quinta-feira, 21 de junho de 2018

Europe’s center right cannot hold



Europe’s center right cannot hold

After the implosion of the moderate left, it’s the conservatives’ turn to collapse.

By           PAUL TAYLOR    6/21/18, 4:01 AM CET Updated 6/21/18, 11:41 AM CET

It can be argued that German Chancellor Angela Merkel fueled the populism now sweeping Europe | Omer Messinger/EPA

PARIS — The second wheel is starting to fall off Europe’s political wagon.

After the center left suffered a working-class revolt against globalization and austerity, the mainstream pro-European center right is being shredded by voters demanding tougher action against migration.

Battered by a growing assault from the Euroskeptic populist right, moderate conservatives from Berlin to Paris and Rome are torn between trying to outbid their tormentors with anti-immigration rhetoric or sticking to a more liberal, pro-European message.

Neither recipe assures success, and many in the conservative European People’s Party (EPP) fear a severe blow to their political group’s dominance of the EU institutions in next year’s European Parliament election.

In an “America first” world, resorting to “Germany first,” “Italy first” or “Hungary first” identity politics and demonizing migrants strikes some ambitious politicians as more promising than milquetoast appeals for closer European cooperation.

A rebellion from within Merkel’s coalition has the veteran chancellor hanging on the ropes ahead of next week’s EU summit.

U.S. President Donald Trump has poured oil on the flames from across the Atlantic, damning German Chancellor Angela Merkel’s free-trading, open-door centrism in incendiary tweets while his ambassador in Berlin has boasted that he aims to empower nationalist conservatives across Europe.

Merkel’s decision in 2015 to open the door to more than a million refugees and migrants, many of them fleeing civil war in Syria, fueled the populism that is now threatening to topple her in the twilight of her chancellorship amid widespread fear of uncontrolled borders.

A rebellion from within her coalition has the veteran chancellor hanging on the ropes ahead of next week’s EU summit, where the battle for the soul of Europe’s center right will be played out before the cameras. Expect skirmishes over migration and asylum policy as well as the future of the eurozone.

Outflanked on the right
Mainstream center-right parties elsewhere in Europe are fracturing or being outflanked by right-wing populists riding a wave of hostility to immigration and Islam, and austerity fatigue.


EPP floor leader Manfred Weber and German Chancellor Angela Merkel are among the EPP members facing the populist backlash | Peter Kneffel/AFP via Getty Images

In Italy, veteran center-right billionaire Silvio Berlusconi thought he could tame the extreme right by forging an electoral alliance with Matteo Salvini’s anti-immigrant League and the post-fascist Brothers of Italy. Instead, his Forza Italia party was outpolled, then sidelined as Salvini joined forces with the anti-establishment 5Star Movement to form a government of populists.

In Germany, Merkel’s Bavarian sister party, the Christian Social Union (CSU), fears losing its absolute majority in Bavaria in October due to the rise of the far-right, anti-immigration Alternative for Germany. German Interior Minister Horst Seehofer, the CSU’s leader, is demanding that border police refuse entry to asylum seekers registered in another EU country.

Austria’s center-right chancellor, Sebastian Kurz, who is governing in a coalition with the far-right Freedom Party, provoked a chill by calling for an “axis” of Germany, Austria and Italy to crack down on migration. He appeared not to be aware of the dark history of that term, which designated the alliance of Nazi Germany and fascist Italy in the 1930s.

In France, the leader of the conservative opposition Les Républicains, Laurent Wauquiez, has just fired his liberal deputy, Virginie Calmels, after she objected to an anti-immigration, Euroskeptical leaflet entitled “France must remain France” that he distributed without consulting the party leadership.

Dozens of historic Gaullists and center-right lawmakers have defected from Les Républicains in protest at Wauquiez’s lurch to the right, which is aimed at winning back voters lost to far-right leader Marine Le Pen’s anti-immigration National Rally (formerly National Front).

Political scientists still expect the EPP to be the largest group in the next European Parliament, but the center right is certain to lose seats.

In Spain, former Prime Minister Mariano Rajoy’s Popular Party government was toppled this month over a corruption scandal. The party is losing voters to the center-right Ciudadanos party, which is vying to displace it as the champion of Spanish nationalism in the face of a separatist challenge in Catalonia.

Orbán ascendant
One big beneficiary of this trend is Hungarian strongman Viktor Orbán, who has cowed the media, the civil service and civil society, and is gaining ground across Central Europe with his illiberal majoritarianism. Far from being expelled from the EPP for his deviation from liberal values, as Dutch Christian Democrats recently proposed, Orbán emerged from this month’s EPP congress stronger than ever.

Having struck an alliance with Seehofer’s CSU, Orbán is positioning himself as the anti-Merkel leader of a nativist “Christian Europe.” Jarosław Kaczyński’s Law and Justice (PiS) party, which is busily dismantling judicial independence in Poland after purging the military, public broadcasters and the civil service, is a soulmate in the effort.

Orbán even allowed himself the luxury, in a speech ostensibly paying tribute to the late German Chancellor Helmut Kohl, of threatening to create a rival pan-European formation of like-minded anti-immigration Christian parties, but said he prefers to stay and help a renewed EPP “find its way back to its Christian democratic roots.”

Hungarian Prime Minister Viktor Orbán (front right) is positioning himself as the anti-Merkel leader of a nativist “Christian Europe” | Vassil Donev/AFP via Getty Images

Political scientists still expect the EPP to be the largest group in the next European Parliament, but the center right is certain to lose seats and could end up neck and neck with the massed ranks of Euroskeptics, even if the populists do not form a single coherent caucus.

EPP floor leader Manfred Weber of the Bavarian CSU, who relies on Orbán’s Fidesz party to help keep his group as the largest in the EU legislature, has toyed publicly with the idea of Kaczyński’s PiS affiliating with the EPP after the election to make up the numbers. Poland’s main opposition party, the liberal center-right Civic Platform, is an EPP member, but PiS is looking for respectability and a new family in Parliament after the departure of its main allies, Britain’s Conservatives, next year.

Like Europe’s decimated socialists, the center right faces challenges from new forces in the center as well as on the radical fringes, making its positioning even harder. The more the mainstream conservatives pander to right-wing populist gut politics, the more they risk losing moderate supporters of a liberal, open society.

Those voters could be seduced by French President Emmanuel Macron’s centrist La République En Marche party, which is scouring Europe for allies to create a pro-European, pro-business, socially liberal reformist bloc capable of holding back the tide of xenophobia and nationalism.

While Europe’s conservatives run their wagon into the ground, it may be up to the Macronistas to keep centrist, European liberalism on track.

Paul Taylor, contributing editor at POLITICO, writes the Europe At Large column.

Doughnut Economics - Kate Raworth




Kate Raworth: Creating a 21st century economy
Today's economies are giving rise to the global 1% while running down the planet on which all of our lives depend.
How should we redesign our economies so that they start to meet the needs of all within the means of the planet?

We will speak with famous economist Kate Raworth about the concrete steps that should be undertaken by economists, policy makers, companies and consumers, to make our economies fit for the future.

Raworth presents ‘The Doughnut’ of social and planetary boundaries as a playfully serious compass for human prosperity in the 21st century, setting out the social foundation below which no one should fall, and the ecological ceiling that humanity should not exceed. If getting into the Doughnut is humanity's 21st century goal, then what kind of policies will it take to get there? According to Raworth, economic policymakers should drop their obsessive focus on GDP growth and instead, aim to create economies that are regenerative and distributive by design. But what will it take to make this happen and where will change begin? Join Kate in discussion on the key ways to think like a 21st century economist.

About Kate Raworth
Kate Raworth is a renegade economist, passionate about making economics fit for 21st century challenges. She is one of the world’s leading thinkers on new economics and presents an answer to one of the most pressing issues of our time. Her internationally acclaimed idea of Doughnut Economics has been widely influential amongst sustainable development thinkers, progressive businesses and political activists, and she has presented it to audiences ranging from the UN General Assembly to the Occupy movement. Her internationally best-selling book, Doughnut Economics: seven ways to think like a 21st century economist (2017) has been translated into over 10 languages.oegen



Doughnut Economics by Kate Raworth review – forget growth, think survival

Raworth seeks to change the language of economics, which is biased towards neoliberalism. Is her eco-model the answer?

Richard Toye
 Thu 8 Jun 2017 09.30 BST Last modified on Wed 29 Nov 2017 09.33 GMT

Survivors of a shipwreck find themselves on a desert island with a large quantity of tinned food – but no means to access the contents. Among them is an economist, who declares he has a solution: “First, let us assume that we have a can opener ... ”

The joke is an old one, long used to mock the unrealistic nature of many economic models. But we will introduce a new character into the story, who jumps up to explain the economist’s error. “Economics has failed,” this person declares. “What we need is a new paradigm!”

The hungry mariners might be forgiven for feeling a little dissatisfied. Although conventional economics has many well-known limitations, the unorthodox or radical alternatives are not without their drawbacks either. So Kate Raworth’s guide to rethinking the discipline is at one level entirely sensible. She is right that not everything can or should be left to the market, that the “rational actor” model of economic conduct is problematic and that we cannot rely on the processes of growth to redress inequality and solve the problem of pollution. On the other hand, she seems overoptimistic about the possibility of changing the predominant neoliberal mindset, essentially through persuasion.

We may be far from rational in our individual economic behaviours, yet – she appears to say – if only the problem is framed in the right way, the population can potentially be induced to support the sustainable and fulfilling human goals from which mainstream economics has led us so cruelly astray.

How is this to be done? Enter the doughnut – a sort of miracle diagram that is apparently going to change the world. The inner ring represents the “social foundation”, the situation in which everyone on the planet has sufficient food and social security. The outer ring represents the “ecological ceiling”, beyond which excess consumption degrades the environment beyond repair. The aim is to get humanity into the area between the rings, where everyone has enough but not too much – or, as Raworth calls it, “the doughnut’s safe and just space”.

If you are familiar with the ideas of Hyman Minsky, Daniel Kahneman, Joseph Stiglitz and Ha-Joon Chang, you will not be in for too many surprises, but if not, this book serves as a compact synthesis of modern heterodoxy. Raworth’s distinct contribution is in her emphasis on environmental themes. Too many writers, even radical ones, tend to treat “the economy” and “the environment” as separate issues, even though they admit that the one has an impact on the other. Yet, as she rightly stresses, the conventional notion of “externalities”, or economic side effects, serves to imply that problems such as pollution are not ones that economists need to make central to their concerns.

As long ago as 1972, the Limits to Growth report showed that GDP may not be able to increase forever in a world of finite resources. Raworth calls on us to “become agnostic about growth”, noting that the option of halting it and the option of trying to make it continue indefinitely both seem, in their different ways, intolerable. She highlights the dilemma without proposing a clear solution, but this is no criticism.

 What if we started economics not with established theories, but with humanity’s long-term goals and how to achieve them?
Kate Raworth
Raworth asks: “What if we started economics not with its long-established theories, but with humanity’s long-term goals, and then sought out the economic thinking that would enable us to achieve them?” But surely, we first need to work out if they are achievable. What if humankind can only survive in the long-term at subsistence levels of consumption that would seem unendurable to most of us? What if, as recent work suggests, greater equality is most likely to come about through massive destruction of capital induced by war and social breakdown, rather than through the peaceable processes of social democratic redistribution?

Ignoring the large parts of the Earth that continue under authoritarian rule, and the rise of kleptocracy elsewhere, Raworth dismisses the political problem of bringing about change with a wave of the doughnut. Yes, she admits, proposals for a fairer global tax regime look impossible now, “but so many once-unfeasible ideas – abolishing slavery, gaining the vote for women, ending apartheid, securing gay rights – turn out to be inevitable”. This seems close to assuming that a can opener will inevitably wash up on the beach.

To the extent that Raworth has a political programme it is about changing the language in which we discuss economics. Of course she is right to protest about the narrow ways in which the discipline is framed; of course it is true that the media predominantly casts the issues in ways that play to a neoliberal agenda; and of course rightwing politicians often skew arguments by labelling tax cuts as “tax reform”. But although language is important, there is a risk that overstating its power might lead us to neglect certain fundamental economic interests and desires. “Change one word and you can subtly but deeply change attitudes and behaviour,” Raworth tells us. Perhaps, but is that new word “doughnut”? There just might be a hole in the argument.

• Doughnut Economics by Kate Raworth (Random House Business Books, £20). To order a copy for £17, go to bookshop.theguardian.com or call 0330 333 6846. Free UK p&p over £10, online orders only. Phone orders min. p&p of £1.99.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Eurodeputados avançam com directiva para criar filtros online


OVOODOCORVO dedicou hoje já muita atenção a esta importantíssima questão que pode alterar profundamente a liberdade de utilização , de opinião , a criatividade e espontâneadade da partilha na Internet, e constituir um atentado aos direitos fundamentais e à liberdade de expressão dos cidadãos Europeus
“Há dezenas de investigadores europeus e associações de defesa digitais preocupados com essa possibilidade, com campanhas a pedir para “salvar a Internet” a circular nas redes sociais. Entre os maiores problemas apontados está o artigo 13, que propõe que os prestadores de serviços online utilizem “tecnologias efectivas de reconhecimento” para barrar conteúdo pirateado. Funcionam com base em mecanismos que detectam porções de um ficheiro de áudio, texto, ou vídeo que estão protegidos por direitos de autor.”

Eurodeputados avançam com directiva para criar filtros online

Proposta tem suscitado críticas por parte de alguns parlamentares, de académicos e de associações de direitos dos consumidores.

KARLA PEQUENINO 20 de Junho de 2018, 16:00

Os eurodeputados deram nesta quarta-feira um passo importante para mudar as regras dos direitos de autor na era da Internet, ao aprovar uma controversa proposta de alteração à directiva sobre direitos digitais. Se entrar em vigor, poderá vir a criar filtros para impedir a publicação de conteúdos protegidos em plataformas como o YouTube, o Facebook, o Tinder e muitas outras.

A missão é acabar com a pirataria online na União Europeia e proteger os direitos das pessoas cujo trabalho circula na Internet sem autorização, mas alguns artigos da directiva actualizada levantam preocupações sobre a liberdade de expressão, criatividade e a liberdade de publicar informação online.

"Esta votação assinala o primeiro passo dos procedimentos parlamentares para adoptar leis de direitos de autor adequadas a ir ao encontro dos desafios da Internet. As últimas leis sobre direitos de autor na sociedade de informação já têm 17 anos e a Internet mudou muito", afirmou o relator da proposta de revisão das regras, Axel Voss. "Editores de notícias e artistas, especialmente os mais pequenos, não estão a ser pagos o suficiente devido a práticas poderosas no mundo online por parte de plataformas de partilha de conteúdo e agregadores de notícias. Isto está errado, e a nossa visão é corrigir isso."

O Comité dos Assuntos Legais do Parlamento Europeu aprovou – com 14 votos a favor, nove contra e duas abstenções – a proposta para novas regras, que começarão a ser negociadas entre o Conselho Europeu, o Parlamento e a Comissão Europeia. O Governo português apoia as mudanças e o único eurodeputado naquele comité, António Marinho e Pinto, votou a favor. O objectivo é que o processo de adopção formal esteja concluído em 2021.

Há dezenas de investigadores europeus e associações de defesa digitais preocupados com essa possibilidade, com campanhas a pedir para “salvar a Internet” a circular nas redes sociais. Entre os maiores problemas apontados está o artigo 13, que propõe que os prestadores de serviços online utilizem “tecnologias efectivas de reconhecimento” para barrar conteúdo pirateado. Funcionam com base em mecanismos que detectam porções de um ficheiro de áudio, texto, ou vídeo que estão protegidos por direitos de autor.

“Não é assim tão simples. Se isto vai para a frente, vai ser difícil distinguir correctamente todo o conteúdo que chega às plataformas. Há casos em que se usa conteúdo baseado no de outro autor sem o infringir”, explica ao PÚBLICO a investigadora Ana Ramalho, que lecciona sobre propriedade intelectual na universidade de Maastricht, na Holanda. É uma das académicas a assinar cartas abertas enviadas ao Parlamento contra alguns pontos da directiva. “A paródia ou crítica social, o uso privado, e a autorização do uso por pessoas com deficiências são usos legítimos. Não conheço um filtro capaz de detectar correctamente todas estas subtilezas.”

A tecnologia para filtrar vídeos, fotografias e textos requer também um grande investimento de tempo e dinheiro para desenvolver, o que daria vantagem a empresas que já usam esta tecnologia, como o YouTube e o Facebook, referem os críticos da proposta. “O problema do artigo 13 é querer ser uma solução universal. A definição de plataformas inclui imensos tipos de sites e nem todos têm sistemas de filtros ou dinheiro para os criar”, diz Ramalho.

Os vídeos carregados para sites que já têm filtros, como o YouTube, são automaticamente comparados com uma extensa base de dados de ficheiros enviados por proprietários de conteúdo para garantir que não há conteúdo protegido por direitos de autor a circular sem autorização no site. Para já, a decisão de eliminar este conteúdo não é automática e cabe aos detentores de direitos de autor (por exemplo, um estúdio de cinema ou uma editora de música).

Em Abril, várias associações de defesas dos direitos digitais em Portugal – como a associação portuguesa D3 (Defesa dos Direitos Digitais) e o departamento português da Internet Society – também escreveram uma carta aberta a Marinho e Pinto, notando que a mudança é uma “restrição desproporcional” à liberdade de expressão, ao “submeter todos os conteúdos enviados pelos utilizadores a uma monitorização prévia”.

"Taxa do link"
Outra parte da directiva que tem recebido muita atenção negativa são as novas protecções das publicações de imprensa, descrita pelos opositores como “taxa do link”.

“Permitirá às publicações de imprensa impedir a partilha de excertos de notícias ou obrigar as plataformas a negociarem uma licença para essa partilha ser permitida”, lê-se na carta aberta das associações portuguesas. “A partilha dos chamados snippets (conjunto de título, excerto da notícia e/ou nome da publicação) terá sempre de ser objecto de uma licença para ser permitida”.

Com isto, quer-se impedir que sites agregadores de notícias (como o Google News) lucrem à custa dos sites de notícias online. “O novo direito responde a uma falha substancial no mercado”, defende Thomas Höppner, professor em propriedade intelectual na universidade de Wildau, na Alemanha, na introdução de um estudo sobre a directiva para o Parlamento Europeu. “As notícias online podem ser copiadas e distribuídas globalmente em várias plataformas num piscar de olhos. Há agregadores de notícias que reúnem, combinam e recolhem notícias automaticamente", acrescenta Höppner que diz que os "efeitos desta exploração são negativas para as publicações online".

Medidas com propostas semelhantes à da directiva já foram postas em vigor em alguns países europeus, sem sucesso. Na Espanha, onde as publicações não podiam abdicar do direito de cobrar uma taxa pela utilização de partes dos seusa artigos, o Google News fechou operações quase imediatamente. A empresa disse que a sua plataforma é um serviço gratuito e, portanto, obrigar ao pagamento de uma taxa para os sites de notícias não era uma prática sustentável (o Google News não tem anúncios, embora as notícias também apareçam no motor de busca, que é rentabilizado com publicidade). Um ano depois da medida entrar em vigor, um estudo encomendado pelos editores de media espanhóis mostra que foram os sites de notícias a sair prejudicados, com uma queda de 6% no tráfego.

Na Alemanha, como o tráfego dos sites de notícias caiu a pique quando o Google News deixou de publicar excertos das notícias, as plataformas alemãs negociaram uma licença gratuita com o gigante norte-americano dando-lhe vantagem face a outros agregadores. Para a associação portuguesa D3, o exemplo mostra como as novas leis europeias podem “reforçar a posição monopolista” de grandes empresas.

A investigadora Ana Ramalho acrescenta que não faz sequer sentido o excerto de uma notícia estar protegido pelo direito de autor. “Não se pode ter direito sobre as primeiras duas frases de uma notícia, ou o título. Dizer que ‘O Cristiano Ronaldo marcou o primeiro golo” não é uma criação literária. É um facto”, diz Ramalho. “Esta é só a minha interpretação da directiva. O facto de ser vaga é outro problema. É o resultado de vários compromissos políticos, mas leva a que cada Estado possa interpretá-la consoante a sua própria cultura jurídica.”

Contrariamente ao novo Regulamento para a Protecção de Dados que tem de ser aplicado na íntegra em todos os países da União Europeia, uma directiva define um objectivo que todos os Estados-membros devem atingir. “Dificulta a circulação de informação entre países porque não temos um direito de autor europeu”, diz Ana Ramalho. “Isto obriga cada país a introduzir um novo direito nacional, mas tem de ser adaptado às leis vigentes por isso não estamos a introduzir um só direito, estamos a introduzir 28”.

Ainda há um longo caminho a percorrer até a directiva ser oficialmente aprovada. Os próximos passos são a negociação de um mandato para definir um acordo final entre o Parlamento Europeu, o Conselho, e a Comissão Europeia.

 “Ainda podemos mudar a história”, frisa Julia Reda, eurodeputada eleita pelo Partido Pirata Alemão, numa publicação do Twitter. Nos últimos anos, Reda, cujo programa assenta em questões relacionadas com a sociedade da informação, tem feito campanha contra a directiva comparando-a com uma “máquina de censura”.

A decisão para começar as negociações será anunciada no começo da sessão plenária do Parlamento Europeu no dia 2 de Julho. Nesta altura, os eurodeputados podem ainda contestar a decisão e exigir que a directiva seja discutida e aprovada no Parlamento.

Morador do Porto usava habitação camarária como alojamento local



Morador do Porto usava habitação camarária como alojamento local

Casa está situada no centro histórico. Este ano a Câmara do Porto já despejou 33 famílias.

 Patrícia Carvalho
PATRÍCIA CARVALHO 19 de Junho de 2018, 18:40

 Dos 33 despejos, um referia-se à utilização da habitação camarária para alojamento localFoto

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, afirmou, esta segunda-feira à noite, que dos 33 despejos concretizados pela autarquia este ano, um deles se referia a um caso de “subarrendamento”, em que o morador estava a utilizar a habitação camarária no centro histórico como unidade de alojamento local. O autarca falava durante a sessão extraordinária da assembleia municipal, convocada pelo Bloco de Esquerda para discutir “Políticas autárquicas de resposta à cessação de arrendamento e aos despejos nas freguesias do centro histórico e noutras freguesias da cidade”.

Embora o tema em discussão fosse directamente relacionado com o arrendamento privado, Moreira aproveitou para apresentar números dos despejos que a câmara tem efectuado nas casas de habitação social da cidade. Nos últimos cinco anos, aquele que teve mais processos instruídos foi o de 2016, em que 571 famílias estiveram em risco de ir para a rua. Contudo, nesse ano, apenas 41 despejos foram, de facto concretizados, disse o autarca. Aliás, em todos os anos referidos pelo independente, o número de despejos reais foi sempre muito inferior ao dos processos abertos. Em 2014, de 154 processos, apenas 41 foram executados, em 2015, a proporção foi de 169 para 60 e em 2017 de 194 para 34.

Este ano, a câmara já instruiu 24 processos, mas despejou 33 famílias – um número superior aos dos casos abertos, porque há alguns que transitam do ano anterior. Só em relação a 2018 é que Rui Moreira especificou as causas para estes despejos, pertencendo as maiores fatias a pessoas que não utilizavam a habitação (13 casos) ou que tinham débitos de renda superiores a seis meses – mais 13 casos que, segundo Moreira, cumulativamente não ocupavam a habitação. Dos sete casos sobrantes, um era referente à tal situação de utilização da casa para alojamento local, os outros seis correspondiam a casos de “utilização contrária à lei”.

É aqui que se encaixam os casos de pessoas despejadas por existirem sentenças transitadas em julgado, referentes ao tráfico de droga. Uma decisão polémica – como o próprio Rui Moreira admitiu na sessão de segunda-feira à noite –, mas de que o executivo não vai abdicar. “Vamos continuar a política que seguimos até agora”, garantiu o autarca.

Câmara de Lisboa não sabe quantas das suas casas estão ocupadas ilegalmente



Câmara de Lisboa não sabe quantas das suas casas estão ocupadas ilegalmente

Sofia Cristino
Texto
20 Junho, 2018

O número de famílias a viver ilegalmente em casas municipais em Lisboa é desconhecido e até a câmara não sabe ao certo quantas das suas habitações estão ocupadas de forma abusiva. Por isso, a autarquia está a fazer um levantamento da situação e conta apresentar em breve os resultados, confirmou a O Corvo uma fonte do gabinete da vereadora da Habitação, Paula Marques. A informação foi avançada no mesmo dia, terça-feira (19 de Junho), em que a vereadora do CDS-PP Assunção Cristas foi ao Bairro da Cruz Vermelha, no Lumiar, e ali denunciou o que considera serem as “inúmeras falhas nas políticas de habitação” por parte da câmara liderada por Fernando Medina (PS). No bairro onde, há duas semanas, foram despejadas diversas famílias que haviam tomado ilegalmente fogos municipais, Cristas pediu que a CML acelere a entrega de casas às pessoas que mais necessitam, evitando-se que se vejam forçados ocupá-las. E deu o exemplo de “mães com crianças, em desespero por não haver atribuição de casas”.

Também o Partido Ecologista Os Verdes (PEV) exige ter conhecimento de quantos fogos propriedade do município estão em reabilitação temporária e prontos para entrega imediata – tendo, ara tal, entregue um requerimento à Assembleia Municipal de Lisboa, na semana passada, com um conjunto de matéria sobre esta matéria dirigidas à Câmara de Lisboa. Contactado por O Corvo, um assessor de comunicação do pelouro da Habitação diz que ainda se está a fazer o levantamento destes dados e que a autarquia tem atribuído, em média, uma casa por dia, com um “claro aumento do ritmo de entrega de fogos”, avançando a mesma fonte que, até ao final do ano, está prevista a entrega de mais 320 casas. Não avança, contudo, quantas habitações se encontram ocupadas em situação abusiva.
A mesma fonte avança ainda que o levantamento do património municipal está a ser feito e que “todas as habitações localizadas em bairros geridos pela empresa municipal Gebalis já estão em empreitada ou em obra”. O método de realojamento dos habitantes do Bairro da Cruz Vermelha está a ser negociado com as famílias num “processo que requer sempre algum tempo”, diz a mesma fonte, esclarecendo que e a CML está à espera de um visto do Tribunal de Contas para avançar com a construção das novas casas, onde os residentes da Cruz Vermelha serão realojados, numa área ali próxima. Quando as novas casas começarem a ser construídas, estes moradores passarão a viver temporariamente, e até ao fim da empreitada, em habitação municipais devolutas da Alta de Lisboa – depois de as mesmas serem identificadas e reabilitadas. Quanto aos restantes bairros sociais de Lisboa, a autarquia não avança, para já, mais informações.

Com o intensificar da crise habitacional, nos últimos anos, têm-se multiplicado os relatos do recurso à ocupação de casas há muito desocupadas em bairros sociais geridos pela autarquia. Normalmente, estas famílias são numerosas e com poucas capacidades económicas, aguardando, durante vários anos, que lhes seja atribuída uma habitação municipal. Na manhã de terça-feira, 19 de Junho, no Bairro da Cruz Vermelha, Cristas ouviu as queixas de alguns destes moradores, que lhe diziam que só na Alta de Lisboa existem pelo menos 286 destas casas fechadas – algumas das quais, notou Cristas, já ocupadas por “mães com crianças em desespero por não haver atribuição de casas”. Apesar de ainda não existirem dados concretos, a vereadora centrista alertava para a sobrelotação dos fogos municipais e para a ocupação à margem da lei, exigindo, por isso, à CML a tomada de medidas imediatas.

A Câmara de Lisboa está a fazer o levantamento das condições de ocupação do seu parque habitacional
Um problema também salientado por outras forças políticas. Na semana passada, a 14 de Junho, o Partido Ecologista Os Verdes (PEV) entregou um requerimento à Assembleia Municipal de Lisboa (AML), no qual também alertava para a gravidade desta situação. E exigia à câmara respostas concretas. “Os casos de fogos sobrelotados ou a sucessão de ocupações seguidas de despejos têm aumentado, o que comprova o desespero social de famílias para evitarem viver nas ruas”, diz o PEV no documento enviado à AML. Os Verdes querem saber quantos fogos se encontravam devolutos à data de Dezembro de 2017 e, destes, quantas casas se encontram entaipadas, em reabilitação temporária e prontas para entrega imediata até ao final de 2018.

O PEV questiona também que alternativas existem para quem não consegue proceder ao preenchimento de formulários electrónicos das candidaturas a casas municipais. Isto porque, argumentam, permanecerão encerradas casas e lojas de bairros municipais. Por tudo isto, o partido ecologista quer saber como tenciona o município agilizar o acesso à habitação a custos “verdadeiramente acessíveis, a famílias com muito baixos rendimentos e, por vezes, com vencimentos inferiores ao ordenado mínimo nacional”. “Tenciona ou não a CML proceder à revisão do Regulamento do Regime de Acesso à Habitação Municipal, adaptando-o ao aumento demográfico da cidade e do consequente acréscimo de habitação municipal? Se sim, para quando?”, perguntam.

Enquanto estes números estão a ser aferidos, todas as semanas, nas sessões da Assembleia Municipal de Lisboa, continua-se a assistir a repetidas intervenções de moradores em risco de despejo ou em situações vulneráveis. Na sessão desta terça-feira, dia 19 de Junho, o deputado municipal do Bloco de Esquerda, Rui Costa, lembrava que as políticas de habitação são o actual “drama de Lisboa” e dizia mesmo, em tom irónico, que talvez “não haja meios para o resolver”, acusando a CML de não disponibilizar todos os meios financeiros que tem disponíveis para acelerar a resolução das carências habitacionais. O deputado do PEV Sobreda Antunes questionava a CML, se já há “as estatísticas dos munícipes que estão sobre ameaça de despejo”. E dizia que, quando há vontade política, os problemas resolvem-se, recordando o caso da Rua dos Lagares, onde moradores em risco de despejo viram os seus contractos renovados.

Article 11 is a terrible copyright reform proposal that will fundamentally change how the internet works.




Imagens do Dia / OVOODOCORVO
Enquanto a maior parte dos Europeus anda a dormir a UE vai votar uma nova legislação de taxas que pode alterar profundamente a liberdade de utilização , de opinião , a criatividade e espontâneadade da partilha e constituir um atentado aos direitos fundamentais e à liberdade de expressão dos cidadãos Europeus …
OVOODOCORVO  

Article 11 is a terrible copyright reform proposal that will fundamentally change how the internet works.


Cory Doctorow
Jun 18 2018, 5:06pm

Cory Doctorow is a science fiction author, activist, journalist, and blogger. He's the co-editor of Boing Boing. He works for the Electronic Frontier Foundation, is a MIT Media Lab Research Affiliate, is a Visiting Professor of Computer Science at Open University and co-founded the UK Open Rights Group.

On Wednesday, a European Union committee will vote on Article 11, a proposal to create a new copyright over links to news stories. If the proposal is adopted, a service that publishes a link to a story on a news website with a headline or a short snippet would have to get a license before linking. News sites could charge whatever they want for these licenses, and shut down critics by refusing to license to people with whom they disagreed. And the new rule would apply to any service where a link to a news story can appear, including social media platforms, search engines, blogging platforms, and even nonprofits like Wikipedia.
The news sites say that this rule will allow them to extract money from a handful of giant, mostly American internet companies like Google, Twitter, and Facebook. Links on those services don't violate existing copyright laws because links, headlines and short snippets are either not copyrightable, or are exempted from copyright under fair dealing. News sites believe they should be getting a share of any profits related to those links, and this is how they propose to do it.

However you feel about the battles between these giant media companies and giant tech companies, you should be worried about this new link tax. For one thing, ironically enough it will help ensure that the tech giants of today can continue to rule the internet. Facebook and Google and Twitter will figure out how to deal with the link tax. Maybe they’ll share some of their profits with the big media companies, or maybe they’ll boycott the media companies until they agree to a “free license” (this is what happened when Germany tried this a few years ago.) Either way, they can afford to manage the cost.

But if you are hoping that someday there will be alternatives to these giants—European alternatives, say, that are responsive to the needs of European citizens, or just platforms that offer something different, maybe no surveillance of their users, or different rules on cyberbullying and harassment—then the link tax dashes your hopes.

The cost of complying with the link tax will make starting a competitor to one of those platforms effectively impossible. For one thing, the EU is planning on leaving the details of the link tax up to each of its 28 member states, with no limits on how restrictive these rules can be. Under Article 11, members could create link taxes that required a license for quoting even very short snippets from an article. Even if some states create more sensible rules, it won't matter, because the only way to stay out of trouble is to comply with all 28 versions of the rule, so the most restrictive rule will be the one to which everyone defaults.

Another problem: it could crush scholarly and encyclopedic projects like Wikipedia that only publish material that can be freely shared. Even if the publishers give open access scholars and Wikipedia free licenses to link to them, those licenses likely won’t be compatible with open access rules.

Worse, this tax could inhibit important political discussions. Links are facts: "There is an article at this address, with this title." They are the facts that tell you what is going on in our public discourse, who is saying what. If you think your government is lying, or if you think the government's critics are lying, or if you think a story is a hoax or disinformation, links are the best way to talk about it with your neighbours.

As usual, the European Parliament is mostly hearing from giant media companies and giant tech companies on this—but they're not hearing from Europeans, the people whose communications are at stake. Neither Big Tech nor Big Content are good proxies for the public interest—both answer to their shareholders, not to democratic discourse.

Processo contra autarca de Carnide termina com acordo



Processo contra autarca de Carnide termina com acordo



O processo era "político", acusa Fabio Sousa, que exige à câmara que cumpra os projectos do Orçamento Participativo que a freguesia ganhou.

 João Pedro Pincha
JOÃO PEDRO PINCHA 19 de Junho de 2018, 22:20

Terminou com um acordo o processo em que o presidente da Junta de Freguesia de Carnide era acusado de dano qualificado por causa dos parquímetros que foram arrancados nas ruas da freguesia no ano passado. No debate de instrução, que esta terça-feira decorreu, chegou-se à conclusão que não havia indícios suficientes para levar o caso a julgamento. Assim, Fábio Sousa vai pagar uma indemnização à Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), dona dos parquímetros, e fazer uma doação a uma instituição.

“O processo era ridículo”, comenta o presidente da junta, o único em Lisboa eleito pela CDU. Esse facto, acredita o autarca, é relevante. Tratou-se de “um processo eminentemente político com nada de criminal”, diz Fábio Sousa. “Como é que se pode fazer uma acusação de dano qualificado quando aquilo que se refere são prejuízos de mil e tal euros?”

Durante o inquérito, tal como o PÚBLICO noticiou na segunda-feira, a EMEL alegou que tinha tido um prejuízo de 1144,83 euros, resultante do que gastou a mandar recolocar os parquímetros e da perda de receita de um dia de estacionamento. Além de querer ser ressarcida desse valor, a empresa municipal queria também a condenação do autarca por diversos crimes. A solução inicialmente proposta pelo Ministério Público, a suspensão provisória do processo, acabou por vingar no debate instrutório.

“Não podemos ocupar a nossa Justiça com processos desta natureza. Tivemos procuradores, agentes da PSP, um tribunal, agentes da Polícia Municipal envolvidos nisto. É completamente ridículo”, continua Fábio Sousa, que ao fim de um ano continua a achar que a população teve razão ao agir contra a entrada da EMEL no centro histórico. “Esta comunidade ganhou o Orçamento Participativo (OP) em 2014 e não pode estar em 2018 sem ver absolutamente nada concretizado. Não é justo que mostrem a sua revolta?”

O autarca refere-se a projectos que venceram o OP em 2014 e 2015, que previam a criação de um parque de estacionamento de 200 lugares na freguesia e a requalificação de algumas ruas. “A câmara tem de implementar os projectos ou desiste da participação cidadã. Parece que aquela população está a ser castigada. Criar compromissos com as pessoas e não se cumprirem não pode continuar a acontecer”, diz Fábio Sousa.

Recentemente, Fernando Medina disse que os projectos estão a ser elaborados e que o atraso se deveu, em parte, à integração em projectos maiores da câmara.