Lisboa justifica o sucedido, mas não responde se estas duas licenças serão revogadas. “O software da base de dados gerida pelo Turismo de Portugal trata os pedidos de registo de alojamento local de todo o país. Tem, por isso, de ser adaptado de modo a poder tratar o caso específico do Município de Lisboa, o único no país a ter já definidas zonas de contenção de alojamento local no seu território. É esse processo técnico que Câmara de Lisboa e Governo estão, neste momento, a tratar”, explica ao ECO fonte oficial da CML.

E acrescenta: “Assim, e enquanto o referido processo ainda não estiver concluído, quando entram novos registos de alojamento local para as zonas interditas na referida base de dados, a CML consegue, manualmente, georreferenciá-los, tendo depois um período legal para se opor, e atuará em conformidade, recusando-os. Aliás, nos primeiros dias, foram já recusados 27 registos de alojamento local que entraram para zonas interditas“.

Notícia atualizada às 10h50 com os registos de alojamentos locais datados de 10 de dezembro de 2018.

LEAKED: Footage From Inside No. 10 Downing Street!

Sátira Política / Em direcção ao voto de amanhã no pandemónio do Brexit
Os dilemas de May vistos na “perspectiva” Gollem / Sméagol

OVOODOCORVO

Tackle climate or face financial crash, say world's biggest investors





Tackle climate or face financial crash, say world's biggest investors
UN summit urged to end all coal burning and introduce substantial taxes on emissions

Damian Carrington in Katowice
 @dpcarrington
Mon 10 Dec 2018 00.01 GMT Last modified on Mon 10 Dec 2018 00.55 GMT

Global investors managing $32tn issued a stark warning to governments at the UN climate summit on Monday, demanding urgent cuts in carbon emissions and the phasing out of all coal burning. Without these, the world faces a financial crash several times worse than the 2008 crisis, they said.

The investors include some of the world’s biggest pension funds, insurers and asset managers and marks the largest such intervention to date. They say fossil fuel subsidies must end and substantial taxes on carbon be introduced.

Ministers arrive at the UN climate summit in Katowice, Poland, on Monday for its crucial second week, when the negotiations on turning the vision of the Paris agreement into reality reach a critical point, with finance for fighting global warming a key area of dispute.

“The long-term nature of the challenge has, in our view, met a zombie-like response by many,” said Chris Newton, of IFM Investors which manages $80bn and is one of the 415 groups that has signed the Global Investor Statement. “This is a recipe for disaster as the impacts of climate change can be sudden, severe and catastrophic.”

Investment firm Schroders said there could be $23tn of global economic losses a year in the long term without rapid action. This permanent economic damage would be almost four times the scale of the impact of the 2008 global financial crisis. Standard and Poor’s rating agency also warned leaders: “Climate change has already started to alter the functioning of our world.”

Thomas DiNapoli, of the $207bn New York State Common Retirement Fund, another signatory, said taking action on global warming not only avoided damage but could boost jobs and growth. “The low-carbon economy presents numerous opportunities and investors who ignore the changing world do so at their own peril.”

Lord Nicholas Stern, of the London School of Economics said: “The low-carbon economy is the growth story of the 21st century and it is inclusive growth. Without that story, we would not have got the 2015 Paris agreement, but the story has grown stronger and stronger and is really compelling now.”

The US Trump administration will hold its only event at the UN summit on Monday and is expected to promote “clean coal”. But Stern said Trump’s suggestion that action on climate change was a jobs killer was “dead wrong”. Stern said: “You don’t create jobs for the 21st century by trying to whistle up jobs from the 19th century.”

A key demand of the Global Investor Statement is to phase out coal-fired power stations across the world. Peter Damgaard Jensen, the CEO of Danish pension fund PKA, said: “Investors, including PKA, are moving out of coal in their droves given its devastating effects on the climate and public health, compounded by its poor financial performance.”

Dozens of nations will affirm their commitment to end their coal burning on Thursday. However, the UN summit has seen US, Chinese and Japanese financial institutions cited as leaders in providing nearly $500bn in backing for new coal plants since the Paris agreement was signed.

Another investor demand on governments is to introduce “economically meaningful” taxes on carbon. Most are below $10 per tonne, but needed to rise to up to $100 in the next decade or two, the investors said. The French president Emmanuel Macron’s botched attempt to increase fuel taxes and the gilets jaunes protests that followed were a model of how not to do it, said observers in Poland.

“It failed to take people along with them, accompanying the policy with social measures to allow citizens to embrace the opportunities of the transition and ride out the challenges,” said Camilla Born, of advisers E3G. The host government of the climate summit, Poland, is heavily reliant on coal and is stressing the need for a “just transition” for workers in the fossil fuel industry.

The investors include some of the globe’s largest pension funds, such as Calsters and ABP, and insurers, including Aviva, AXA and Zurich. They also want an end to subsidies for coal, oil and gas, which the IMF rates at $5tn a year and which the G20 has been promising to tackle for a decade. This measure alone could cut global CO2 emissions by 10% by 2030, according a UN report released in time for the Poland summit.

The investors said current national pledges to cut carbon would lead to a catastrophic 3C of global warming and that plans must be dramatically increased by 2020. For developing countries, ”finance is the critical enabler of increasing ambition,” said Niranjali Amerasinghe, of the World Resources Institute.

UN climate summits are frequently dogged by disputes over the $100bn a year that rich nations have promised to poorer ones by 2020 to tackle climate change. Direct government funding and private company finance were needed, Amerasinghe said: “It is really great when private sector is out there saying we are going to invest in climate-friendly activities.”

domingo, 9 de dezembro de 2018

A revolução francesa do século XXI / Pistas para perceber a “insurreição amarela” / Se a França cair /VIDEO;Gilets Jaunes: Are nationalists infiltrating the 'yellow vests'? - BBC N...





EDITORIAL
A revolução francesa do século XXI
ANA SÁ LOPES
9 de Dezembro de 2018, 7:00

O Partido Socialista Europeu reuniu-se este fim-de-semana em Lisboa, com António Costa como anfitrião e vencedor - afinal, conseguiu não só não destruir o PS como até aumentar as esperanças nas próximas legislativas, depois de em 2015 ter ficado atrás da coligação PSD/CDS.

Em reuniões do passado, aparecia também um senhor chamado François Hollande, que ganhou a presidência de França em 2012, debaixo de um vendaval de expectativas depois de derrotar Nicolas Sarkozy - infelizmente para ele e para os socialistas europeus, elas saíram todas goradas.

Depois da implosão do socialismo francês, apareceu Emmanuel Macron, jovem e belo e capaz de mobilizar as tropas descontentes com os "políticos do sistema". Perante a imagem politicamente envelhecida de Hollande, Macron - que fez parte do governo PSF sem ter sido salpicado pela desgraça - era a luz. A criação do movimento En Marche, quando ainda fazia parte do governo, galvanizou eleitores descontentes com o sistema. Sendo obviamente um homem do sistema, Macron era a coisa mais moderna, desembaraçada e anti-sistema para uma França onde os socialistas agonizavam e Marine Le Pen se impunha como uma líder de massas.

Mas o dia de glória, como assinala um verso da Marselhesa, não tinha chegado com a eleição de Macron. Há um mal-estar complexo que atravessa a Europa (e as Américas) e para o qual as forças políticas tradicionais não estão a encontrar resposta. Esse mal-estar é tão difuso como os coletes amarelos, uma multidão sem rei nem direcção. A classe média está esgotada e não tem porta-vozes. Em Itália, a implosão do sistema começou mais cedo, com Berlusconni. Salvini é a continuação do mesmo filme.

Se o anteriormente fabuloso Macron sair derrotado da revolução francesa dos coletes amarelos, abre-se a caixa de Pandora que até agora os franceses tinham conseguido travar: a ascensão de Marine Le Pen ao poder. Infelizmente, a caixa parece já razoavelmente aberta. E não há um socialista francês que possa aparecer na reunião do Partido Socialista Europeu com um programa para travar a emergência da extrema-direita no coração da Europa. E essa falência socialista é um dos problemas mais graves do continente.



Pistas para perceber a “insurreição amarela”
O movimento “gilets jaunes” “inscreve-se mais no tipo de sociedade que se desfaz do que no da que nasce”, frisa Behar.

JORGE ALMEIDA FERNANDES
8 de Dezembro de 2018, 20:15

O movimento “gilets jaunes”? é a fórmula francesa do mal-estar de todo o Ocidente. Nascido da “França periférica”, não é uma réplica directa dos populismos correntes na Europa ou na América. Mas nasce do mesmo caldo de cultura. Assume-se como manifestação de cólera contra o establishment francês. O seu alvo final é o Presidente Macron, enquanto cabeça do Estado francês e do sistema político. Daí o grito unificador: “Macron, demissão!” Em poucas semanas, transformou o quadro político francês.

É um movimento de carácter “defensivo”, ou seja, não quer conquistar o futuro e “revela a história de uma França que desaparece”, na expressão do geógrafo Daniel Behar. Exprime um retrocesso político e encerra um desafio directo à democracia representativa. Sigamos algumas e incertas pistas de análise, porque se trata de um movimento ainda opaco e resistente às classificações.

Esqueçamos os antecedentes franceses, as grandes “emoções populares”, desde as “jacqueries antifiscais” da Idade Média às ondas de protesto mais recentes, como o movimento grevista de 1995 contra a reforma da segurança social e do sistema de aposentações, ou ainda as greves e a violência a propósito de outra reforma das aposentações, em 2010. Nestes dois movimentos havia sindicatos, de trabalhadores e de estudantes, e o poder tinha interlocutores. Hoje, por definição, não há interlocutor, logo não pode haver negociação.

O “caderno de queixas” é conhecido e as causas vão muito para lá da tributação dos combustíveis: a estagnação do nível de vida desde 2008 e o crescente aumento de despesas e encargos das famílias. Foi uma mistura explosiva. Mas avisa o economista Pierre-Yves Cossé, antigo comissário do Plano: “Os comentadores procuram as causas da crise francesa nos erros e nas faltas cometidas pelo Presidente da República desde a sua chegada ao Eliseu. Elas existem certamente, em particular no terreno fiscal”, mas isto passa ao lado do essencial.

“A doença é muito mais extensa, ultrapassa as nossas fronteiras e inscreve-se na longa duração. A primeira fonte de mal-estar do Ocidente é a recomposição do mundo. O aparecimento de novos ricos significa uma transferência maciça de riquezas e de poder, principalmente em proveito da Ásia e da China. (...) As elites falharam, foram incapazes de explicar aos cidadãos o advento do novo mundo e as mudanças individuais e colectivas.” Todos as frustrações que alimentam os populismos xenófobos e autoritários partem deste mesmo terreno.

Potencial explosivo
O movimento “gilets jaunes”? “inscreve-se mais no tipo de sociedade que se desfaz do que no da que nasce”, como frisa Behar. Observa o sociólogo Michel Wieviorka: “Os ‘gilets jaunes’? encarnam sobretudo os que se recusam a pagar o preço desta transformação, são o actor defensivo de um modelo que se começou a decompor com o fim dos Trinta Gloriosos.” Travam uma “guerra de atraso”.

Não falam da “entrada num mundo novo em que teriam um papel criador”. Mas são um movimento novo “se considerarmos as formas de mobilização que conjugam o recurso a tecnologias modernas de comunicação e a presença física em múltiplos lugares que permitem a cobertura de todo o território nacional”.

A violência não é inerente ao movimento dos que se definem retoricamente como “os esquecidos e os invisíveis” da sociedade. A violência é exercida por franjas radicais, de extrema-esquerda e extrema-direita, mas desempenha um papel crucial: são os actos violentos que asseguram a intensidade da cobertura mediática. De resto, ela tende a instalar-se quando um movimento não se consegue traduzir numa acção concreta e se transforma em ruptura que passa a opor inimigos. É um risco inerente ao fenómeno “gilets jaunes”?. A vandalização de monumentos nacionais é uma poderosa mensagem.

Macron encostado à parede
“O ‘gilets jaunes’? exprime cólera, e também violência, perante as instituições do país”, resume o americano Benjamin Haddad, que investiga a Europa e acompanhou a campanha eleitoral de Macron. Qualifica o movimento como “o próximo estágio do desafio populista às democracias ocidentais.”

O politólogo Gérard Grunberg analisa a dimensão política do conflito. Se nas democracias representativas é legítimo que os cidadãos se manifestem contra os governos, “não é legítimo que os cidadãos, que por definição têm o direito de voto e elegeram democraticamente há 18 meses um Presidente e os seus representantes, considerem hoje o poder como um inimigo e procurem derrubá-lo, eventualmente pela violência”.

Wieviorka sublinha três reivindicações difusas: um referendo para a destituição de Macron, a dissolução da Assembleia Nacional e, até, sinais de apelo a um novo primeiro-ministro de estilo autoritário. Tudo isto em nome do “nós somos o povo” e de uma concepção referendária da democracia. Só poderiam ser alcançadas “à custa de um espasmo social prolongado que paralisasse o país”.

O sistema partidário francês está despedaçado. Laurent Wauquiez, líder da direita, vestiu um colete amarelo. Interroga-se Grunberg: “Que esperará recolher de um movimento de tendência insurrecional, (...) a esperança de regressar enfim ao poder?”

Macron é objecto de “um ódio inédito, maciço, mais violento do que o que perseguiu Sarkozy e Hollande”, anota o Libération. “O ódio é um amor decepcionado” pelo Presidente jupiteriano, diz uma personagem do Eliseu.

Macron tem mantido o silêncio para não lançar mais achas na fogueira. Parece condenado a um recuo para apaziguar a opinião pública que simpatiza com o “gilets jaunes”?. Avisam os observadores que há duas coisas que ele não pode fazer: a primeira seria convocar eleições antecipadas que, no actual quadro e sem alternativas, poderiam resultar no caos institucional; a segunda seria fazer a mínima cedência perante os motins.



Se a França cair
A revolta francesa nasce sobretudo numa “pequena classe média” branca, que se viu afectada pelas consequências sociais da globalização.

TERESA DE SOUSA
9 de Dezembro de 2018, 7:00

1. É um clássico: os franceses não fazem reformas, apenas revoluções. É também um exagero, que serve apenas para descrever a particular identidade de um país com uma História que olha como gloriosa, que se vê, em momentos de euforia, como sendo ainda o centro do universo. Que alterna cada vez mais com uma profunda “malaise”, sempre pronta a explodir numa fúria incontida que normalmente derruba governos, desfaz reformas, mas raramente despede o ocupante do Palácio do Eliseu. É esta a história da V República, moldada pela personalidade do General De Gaulle e pela sua visão do poder – “La France c’est moi” -, onde a figura do Presidente da República Francesa funciona com o centro da vida política da França em redor do qual se organiza o poder, reservando ao primeiro-ministro o custo e a impopularidade da governação, um lugar secundário que pode ser sacrificado em caso de crise económica e social. Jaques Chirac, apesar do seu estilo caloroso e afável, ainda cumpriu este figurino. Alain Juppé, o seu primeiro-ministro, foi sacrificado quando a reforma das pensões levou milhões de franceses às ruas. Lionel Jospin, primeiro-ministro socialista que governou com Chirac em coabitação, tentou enfrentá-lo sem grande resultado. Quando resolveu desafiá-lo nas presidenciais de 2002, sofreu a tremenda humilhação de não passar à segunda volta, abrindo espaço a um confronto dramático entre o Presidente e o líder da Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen. O resultado mostrou ainda uma França firme perante o desafio do nacionalismo e do extremismo. A disciplina republicana funcionou em pleno dando a Chirac uma vitória de 82% dos votos e anulando qualquer ambiguidade perante a ascensão da Frente Nacional.

2. Nicolas Sarkozy quis quebrar o molde, com uma presidência combativa e irreverente e um estilo que se afastava da figura que tinha o dever de encarnar a grandeza da França. Foi um Presidente de um só mandato. Acabou derrotado por um candidato socialista sem brilho e sem carisma, que chegou ao Eliseu com o propósito expresso de ser um “Presidente normal”. Mudou o estilo, mudaram os rituais, não mudou a sorte. François Hollande cumpriu apenas um mandato, com alguns actos simbólicos para agradar à esquerda mas de muito pouca substância. Não conseguiu reequilibrar a aliança franco-alemã, que está na base da integração europeia. Não conseguiu reformar. O seu “ministro-prodígio” haveria de impedir a sua recandidatura, fundar um partido a partir do zero, avançar para o Eliseu prometendo um “centrismo radical”, sem qualquer cedência à extrema-direita de Marine Le Pen ou à extrema-esquerda de Jean-Luc Mélenchon, destruindo pelo caminho o Partido Socialista e abanando fortemente a direita de Os Republicanos. Tudo em menos de um ano. Macron foi eleito numa onda de euforia. Prometeu uma revolução em França e uma refundação da Europa. Animou os governos europeístas da União Europeia. Berlim saudou-o como a oportunidade de ter finalmente o parceiro que tanto desejava: reformista, aberto e europeu. A boa e velha Europa, amarfanhada pela ascensão dos populismos e dos nacionalismos, dividida pela crise do euro e sobre o seu destino, rejubilou. Emmanuel Macron, 40 anos, intelectual brilhante, Júpiter de regresso ao Eliseu para restaurar o prestígio da França, acaba de descer à Terra. A esperança durou um ano. Não há a menor razão para regozijo. Quando Paris se incendeia, a Europa sofre um abalo profundo. Um desastre político e social em França seria, porventura, um golpe mortal.

3. O alcance europeu da crise francesa é evidente. Macron é o inimigo jurado dos movimentos e dos governos populistas, de Viktor Orbán a Matteo Salvini. Aliás, o próprio nunca enjeitou esse papel. “Macron deixou de ser meu adversário. Deixou de ser um problema meu. É um problema para os franceses”, disse Salvini. A popularidade do líder da Liga e vice-primeiro-ministro de Roma está em alta. A do Presidente francês em queda. Há um ano, a sua juventude e o seu dinamismo eram saudados por banhos de multidão na Europa. Trump é, ele próprio, a voz dos populistas, incluindo de muitos “coletes amarelos”. Disse ele: “Os contribuintes americanos [ao contrário dos franceses] não têm de pagar para limpar a poluição dos outros.” Antes tinha tweetado que o seu “amigo Macron” já tinha percebido “as razões pelas quais ele se tinha oposto ao Acordo de Paris [sobre o clima].” De Moscovo e de Ancara, suprema ironia, chegam os apelos para que a França “se abstenha de qualquer tipo de recurso excessivo à força”.

4. A revolta francesa não vem, como em 2005, dos banlieues das grandes cidades onde vivem várias gerações de imigrantes, muitos de origem magrebina. Não é a revolta dos excluídos ou dos desempregados, como diz o historiador francês Pierre Ronsavallon ao Le Monde. É a dos assalariados de salários modestos, pequenos empreendedores, artesãos e pequenos comerciantes. E de muitas mulheres. Nasce sobretudo numa “pequena classe média” branca, que se viu afectada pelas consequências sociais da globalização, que não vê a imigração com bom olhos, não por uma razão étnica ou religiosa, mas porque teme que ela a substitua nos empregos da indústria, do comércio ou de proximidade. Coincide, em boa parte, com os movimentos populistas que emergiram por quase toda a Europa. São os que ficam para trás, mesmo que vivam razoavelmente, que têm medo do futuro que já tiveram por certo e que hoje têm por incerto.

Sarkozy prometeu melhorar o nível de vida dos “franceses que trabalham”. Hollande prometeu a penalização dos ricos para uma melhor distribuição da riqueza. O imposto sobre as fortunas que decretou não enchia os cofres do Estado, mas tinha um efeito psicológico. Macron aboliu-o, justamente porque era apenas simbólico e afastava o investimento. Não basta dizer que o Presidente francês é arrogante, distante das pessoas, indiferente à realidade em que vivem. A arrogância pode alimentar momentaneamente a cólera e unificar os protestos. Mas há uma diferença: os manifestantes exigem a sua demissão. No primeiro ano de mandato, Macron fez aprovar todas as reformas que prometeu, depois de as negociar com patrões e com sindicatos. A sua ideia era libertar a economia e a sociedade francesa de espartilhos que cerceavam o crescimento e mantinham o desemprego elevado. A contestação nas ruas foi menor do que a que enfrentaram alguns dos seus antecessores quando quiseram mudar alguma coisa. Mas as percepções passaram a contar cada vez mais. De repente, o que muitos franceses viram foi um Presidente que “governa para os ricos”. As redes sociais desempenham o seu papel: dispensam a comunicação social, os partidos políticos, os sindicatos, o poder local, as organizações sociais. “Hoje é a palavra directa que se impõe como forma democrática; mas é, ao mesmo tempo, uma expressão confusa, que dificilmente se unifica e que é extraordinariamente vulnerável às teorias do complot e às fake news”, diz Rosanvallon. Um vídeo de disseminação veloz no Facebook diz que o Pacto Global para as Migrações, que a França se prepara para subscrever, visa “abolir as fronteiras para os imigrantes e promover a mistura racial em proveito de um supergoverno mundial”. “Macron prepara-se para vender a França à ONU e para aceitar a vinda de 480 milhões de imigrantes para a Europa.” Outros falam de um “governo paralelo” que ninguém vê, ou reivindicam a VI República (uma ideia de Mélenchon), uma democracia directa (como o 5 Estrelas de Di Maio). Outros ainda querem “uma mão de ferro para governar a França”. De novo Rosanvallon: “O termo ‘desigualdade’ não chega para traduzir este enorme passivo social e moral. (…) Esta revolta obriga-nos a olhar para a sociedade com um novo olhar. Precisamos de indicadores de dignidade e de desprezo, de guetização e de afastamento social, de apreensão dos medos e dos fantasmas, para apreender a realidade.” A heterogeneidade é tanto sociológica como ideológica. Há os activistas e os que os seguem. Mas há também “a câmara de eco e uma câmara de escuta”, muito mais ampla – a que permite que 70% dos franceses apoiem, em maior ou menor grau, esta revolta. O que vem a seguir ninguém sabe.

5. Entretanto, a elite europeia parece anestesiada. Em Bruxelas, os eurocratas preocupam-se com uma situação de excepção que leve Paris a não cumprir as regras do Pacto de Estabilidade. Um amigo contou-me que participou há três dias numa conferência em Bruxelas sobre a “autonomia estratégica” da Europa. O que se passa em Paris não constou de nenhuma das intervenções.