sábado, 30 de novembro de 2013

Is Britain sleepwalking towards a European exit?Shock four-country poll reveals widening gulf between Britain and EUPoll of France Germany, Poland and the UK shows British hostile to EU, and other nations hostile to Britain.

Por outras palavras: E se o "início do fim" fosse marcado não pela queda da Grécia ... mas pela saída voluntária do Reino Unido ?
Ukip Leader Nigel Farage poses inside a Ukip-branded cab. Photograph: London News Pictures/REX
 "All three mainstream parties are terrified of Ukip, and aware of the state of public opinion. Next September's referendum on whether the people of Scotland want to stay in the United Kingdom will further test the depth of separatist tendencies. Then will come a general election campaign in which the main parties, again, will have one eye on Nigel Farage's party when drawing up their manifestos. Pro-EU campaign statements will be in short supply."
Is Britain sleepwalking towards a European exit?
An Observer poll conducted in four countries reveals the widening gulf between Britain and the rest of the EU. And on both sides of the Channel, attitudes seem to be hardening
Toby Helm, political editor

Slowly but surely, Britain is detaching itself from the European project, slipping into an EU membership category of its own, one marked "outlier nation". That, at least, was the impression left by statements emanating from a European Union summit in the Lithuanian capital, Vilnius, on Friday, where the UK's reputation as the club's most awkward and unhappy member was underlined yet again.

It is also the clear lesson from a landmark four-nation poll of attitudes to Europe carried out by Opinium in the UK, Germany, France and Poland and published by the Observer.

The survey shows not only that British people regard the EU much more negatively than do citizens of other countries, but also that the citizens of other EU nations think Britain brings few benefits to the union. As a result, more people on the continent seem happy to see us leave than seem keen for us stay. That, in itself, should worry pro-Europeans profoundly.

Exchanges at the Vilnius summit gave glimpses of the current state of relations between Britain and its partners. The so-called Visegrád Four – Poland, the Czech Republic, Slovakia and Hungary – posed as the true Europeans as they tore into David Cameron in a statement, reacting to his calls for tougher rules to prevent mass migration within the EU.

The four insisted that eastern Europeans, rather than being a drain on the UK economy and scrounging from the British benefits system, were in fact harder workers and more productive than many Britons. "They are younger and economically more active than the average British workforce; they also contribute to UK national revenues far in excess of the social benefits they use," they said. They also accused Cameron of adopting a selective approach to core EU principles, such as freedom of movement across borders.

Separately, Romania's prime minister, Victor Ponta, reacted to Cameron's pledge of tough new welfare rules for EU migrants, including those expected to arrive in Britain from his country from 1 January, by saying: "We will not accept being treated as second-rate citizens." Britain has always been involved in rows in Europe, but now such talk is more commonplace. Earlier this year, France's foreign minister, Laurent Fabius, adopted a lofty Gallic tone towards Cameron and Britain. "You can't do Europe à la carte," he said. "I'll take an example which our British friends will understand: let's imagine Europe is a football club and you join, but once you're in it you can't say 'let's play rugby'."

Fabius spoke out after the prime minister pledged that if the Tories won a majority in 2015, he would seek to re-define the terms of UK membership and then hold an in/out referendum in which the people would be asked to approve or reject membership on the new terms, by the end of 2017.

For France and Germany, whatever their differences over the future of the EU – and there have always been many – the political consensus about Europe has held firm between them for well over 60 years. From the founding fathers, who formed the European Coal and Steel Community in 1951, insisting that the pooling of resources would "make war not only unthinkable but materially impossible", to the former German chancellor Helmut Kohl, who described the EU as "a matter of war and peace in the 21st century", to Angela Merkel today, European integration has remained not just an economic cause for the mutual benefit of neighbour nations, but an underlying moral imperative. New members in eastern Europe such as Poland have their concerns, but are broadly very content to be inside.

With the UK it is different. We have always been suspicious but now we seem borderline hostile, and the feeling is mutual. The survey of more than 2,000 people in the UK and over 1,000 in each of Germany, France and Poland, shows a clear parting of the ways. Just 26% of Britons think the EU is, overall, a "good thing" compared with 62% of Poles, 55% of Germans and 36% of French.

Accompanying this anti-EU feeling is an ingrained cultural resistance to the European ideal and the very idea of being European. Just 14% of UK people polled say they regard themselves as European, compared with 48% of Poles, 39% of Germans and 34% of French. Whereas most people in Germany, France and Poland name a fellow European country as their closest ally, the British name fellow English-speaking nations: 33% named the US, 31% Australia and 23% Canada.

Equally striking, in the context of Cameron's attempts to negotiate a new deal for the UK, attitudes to British membership are pretty negative among our partners, who will have to sign off on any future special terms of membership we may want to agree. When asked whether the UK is a positive force in the EU, just 9% of Germans, 15% of French and 33% of Poles say it is. Opposition to giving the UK special membership terms is strongest in Germany, where 44% are against and 16% in favour, with 26% of the French in favour and 36% against. In Poland there is more support, with 38% in favour and 23% against.

Even the prospect of the UK leaving the EU – an outcome that would destabilise the community profoundly – does not seem to worry most German or French people too much. Ever-closer union can live on without the UK. Just 24% of French respondents say a British exit would have a negative effect on the EU, compared with 36% of Germans. Poles were more concerned, with 51% saying the effect would be negative.

The picture is not one of uniform enthusiasm for the EU in the other three countries, and blanket hostility towards the EU in the UK. The polling shows very high levels of concern about the EU's effect on immigration among French and German citizens, as well as among the British: 64% of British people say they regard the EU as having a negative impact on immigration, with 59% of French people and 42% of Germans saying the same. Only 20% of Poles regard the effect on immigration as negative.

And when it comes to the ability to travel easily to other EU nations, even the British are strongly in favour, with 56% saying it is positive and 6% taking a negative view.

On the EU's role in environmental policy, opinion in the UK is quite evenly split, with 34% viewing it positively and 30% saying it is negative. On foreign policy, 22% of Britons are in favour of what the EU does, while 35% are negative.

The gulf between British and German views about Europe's role is demonstrated, perhaps most starkly of all, by the findings on foreign policy: 49% of Germans regard the EU's involvement in foreign affairs as a good thing, against just 10% who are against.

As the UK prepares to admit Romanians and Bulgarians to work and live here from January 1, before European elections next May in which the anti-EU Ukip party is expected to perform strongly, it is difficult to see how the pro-European argument will be able, easily, to break through in the months to come. All three mainstream parties are terrified of Ukip, and aware of the state of public opinion. Next September's referendum on whether the people of Scotland want to stay in the United Kingdom will further test the depth of separatist tendencies. Then will come a general election campaign in which the main parties, again, will have one eye on Nigel Farage's party when drawing up their manifestos. Pro-EU campaign statements will be in short supply.

Last week, the former Tory prime minister Sir John Major said it would be a "truly dreadful outcome for everyone" if Britain were ever to leave the EU.

With opinion as it is, here and in other EU countries, it is also an outcome that now seems entirely possible.

"At the same time, the total numbers of people in Germany and France who support giving Britain a special deal on membership to satisfy British opinion are heavily outnumbered by those who oppose doing so, which suggests that David Cameron may struggle to achieve his hoped-for tailor-made arrangement for the UK."

Shock four-country poll reveals widening gulf between Britain and EUPoll of France
Germany, Poland and the UK shows British hostile to EU, and other nations hostile to Britain
Toby Helm, political editor

A powerful cross-party alliance including former Tory foreign secretary Malcolm Rifkind and deputy prime minister Nick Clegg is calling for an urgent fightback against spiralling anti-European sentiment as a new four-nation poll suggests the UK could be heading out of the EU.

The landmark survey of more than 5,000 voters in the UK, Germany, France and Poland finds British people far more hostile to the EU and its policies than those in the other EU states, and strikingly low support for British membership among people on the continent.

At the same time, the total numbers of people in Germany and France who support giving Britain a special deal on membership to satisfy British opinion are heavily outnumbered by those who oppose doing so, which suggests that David Cameron may struggle to achieve his hoped-for tailor-made arrangement for the UK.

Testing cultural opinions, the poll finds very few British people choose to describe themselves as European. In other EU nations, enthusiasm for the concept of Europeanism is far higher.

Opinium found that just 26% of British voters regard the EU as, overall, a "good thing" compared with 42% who say it is a "bad thing". In Poland 62% say it is a good thing and 13% bad; in Germany 55% good and 17% bad, and in France 36% good and 34% bad.

When asked about the UK's contribution to the EU, there is little enthusiasm among our partners, and little to suggest they will go out of their way to keep us in. Just 9% of Germans and 15% of French people think the UK is a positive influence on the EU, with more Poles, 33%, taking that view.

Only 16% of Germans and 26% of French people back the idea of a special deal being struck for the UK. Cameron has said he intends to renegotiate the UK terms of entry and hold an in/out referendum if he wins a majority at the next election, offering the new arrangement to the British people in a referendum.

The idea of Britain leaving the EU does not appear to worry our European partners unduly. Just 24% of French voters said a UK exit would have a negative effect, compared with 36% of Germans and 51% of Poles.

Rifkind said: "There needs to be a serious debate about the real benefits of – as well as the real problems about – British membership of the EU. Without it we could do serious damage to Britain's interests."

Clegg said next year's European elections represented a key test and attacked those intent on taking Britain out of the EU. He said: "Everybody knows the EU needs reform. But simply carping from the sidelines and flirting with exit undermines British leadership in the EU, fails to deliver reform and leaves Britain increasingly isolated. The debate about Europe is no longer about who is for or against reform – everybody agrees on that – it is between those who believe we can lead in the EU and those who want to head for the exit.

"That's why next year's elections will be so important: the Liberal Democrats will be the leading party of 'in'. It's time we challenged Ukip and large swaths of the Conservative party who want to betray Britain's vital national interest by pulling us out of the world's largest borderless single market, on which millions of jobs depend."

Labour MP and former Europe minister Peter Hain urged pro-Europeans to stand up and fight: "This is a wake-up call for British pro-Europeans that Britain – especially if the Tories win the next election – is heading for an exit from the EU which would be an utter disaster for British jobs, prosperity and influence in the world. But it is equally a wake-up call for the Brussels Bubble, which is totally out of touch with Europe's citizens."

The poll shows concern about immigration to be almost as high in France as in the UK. In Britain, 64% of voters think the EU's immigration policies have a negative effect; 59% say the same in France.

It also reveals that more UK voters feel an affinity with the US than with their European neighbours, whereas our EU partners tend to choose other EU nations. When asked who they would generally support on occasions when there was a disagreement between the US and EU countries, 37% of UK respondent said they would tend to support America; just 10% would generally side with Europe.

British people are not negative about everything the EU does: 54% think free movement rules are good for tourism against 6% who think the reverse. There is also strong endorsement for free-trade benefits. Nearly half of those polled say the absence of customs controls and tariffs on goods and services is an advantage. Only 10% see free trade as a disadvantage.

Ukip leader Nigel Farage said: "This is a fascinating and comprehensive study into the relative relationships between countries within and about the EU. We, on these islands feel, due to our history as a globally trading nation, much more at home with our cousins in the Anglosphere than we do with our friends on the continent."

Britain in Europe: Edging towards the exit

A social-democracia do medo.

"A clivagem aqui não é ideológica, é geográfica e cultural – atravessa a Europa a meio. É, portanto, bastante mais perigosa."

A social-democracia do medo

António Costa dizia na última Quadratura do Círculo que as coisas só mudariam quando, em França, a Frente Nacional de Marine Le Pen ganhasse as eleições europeias, no próximo mês de Maio. Toda a gente levaria um grande susto. Levaria?
 Quem, na década de 80, não andou com o livro de Pierre Rosanvallon sobre “a crise do Estado-providência” (1981) debaixo do braço?
Nessa altura, a questão da reforma inevitável do Estado de bem-estar europeu não se ecolocava ainda nos termos em que hoje a colocamos. A globalização ainda não tinha feito o seu caminho, a Guerra Fria ainda não tinha acabado e a revolução das novas tecnologias ainda não reduzia a distância ao tempo de um clique. Os “trinta gloriosos” que se seguiram ao pós-guerra tinham chegado ao fim, na sequência dos dois choques petrolíferos do início e do fim da década de 70. O crescimento desacelerava. As democracias europeias começavam a perceber que o modelo social que criaram depois da guerra teria, mais tarde ou mais cedo, de ser reformado. Nessa altura, não tanto por causa da sustentabilidade, mas pela necessidade de rever alguns excessos que tinham levado as pessoas a uma atitude passiva perante a responsabilidade sobre as suas próprias vidas.
Foi Bill Clinton quem deu o pontapé de saída para esta transformação com o programa dos “Novos Democratas”, que tirava as conclusões certas da revolução liberal de Reagan e de Thatcher. A ideia resumia-se numa frase: “From the welfare to the workfare.” Era preciso “libertar” as pessoas da armadilha dos subsídios, levando-as a assumir mais responsabilidades e criando incentivos para que entrassem no mercado de trabalho. A “terceira via” de Blair, hoje tão desprezada, foi a continuação deste movimento, que depois se alargou ao continente europeu, incluindo a Alemanha ou Portugal. A ideia era que os países europeus se tinham de adaptar ao desafio da globalização económica, tornando as suas economias mais amigas dos mercados e mais ágeis na adaptação às novas circunstâncias da concorrência mundial. A questão central da igualdade de oportunidades só podia ser resolvida, dizia-se então, através da qualificação das pessoas, ou seja, da educação.
O problema já era diferente: tratava-se de garantir a sustentabilidade a prazo dos sistemas de Segurança Social europeus por via da capacitação dos cidadãos e da aposta na inovação científica e tecnológica, capaz de sustentar uma “economia do conhecimento”. Na década de 90 e nos anos iniciais deste século, esta fórmula parecia possível. A Europa passou a última década a tentar adaptar-se a esta nova realidade. Começou em 2000 com a “estratégia de Lisboa”, uma iniciativa de Blair e de Guterres para adaptar a economia europeia à era da Internet e da globalização dos mercados, tentando tirar de ambas os mesmos benefícios que, na altura, os Estados Unidos tiravam. Ninguém ainda apensava na China. Mas não foi preciso muito tempo para se perceber que a principal consequência da era da globalização era a entrada das economias emergentes nos mercados mundiais, alterando profundamente os termos de troca internacionais, ao mesmo tempo que permitia tirar da miséria centenas de milhões de pessoas.

2. A crise financeira de 2008 acabou por expor em toda a sua extensão as debilidades das economias europeias (e americana) para competirem nesse novo mundo. Alguns países europeus (os nórdicos ou a Alemanha) foram mais rápidos a adaptar-se às novas circunstâncias. A “terceira via” teve o seu papel, não apenas no Reino Unido mas também na Alemanha, onde o chanceler Gerhard Schroeder levou a cabo um conjunto de reformas do mercado de trabalho e da Segurança Social que lhe permitiram passar de “doente da Europa” a uma das economias mais competitivas.
Sobrou um problema que a social-democracia ainda não conseguiu resolver: como travar o aumento brutal das desigualdades sociais, sem recorrer a um aumento acentuado dos impostos? Esta desigualdade não ocorreu apenas ou em maior grau nas democracias ricas, mas também nas economias “emergentes”. Podemos dizer que Portugal está hoje muito mais desigual do que no início da crise. Nada se compara com a desigualdade em que vivem países como a China ou o Brasil. Mas é este o maior problema que o centro-esquerda europeu enfrenta, sem grande capacidade de conseguir uma resposta que não seja a defesa acrítica e impossível do Estado social tal como existiu nas últimas décadas. Até à crise financeira, a estagnação dos rendimentos das classes médias foi politicamente sustentada pelo acesso ao crédito fácil. Hoje, o problema ficou à vista desarmada. A questão central da esquerda é esta. Quando está na oposição, grita pela defesa do Estado social. Quando está no governo, faz mais ou menos o mesmo que o centro-direita. Acresce que a almofada que lhe restava, o projecto de integração europeu, está em vias de mudar profundamente a sua natureza.

3. Regressando a Rosanvallon, as suas últimas obras são dedicadas à questão da desigualdade e da sua compatibilidade com a democracia. É possível que um CEO de uma grande empresa ganhe 500 vezes mais do que os trabalhadores menos bem pagos? Foi essa a herança dos trinta anos de “capitalismo de casino”. O neoliberalismo de Thatcher e de Reagan não nasceu por acaso. Nasceu dos excessos do estatismo económico e do Estado-providência. Como é que se faz o pêndulo virar agora na direcção contrária, quando a globalização dita regras de concorrência muito mais apertadas?
Há já alguns anos entrevistei o sociólogo alemão Wolfgang Merkel (conselheiro de Schroeder, Blair e Zapatero) sobre esta questão da sobrevivência dos partidos de centro-esquerda. As respostas não são simples, disse ele, e a sobrevivência nem sequer está assegurada. Chamou a atenção para uma nova clivagem, decorrente da globalização, entre as pessoas muito educadas e cosmopolitas (os “viajantes frequentes”) e as que chamou “comunitários nacionais”, os perdedores da globalização, concluindo que sobrava pouca coisa para o centro-esquerda, que estava a perder aceleradamente a sua base popular para os partidos de extrema-direita. É o que vemos hoje, com um problema novo e preocupante: o da “geração perdida”. Merkel lembrava o último livro de Tony Judt, no qual o grande historiador dizia que só restava a “social-democracia do medo”. Medo de perder tudo.
Hoje, a social-democracia europeia está mais preocupada com o passado do que com o futuro. O SPD quer fazer “esquecer” Schroeder. O Labour quer fazer “esquecer” Blair. O PS quer fazer “esquecer” Sócrates. E, já agora, também Guterres. Os Estados Gerais que organizou em 1995 já iam muito mais longe na necessidade de reformar o Estado social.
Muita gente acreditou que a chegada de François Hollande ao Eliseu alteraria os desequilíbrios políticos na Europa, claramente a favor da Alemanha e da sua receita para a crise. Vemos como está hoje Hollande. Depois, acreditou-se que a entrada dos sociais-democratas alemães no Governo de Merkel podia significar alguma coisa. Quem ouviu Peer Steinbrueck apelar a um Plano Marshall para os países do Sul, cujo sofrimento era inadmissível, não acredita que o SPD tenha assinado de cruz a política europeia da chanceler. O chefe do Eurogrupo é um trabalhista holandês que consegue ser mais radical do que Berlim. A clivagem aqui não é ideológica, é geográfica e cultural – atravessa a Europa a meio. É, portanto, bastante mais perigosa.

António Costa dizia na última Quadratura do Círculo que as coisas só mudariam quando, em França, a Frente Nacional de Marine Le Pen ganhasse as eleições europeias, no próximo mês de Maio. Toda a gente levaria um grande susto. Levaria?

Secretário de Estado português foi à Grécia e saiu de lá como..."o alemão". Troika adia de novo o regresso a Atenas

Secretário de Estado português foi à Grécia e saiu de lá como..."o alemão"
Por Pedro Rainho
publicado em 30 Nov 2013 in (jornal) i online

A visita do secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros à Grécia há uma semana valeu a Bruno Maçães a qualificação de "o alemão" na imprensa helénica.

No dia seguinte à passagem do governante pela capital grega, onde participou numa mesa--redonda sobre o tema "Governância económica e crise europeia", dois diários do país publicaram artigos de opinião expressando surpresa com a proximidade do discurso de Maçães à posição alemã. O secretário de Estado recusou a ideia de uma união de esforços a sul - nomeadamente entre os países intervencionados, mas contando também com a Itália ou a França. Os dois jornais sublinharam a falta de "solidariedade" com os países da União que defendem um caminho diferente do da Alemanha.

No final do encontro, promovido pela embaixada de Portugal em Atenas e pela Fundação Helénica para a Política Europeia e Estrangeira (ELIAMEP), Bruno Maçães respondeu a algumas questões da comunicação social que fazia a cobertura do evento. Um dos jornalistas aí presentes conta ao i que a reacção às palavras do secretário de Estado foi de "bastante surpresa" porque "se mostrou resolutamente contra uma frente europeia do Sul na zona euro". Bruno Maçães terá ainda defendido que as questões fiscais no seio da União devem ser tratadas a nível nacional, ao mesmo tempo que se mostrou a favor de uma política económica comum entre os estados-membros, apesar de não concordar com a criação de um lugar de ministro da Economia para a zona euro.

"Ficámos verdadeiramente desiludidos, porque tínhamos a expectativa de encontrar um amigo da periferia europeia que se revelou um rigoroso académico sem qualquer solidariedade com um país com problemas semelhantes ao seu", diz um dos jornalistas que confrontaram Maçães com o resultado do encontro entre os líderes francês e italiano. No dia anterior ao do encontro em Atenas, François Hollande e Enrico Letta participaram numa cimeira bilateral em Itália. No final, Letta assumiu que a aposta numa "capacidade fiscal" da zona euro como um todo "representa um grande objectivo". A união de esforços entre os dois países contra a posição alemã da União Europeia levou à divulgação de uma declaração conjunta, no final do encontro, onde os governantes defendiam uma "maior harmonização" fiscal que dê à zona euro uma "capacidade financeira real" para investir na economia e criar mais emprego - ideias já rejeitadas pela Alemanha.

A reacção dos jornais helénicos à "posição germânica" do secretário de Estado português aconteceu no dia seguinte. No diário "Ta Nea" - próximo do partido socialista grego (PASOK) -, um editorial não assinado, mas cuja responsabilidade cabe em regra à editoria de política, referia-se ironicamente à "boa solidariedade" de Bruno Maçães, apresentado como um português que "fez de alemão". Um governante que o jornal considera ser "mais troikano que os troikanos", por considerar que não deve ser pedido mais tempo para os países intervencionados executarem as reformas exigidas pelos credores internacionais.

No outro diário que focou a intervenção do secretário de Estado, o "E Kathimerini", Maçães é também descrito como "mais alemão que os alemães" por "proclamar com paixão quão importante é a disciplina fiscal".

Troika adia de novo o regresso a Atenas
Económico com Lusa  
29/11/13 18:08

O regresso da troika a Atenas, previsto para segunda-feira, foi cancelado porque persistem divergências quanto às reformas no país.

A 'troika' de credores internacionais da Grécia decidiu adiar de novo o seu regresso a Atenas, inicialmente previsto para segunda-feira, dado que persistem as divergências com as autoridades gregas quanto às reformas no país.

"Ainda não decidimos quando regressará a missão", disse hoje à Efe Simon O'Connor, porta-voz da Comissão Europeia. "O Governo grego está em contacto com a 'troika' para encontrar a data mais adequada para o seu regresso a Atenas", indicou em comunicado o Ministério das Finanças grego, citado pela agência ANA, depois de ter sido noticiado que o regresso da 'troika' à Grécia previsto para o início de dezembro foi cancelado.

O ministro das Finanças grego referiu, no início da semana, que a intenção é chegar a acordo com a 'troika' antes do final do ano, dado que a Grécia assume a presidência rotativa da União Europeia a 1 de Janeiro.

A 'troika' iniciou em Setembro uma nova ronda de negociações na Grécia, da qual depende o pagamento de uma nova fatia do empréstimo concedido ao país. As conversações foram interrompidas semanas depois e só foram retomadas em Novembro, mas duas semanas mais tarde os enviados do Fundo Monetário Internacional (FMI), Comissão Europeia e Banco Central Europeu (BCE) voltaram a abandonar Atenas sem concluir a missão de avaliação.

O diferendo tem a ver com um previsível buraco no orçamento para 2014 que a 'troika' diz ser de 1,5 mil milhões de euros e Atenas considera que é três vezes menor. O ritmo das privatizações (demasiado lento para os credores) e eventuais novos cortes nas pensões são outros pontos de atrito. No próximo dia 7, está prevista a votação do orçamento para 2014 no Parlamento.

O Comissário Europeu dos Assuntos Económicos, Olli Rehn, a directora do FMI, Christine Lagarde, o chefe da missão do FMI na Grécia, Poul Thomsen, e o ministro grego das Finanças, Yannis Stournaras, mantiveram uma videoconferência na quinta-feira à noite e, segundo os 'media' gregos, concordaram que se deve acelerar as conversações.

O primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, desloca-se a Bruxelas na próxima quarta-feira para contactos sobre a situação na Grécia e sobre a presidência rotativa da União Europeia, indicou uma outra porta-voz da Comissão, Pia Ahrenkilde.

Parques de Sintra eleita "melhor empresa do mundo em conservação"

Parques de Sintra eleita "melhor empresa do mundo em conservação"
Por Agência Lusa
publicado em 30 Nov 2013/ in (jornal) i online

Miguel Castro Neto adiantou que o Governo está empenhado numa estratégia de "crescimento verde"
A empresa pública Parques de Sintra Monte da Lua (PSML) venceu hoje o World Travel Award de "Melhor empresa do mundo em conservação", prémio entregue numa cerimónia em Doha, no Qatar.

A votação do prémio internacional é realizada pelo público em geral e por mais de 200 mil profissionais de agências de viagens e turismo oriundos de 160 países. A cerimónia contou com a presença do presidente da empresa, António Lamas, e do secretário de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza, Miguel Castro Neto.

Contactado pela agência Lusa, o presidente do conselho de administração da empresa que gere património como o Palácio da Pena ou o Castelo dos Mouros (Sintra), António Lamas, disse que o prémio significa o "reconhecimento do enorme trabalho" feito pela PSML na área da conservação.

"É o ‘Nobel do Turismo’ e vamos, certamente, ter efeitos positivos na atração de turistas. Se não houvesse qualidade nos serviços que desenvolvemos, nada disto aconteceria, é um prémio que coloca a empresa num patamar de nível mundial", referiu.

Também em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza afirmou que a PSML destronou a empresa sul-africana que há quinze anos consecutivos tem vencido esta categoria dos World Travel Awards.

"Este prémio é extraordinariamente relevante, é um prémio de nível mundial, que reconhece não só a excelência da Parques de Sintra Monte da Lua no campo da conservação, mas também algo que nós perspetivamos como um centro estratégico para o nosso pais, um sinal de que temos potencial para tornar Portugal um destino para o turismo de conservação da natureza e da biodiversidade", sublinhou.

Miguel Castro Neto adiantou que o Governo está empenhado numa estratégia de "crescimento verde", que passa por criar oportunidades de investimento em zonas protegidas ou classificadas para dinamizar estas áreas.

"Estamos empenhados em desenhar, no âmbito do acordo de parceria que vai enquadrar o próximo Quadro Comunitário de Apoio, todo um conjunto de instrumentos financeiros que vão alavancar investimentos públicos e privados visando dinamizar esta valorização dos recursos naturais", afirmou.

O governante indicou que "esse plano está a ser construído e será apresentado no início do próximo ano", permitindo disponibilizar esses mecanismos de incentivo.

O prémio hoje atribuído no Qatar vem juntar-se a vários já recebidos pela Parques de Sintra, que distinguiram o trabalho desenvolvido ao nível do acolhimento a visitantes e também da recuperação e do restauro dos parques e monumentos sob a sua gestão.

A PSML é uma empresa de capitais públicos cujo financiamento advém das receitas de visitação do património que gere: Parque e Palácio da Pena, Chalet da Condessa d'Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos e Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz. 

Ukraine police's violent crackdown at pro-EU protest. Oposição ucraniana exige demissão do Governo após recuo na aproximação à UE. (Vídeo em baixo.)

Oposição ucraniana exige demissão do Governo após recuo na aproximação à UE
Por Ana Fonseca Pereira
30/11/2013 – in Público

Polícia dispersou à força manifestantes acampados em Kiev para protestar contra a decisão do Presidente Viktor Ianukovich, provocando dezenas de feridos.

A madrugada deste sábado foi violenta em Kiev: a polícia ucraniana dispersou a golpes de bastão manifestantes acampados na Praça da Independência em protesto contra a recusa do Presidente Viktor Ianukovich em assinar um acordo de associação com a União Europeia, que era contestado por Moscovo. A oposição veio já exigir a demissão do Governo e a antecipação das presidenciais, agendadas para 2015.

As forças de segurança, munidas de equipamento antimotim, avançaram cerca das 4h30 (2h30 em Portugal continental), alegando a ocorrência de “incidentes” na praça. No local estavam cerca de mil pessoas, na sua maioria estudantes, que dizem não ter feito qualquer provocação. A Reuters conta que os agentes começaram por lançar granadas de atordoamento contra os manifestantes, avançando depois com bastões e granadas de gás lacrimogéneo.

“Foi uma selvajaria total. Pelas minhas contas estamos a falar de dezenas, talvez centenas, de pessoas cruelmente espancadas”, disse à agência britânica Andrei Shevchenko, deputado da oposição e um dos organizadores do protesto. “Atiraram connosco como se fossemos lixo”, acrescentou Lada Tromada, uma manifestante ouvida pela BBC.

Não há números confirmados de quantas pessoas ficaram feridas, mas jornalistas no local contam ter visto dezenas a sangrar ou com marcas de bastonadas no corpo. Perseguidos pela polícia, cerca de 200 manifestantes mudaram-se para junto da catedral de São Miguel – local de um antigo mosteiro do século XII que foi destruído em 1937 pelas autoridades soviéticas e que foi reconstruído após a independência, em 1991. “Juntámo-nos aqui depois de a polícia antimotim nos ter expulsado da praça. É o único lugar seguro”, contou à Reuters Roman Tsaldo, um manifestante de 25 anos.

Os protestos, que tinham começado no fim-de-semana passado, depois de Ianukovich anunciar a suspensão das negociações com a UE, regressaram sexta-feira a Kiev com a confirmação de que os líderes europeus, reunidos em Vílnius, não conseguiram convencer o Presidente ucraniano a recuar.

Ianukovich, eleito com o apoio da população russófona (maioritária no Leste do país), alega que as reformas políticas e económicas exigidas por Bruxelas como contrapartida para o acordo de associação eram incomportáveis e exigia montantes maiores de ajuda financeira para acudir às suas necessidades de financiamento de curto prazo. Mas a Rússia também não fez segredo do seu desagrado face à perspectiva de aproximação à UE de um país que considera estar na sua esfera de influência e que quer incluir na sua união aduaneira – o que levou os líderes europeus a acusar o Presidente russo, Vladimir Putin, de tentar vetar as suas relações com as ex-repúblicas soviéticas.

Oposição pede demissão do Governo
A violência da madrugada promete marcar o tom para a nova manifestação agendada pela oposição para este domingo, numa tentativa de repetir a enchente do fim-de-semana passado, quando mais de cem mil pessoas inundaram o centro da capital.

“A Ucrânia acordou um país diferente depois de Ianukovich ter recusado assinar [o acordo] em Vílnius. Isto já não é a Ucrânia, é algo mais parecido com a Bielorrússia”, disse Arseni Iatseniuk, líder do partido Batkivschina (A Pátria) que vai, juntamente com outros dirigentes da oposição, reunir-se neste sábado com embaixadores de países da União Europeia em Kiev.

E, num sinal de que o recuo de Ianukovich poderá ter reaberto a instabilidade política no país, Iatseniuk anunciou que os partidos da oposição estão a preparar uma greve geral no país, com o objectivo de forçar a demissão do Governo e a antecipação das eleições legislativas e presidenciais, previstas para 2015.

Vitali Klitschko, antigo campeão mundial de boxe e agora figura de proa da oposição, denunciou também a “selvajaria” da última noite e desafiou os seus apoiantes a saírem domingo à rua para “obrigar Ianukovich a fazer as malas”. “A recusa em assinar o acordo de associação foi uma traição”, disse Klitschko, um dos candidatos já anunciados à presidência.

Reuters in Kiev

Violent police crackdown in Kiev
Protesters in Ukraine's capital forced out of main square with batons and stun grenades after president snubbed EU pact

Riot police have launched a violent crackdown in the Ukrainian capital Kiev, using batons and stun grenades to expel hundreds of pro-Europe protesters from the city's main Independence Square early on Saturday, according to witnesses.

Police moved in on protesters who were still camped on the square following bigger demonstrations on Friday night against President Viktor Yanukovich's decision not to sign a landmark agreement on trade with the European Union.

Witnesses said police first fired stun grenades at the crowds and then moved in, using batons to disperse them, chasing some protesters into nearby streets.

At 5am on Saturday part of the square was sealed off by black-helmeted riot police. Nine years earlier the square had been the scene of the Orange Revolution protests against misconduct and electoral fraud.

Tension had been building in Kiev since Friday when Yanukovich walked away from signing the pact with EU leaders at a summit in Lithuania, going back on a pledge to work toward integrating his ex-Soviet republic into the European mainstream.

He said the cost of upgrading the economy to meet EU standards was too great and added that economic dialogue with Russia, Ukraine's former Soviet master, would be revived.

On Friday night at least four people were beaten by police, including a Reuters cameraman and a Reuters photographer, who was bloodied from blows to the head by police.

The Interfax news agency reported that police had decided to clear Independence Square after "a number of incidents".

In the Friday night demonstrations, which involved about 10,000 protesters, heavyweight boxing champion turned politician Vitaly Klitschko said Yanukovich had dashed the aspirations of Ukrainians to join mainstream Europe.

"Today they stole our dream, our dream of living in a normal country," said Klitschko, a contender for the 2015 presidential election. "The failure to sign the agreement of association is treason."

A nova “Vida Portuguesa” no Intendente.

Este fim de semana é marcado pela "abertura" da nova loja da “Vida Portuguesa” no Intendente.
Acontecimento louvável e positivo para a cidade de Lisboa, e especialmente, para o renascimento do Intendente com as suas características únicas, de misto de área residencial dos finais do Sec. XIX e resíduos de actividades fabris/ artesanais e respectivo Património Industrial.
É precisamente na área do Património, pelo reconhecimento do valor e autenticidade dos seus interiores, que a “Nostalgia/ Vintage” na sua procura de uma qualidade perdida, transforma revivalismo nostálgico em vanguardismo e traduz saudosismo em modernidade.
Mais um espaço a visitar e frequentar  tais como os notáveis outros espaços em Lisboa e no Porto.
António Sérgio Rosa de Carvalho

Hard Times for a Small (and Fuzzy) Group of Europeans. Afinal o burro mirandês não é a metáfora do interior português, diz jornalista do New York Times.

João Pedro Marnoto for The New York Times
Gonçalo Domingues, 70, a Portuguese farmer, with his Miranda donkeys.

Hard Times for a Small (and Fuzzy) Group of Europeans

PARADELA, Portugal — It’s not easy being a donkey today.

First, there is the image problem. But that is an old one. More recently, there are modern intrusions and fading memories of the donkey’s role, even here in the highlands of northeastern Portugal, where for centuries indigenous Miranda donkeys helped farmers plow fields and carry goods.

After decades of neglect and, some argue, misunderstanding, the fate of the donkey has come to resemble that of its human counterparts in hard-pressed European hinterlands: threatened by declining population and dependent for its survival on, yes, subsidies from the European Union.

Now, in an era of austerity, even donkeys have been swept up in the debate over just how far the European Union should go to maintain its farming regions, which are facing cuts to their financial support. The aid this year amounts to $78 billion, or 43 percent of the European Union’s overall budget, but under a recently struck deal, the farm spending will fall slightly until 2020, to about $68 billion a year, accounting for 38 percent of the union’s budget.

Since 2003, the large and docile Miranda donkey, named after the area where it lives, Tierra de Miranda, has been listed as an endangered breed. The Miranda, which has white markings around its eyes and a thick coat that it sheds as it grows old, has steadily been displaced by the tractor and other modern farming equipment.

And as young people continue to leave rural areas for the cities, the donkeys are also being threatened because the farmers who once cared for them are growing too old to keep doing so.

“I remember donkeys would be seen walking along most of our roads, which really isn’t the case now,” said Filomena Afonso, the director of the animal genetic research department in Portugal’s Agriculture Ministry, who estimated that the country’s donkey population had fallen to a quarter of what it was in the 1970s.

Until recently, the Miranda donkey was “on a one-way road to extinction,” said Miguel Nóvoa, a veterinarian and the director of an association that keeps 140 Miranda donkeys in two shelters, one for breeding and the other for donkeys that are old or abandoned.

Thanks to the efforts of conservationists, who have used national and European Union subsidies to breed Miranda donkeys, the population has recently stabilized around 800. Farmers have also been able to apply for subsidies — $230 a year for each animal — which have persuaded more of them to keep their donkeys, despite their dwindling worth as farm labor.

Without those subsidies, “it would make no economic sense to keep my donkeys, however attached I am to them,” said Gonçalo Domingues, a 70-year-old farmer who has two Mirandas. Still, another farmer, Camilo da Igreja, sold his two donkeys in October, after hip surgery left him too weak to look after them.

In reality, at a cost of about $650 a year, it makes little economic sense to keep a donkey, even with the subsidies, experts say. “Farmers now own donkeys out of love rather than for the subsidies,” said Javier Navas, a veterinary scientist who is preparing a doctoral thesis about donkeys at the University of Córdoba, in Spain.

Conservationists say that donkeys remain under threat, not only in Southern Europe but across the Western world.

“People just don’t realize that the whole donkey species is in an endangered situation in Europe,” said Waltraud Kugler, a Switzerland-based project director at the SAVE Foundation, a European animal conservation organization.

The Food and Agriculture Organization of the United Nations lists 53 donkey breeds spread across Europe, including Russia and some former Soviet republics. Ms. Kugler said her organization estimated that about 30 European breeds were at risk, each with a population under 1,000.

It has not helped, Ms. Kugler said, that the donkey has suffered from a bad image, which has left it little studied by scientists. “The donkey is seen as the stupid animal of the poor,” she said, “and that is a reputation that is very hard to get out of people’s heads.”

Even in Northern Europe, where donkeys serve more often as pets, they are misunderstood, Ms. Kugler said. They are often kept in meadows, where the grass is ill suited to their digestion, and the soft soil is bad for their hooves, which are designed to withstand rocky ground.

“Modern society has completely forgotten what made the donkey unique in the first place, which is that it originates from the desert and is used to difficult ground and having little fodder,” Ms. Kugler said.

Those attributes make the Miranda donkey especially well suited to Portugal’s highlands. Farmers here speak Mirandese — an officially recognized language in Portugal — and the region sometimes appears frozen in time. One older woman, dressed in a widow’s traditional black, explained that she still used her donkey because her family could not read or write and had never applied for driver’s licenses.

On the other hand, Orlando Vaqueiro, the Socialist mayor in charge of two of the highland villages, Paradela and Ifanes, said that, in purely economic terms, “the honest answer is that subsidies bring nothing.”

“You need the subsidies to keep donkeys and farming traditions,” he said, “but the result is also that everybody here has become completely dependent on them, so that there is no spirit of innovation and no desire to modernize or even produce more.”

But even if Europe has witnessed an exodus from the countryside to the city, traditional rural life, which the donkey has long been a part of, has regained some appeal among young people struggling through hard times in Spain and Portugal.

Luis Sebastião, a 22-year-old military police officer, said he regularly made the eight-hour bus trip from Lisbon, where he is stationed, to spend weekends in his native highlands, where he hopes to retire.

“I’m very lucky to have a job in Lisbon, but where am I going to have a better life once that work stops?” he asked. “This is where I really feel at home, alongside the donkeys and everything else that makes this place so special.”

Afinal o burro mirandês não é a metáfora do interior português, diz jornalista do New York Times. 

Desta vez ,o assunto não é o clima ou a gastronomia que levam o jornal americano a escrever sobre Portugal, é sim a extinção do burro

  • 30 nov 2013
     Público /Teresa Camarão
Portugal é primeira página da edição europeia do New York Times num artigo com o título “Em Portugal, um burro de carga vive de subsídios”. O burro mirandês, em risco de extinção. O PÚBLICO falou com o jornalista que explicou não ser sua intenção fazer qualquer comparação com a situação do interior do país que sobrevive de “subsídios europeus”.
O artigo da publicação norte-americana começa com uma frase sugestiva: “Hoje não é fácil ser burro.” Segue para a descrição da função tradicional do burro mirandês — a de ajudar os agricultores de Miranda — e para a eventual extinção da espécie tipicamente portuguesa, entretanto substituída por maquinaria moderna e tractores no cultivo dos campos.
Não tarda a aparecer a primeira a metáfora: “Depois de décadas de negligência e, dizem alguns, desentendimentos, o destino do burro começa a assemelhar-se ao dos humanos”, por estarem “ameaçados pelo declínio da população e com a sobrevivência dependente, sim, de subsídios da União Europeia”.
A aldeia de Paradela, no concelho de Miranda do Douro, é o cenário escolhido pelo jornalista Raphael Minder para explicar de que forma está a União Europeia a tratar “as suas zonas rurais”, mais precisamente os países do Sul da Europa. De acordo com o artigo, a situação que Portugal atravessa é semelhante à extinção do burro mirandês. “À medida que os jovens continuam a trocar as zonas rurais pelas cidades, os burros estão também ameaçados, porque os agricultores estão a ficar velhos e não podem cuidar deles”, pode ler-se no artigo do The New York Times.
Um interior desertificado, a agricultura abandonada, os cortes dos fundos europeus destinados ao sector primário, os apoios e o resgate financeiro que chegam das instituições da União Europeia são as preocupações do autor, que foram entendidas em Portugal como uma comparação.
Raphael Minder cita o ex-presidente da Junta de Freguesia de Ifanes, Miranda do Douro, Orlando Vaqueiro, para sustentar a ideia de que “hoje não é fácil ser burro” em Portugal: “Precisamos dos subsídios para manter os burros, mas o resultado é que todos se tornam completamente dependentes deles, portanto não há espírito de inovação nem desejo de modernizar ou produzir mais.”
O PÚBLICO contactou o jornalista para perceber se a sua intenção era ou não fazer uma comparação entre a extinção do burro mirandês e o interior do país. De acordo com o Raphael Minder, pensar numa comparação entre a espécie mirandesa e o país “é um absurdo”. “Quero deixar claro que não há nenhuma comparação propositada”, declarou o jornalista, correspondente do jornal norteamericano em Portugal e Espanha. 

O convite de Passos a Rui Rio.

O convite de Passos a Rio para o Banco de Fomento tem uma leitura política. E a recusa também

Editorial / Público
A lógica do “mantenha os seus amigos perto e os seus inimigos ainda mais perto” é bastante verdadeira quando aplicada à política. Pedro Passos Coelho convidou o ex-presidente da Câmara do Porto Rui Rio para liderar o futuro Banco de Fomento. Em teoria, o convite faria sentido: Rio é uma personalidade respeitada, a nível local e nacional, currículo não lhe falta, e ficaria à frente de uma grande instituição com prestígio e que será responsável pela gestão de uma grande parte do dinheiro de Bruxelas que o Governo já se comprometeu a canalizar para as pequenas e médias empresas. E a sede, no Porto, ajudaria ainda mais a encaixar o perfil de Rio no novo homem forte do chamado Banco de Fomento. 

Passos Coelho responsável pelo convite a Rui Rio para o Banco do Fomento

O convite a Rui Rio e todo o processo de nomeação da equipa que iria constituir e gerir a nova instituição foi conduzido pelo próprio primeiro-ministro.
O ex-presidente da Câmara do Porto declinou o convite, segundo revelou nesta sexta-feira o Jornal de Notícias, mas os restantes três administradores que fazem parte da comissão instaladora do banco já disseram que sim. Um desses administradores é Franquelim Alves, ex-secretário de Estado e gestor do Compete (programa que gere fundos comunitários de apoio às empresas), segundo fontes ligadas ao processo.
O não de Rui Rio está a ser interpretado como sinal de que o ex-presidente da Câmara do Porto não se quer “colar” ao Governo, que, de resto, tem criticado, e que alimenta as suas próprias ambições políticas no interior do PSD. Rio já disse que não participará no próximo congresso do partido, marcado para o início de 2014, mas isso não significa que uma corrida pela liderança do PSD esteja fora dos seus horizontes. A sua recusa em liderar a comissão instaladora que, até final do primeiro semestre de 2014, tem a responsabilidade de criar o Banco de Fomento, corrobora esta tese.
“Rui Rio nunca aceitaria ser funcionário”, disse ao PÚBLICO fonte do PSD, acrescentando que o convite do primeiro-ministro “foi uma jogada inteligente, porque retirava margem de manobra ao ex-presidente da Câmara do Porto”.
Uma outra fonte sublinhou que Rio nunca aceitaria o convite, porque “ia ficar rodeado de espiões”, numa alusão ao facto de o primeiro-ministro o ter convidado depois de os restantes elementos da comissão instaladora já terem aceitado o desafio do Governo.
Para além do nome de Rui Rio – o único que foi convidado para ocupar a presidência da comissão instaladora –, estavam em cima da mesa alguns nomes de peso, como o de Artur Santos Silva, Arlindo Cunha, Miguel Cadilhe e José Fernando Figueiredo.
O deputado e líder da distrital do PSD-Porto, Virgílio Macedo, confirma que havia outras pessoas, mas não lhes dá muita importância, uma vez que, afirma, “são nomes que normalmente são apontados para situações idênticas”.
Ao PÚBLICO, Virgílio Macedo promete ler atentamente os currículos das pessoas que já foram indicadas, para “ver se têm competência para o cargo”. “Vou estar atento, porque não compreendo que as pessoas indicadas sejam todas de Lisboa”, declara.
“É inaceitável que uma instituição com sede no Porto tenha o conselho de administração sediado em Lisboa. Será que essas pessoas vão deixar Lisboa para viver no Porto? Ou será que vão passar a gerir o banco a partir de um qualquer gabinete de Lisboa como aconteceu no passado com o IPAMEI [Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas], que tinha sede no Porto e era governado a partir de Lisboa?”, questiona o dirigente nacional do PSD, deixando um desabafo: “Isso é uma farsa!”.
O Banco do Fomento, com sede no Porto, ficará na dependência sectorial do Ministério da Economia, em articulação com o membro do Governo responsável pelo Desenvolvimento Regional, “sem prejuízo da função accionista exercida pelas Finanças”.
A nova instituição, que terá um estatuto equiparado ao de um banco, vai gerir verbas da União Europeia e poderá recorrer a empréstimos bancários para garantir um fundo destinado ao investimento e à capitalização de pequenas e médias empresas. O Governo anunciou este mês que a dotação inicial do banco ascenderá a 1500 milhões de euros.

Na sua página do Facebook, Luís Filipe Menezes comentava o assunto, lembrando que reivindicou “com veemência a sua instalação no Porto” e  dava conta que, durante este ano, “Rui Rio foi dos mais constantes críticos de Passos Coelho” e agora declinou o convite de Passos. Com Manuel Carvalho

Portas e o pau de dois bicos.

Tanto jogou com isso que hoje é difícil levar a sério o seu discurso
Há muitas expressões que podem sintetizar a situação embaraçosa em que Paulo Portas se encontra no governo. Por exemplo, que não é possível ter "sol na eira e chuva no nabal", que "quem tudo quer tudo perde", que "não se entrega o ouro ao bandido" ou que "não se deve jogar com paus de dois bicos".

Vem isto a propósito do papel que Paulo Portas reclamou para si e Passos Coelho lhe concedeu com

as honrarias e a plumagem do lugar de vice-primeiro- -ministro. Somando a outras circunstâncias o cansaço de tanto jet lag, Portas agravou no Verão de forma quase irreversível a crise aberta pela fuga de Vítor Gaspar, que por si só já ficaria para a história. Mas isso é passado.

O que interessa hoje é que o Paulo Portas que supostamente coordena a área económica, que tem inevitável relação com as instâncias da troika e mais umas quantas instituições e figuras internacionais para explicar que estamos no bom caminho, é rigorosamente o mesmo que armou no Verão o que os brasileiros chamam "um barraco". As consequências do dito são as que ainda hoje estamos a pagar e que obviamente lhe são recordadas de forma mais ou menos subtil em todas as reuniões internas e externas, sendo ainda sistematicamente vertidas para todos os relatórios oficiais ou de agências de rating que se publicam diariamente.

De facto, é bom não esquecer que foi a crise estival que levou a que Portugal entrasse em derrapagem total. Portas fez o mal e a caramunha. Ou seja, criou um problema e agravou o que já estava muito mal. Ia atirando o governo abaixo quando proclamou que havia linhas intransponíveis e falou de irrevogabilidades, obrigando Cavaco a uma intervenção de emergência cujos contornos ainda hoje não são claros. A crise aberta por Gaspar e cavalgada por Portas fragilizou o país e fez com que a troika se tenha tornado mais intransigente em relação a nós, como se vê pelo Orçamento de 2014, no qual não tolerou cedências, mesmo que ele se tenha tornado uma ficção.

Esse comportamento ainda poderia ser esquecido se do Ministério dos Negócios Estrangeiros Portas tivesse passado para a Administração Interna ou para um lugar simbólico, tipo ministro da República para os Açores ou para a Madeira (função neocolonial em boa hora extinta), mas que o apagariam parcialmente. Depois de tudo isso, vê-lo ralhar com a oposição ou dirigir convites ao investimento externo, como se tivesse sido um modelo de coerência e uma referência de estabilidade, deixa um cidadão com memória boquiaberto e qualquer estrangeiro com acesso ao Google com a sensação de que deve haver duas figuras públicas em Portugal com o mesmo nome e que em dado momento ocuparam lugares relevantíssimos, tendo-se substituído um ao outro. Que seja a mesmíssima pessoa é coisa que certamente não lembra a ninguém para lá de Badajoz.

É verdade que no interior da coligação governamental Portas subiu na hierarquia, mas simultaneamente perdeu muito peso face a Passos Coelho e mesmo dentro do CDS, onde teria sido substituído, possivelmente por Pires de Lima, se não tivesse recuado.

Aumentam acampamentos de mendigos em Lisboa

Aumentam acampamentos de mendigos em Lisboa
Por Filipe Morais
publicado em 29 Nov 2013 in (jornal) i online
Polícia Municipal diz que tem feito limpezas nos abrigos sob os viadutos da cidade. Maioria dos ocupantes não são de nacionalidade portuguesa
São acampamentos de mendigos que estão sob viadutos de algumas das principais vias da cidade de Lisboa e estão a suscitar um aumento de queixas de munícipes junto da Polícia Municipal. O comandante André Gomes confirmou ontem à Lusa que há vários destes locais na cidade, mas não tem dados estatísticos sobre a quantidade de abrigos ou o número de pessoas que recorrem a estes espaços, mas adiantou que "de cada vez que têm sido efectuadas as limpezas, têm sido demolidas entre 25 e 30 barracas".

Segundo o responsável, "não se tem ideia de quantas pessoas serão, pois nunca foram identificadas, mas são homens, mulheres e crianças" e "de todos os locais, os que têm tido mais reclamações são os acampamentos por debaixo do Eixo Norte-Sul e da Radial de Benfica, que têm vindo a aumentar". O vereador dos Direitos Sociais da Câmara de Lisboa, João Afonso, disse também à Lusa que não há dados precisos sobre os acampamentos por serem constituídos por comunidades "flutuantes". "Maioritariamente não são portugueses. Tentámos sensibilizá-los para aceitarem outras propostas, já definidas com parceiros, como a Santa Casa e o Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, de espaços de pernoita, mas é um grupo que cria distanciamento e alega que não percebe português", explica o vereador.

O comandante André Gomes adianta mesmo que os ocupantes destes acampamentos, segundo dados das brigadas enviados à Polícia Municipal, são "indivíduos de nacionalidade romena" que constroem "toscas barracas de papelão e madeiras soltas, que rapidamente montam, mesmo depois de o local ter sido limpo". O vereador João Afonso sublinha mesmo que estas pessoas "não se mostram disponíveis para ser ajudadas" e que não são considerados sem-abrigo, já que é um grupo que aparentemente vai "organizado para aquele lugar".

A Polícia Municipal de Lisboa já teve acções nos abrigos construídos no parque de estacionamento na Avenida Álvaro Pais e na Avenida das Forças Armadas, junto à Rua da Cruz Vermelha, e sob o viaduto da Avenida Infante D. Henrique, de acesso à Avenida Mouzinho de Albuquerque, junto a Santa Apolónia, além do abrigo construído num terreno descampado junto a um muro na Rua Padre Abel Varzim, no Bairro Casal dos Machados. No parque de estacionamento na Avenida Álvaro Pais foram demolidas, a 20 de Setembro, várias barracas e identificadas três pessoas de nacionalidade portuguesa e outra de nacionalidade estrangeira. Nos últimos anos, a autarquia recebeu várias reclamações sobre acampamentos de estrangeiros na Quinta da Holandesa, junto à Avenida Almirante Gago Coutinho, mas este ano ainda não houve queixas que referissem novas construções de abrigos neste local.

André Gomes adianta que a identificação das pessoas que recorrem a estes abrigos improvisados sob os viadutos não tem sido possível porque estas não estão no local durante as acções de limpeza do Departamento de Higiene Urbana, já que os seus ocupantes aproveitam "para mendigar em vários locais da cidade". Com Lusa 

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

"O Tribunal Constitucional deixou-se resvalar para a política e está a desempenhar o papel de um senado"


"O Tribunal Constitucional deixou-se resvalar para a política e está a desempenhar o papel de um senado"

Em 2008 Marinho e Pinto venceu pela primeira vez as eleições para bastonário e chamavam-lhe "o defensor dos advogados descamisados". Hoje, de saída, tem uma visão bastante critica sobre a Justiça em Portugal.
Provou manteiga pela primeira vez na vida no início da adolescência. Antes disso untava o pão com azeite e alho, petisco que continua entre os seus favoritos – com um bocadinho de salsa por cima, realça. A terminar o seu segundo e último mandato, o mais truculento bastonário que os advogados alguma vez tiveram mora de segunda a sexta num hotel, “para não criar raízes em Lisboa”.
Diz que tem uma vida regrada, emociona-se quando conta como o seu nascimento quase o matou a ele e à mãe e defende que é tão contranatura usar o sexo só para procriação como fazê-lo apenas por prazer. Assume-se como sendo de esquerda, tendo militado na UEC durante pouco mais de um ano. Avô três vezes, percebe-se que é com algum desgosto que viu uma das filhas deslumbrar-se com os néons da capital para ir trabalhar para o escritório do seu antecessor Rogério Alves, em vez de ocupar o lugar que deixou vago na advocacia coimbrã. Sobre o seu futuro não abre o jogo e mesmo quando fala em voltar ao jornalismo some-se-lhe da voz a convicção.
Marinho Pinto, de 63 anos, liga a televisão que tem no gabinete, onde desfilam imagens da ocupação de ministérios que se seguiu à manifestação contra a aprovação do Orçamento do Estado na Assembleia da República. Ao entardecer teima em entrar pelo gabinete dentro – que ocupa há quase seis anos na Ordem dos Advogados – o som de um concerto improvisado numa carrinha da CGTP, que juntou duas ou três dezenas de curiosos defronte da Ginjinha do Rossio. É um país muito diferente do de 2008, quando venceu pela primeira vez as eleições para bastonário e lhe chamavam "o defensor dos advogados descamisados".

Como encara o momento que Portugal está a atravessar?
Vivemos uma situação explosiva de ataques aos direitos das pessoas, às condições económicas da vida das pessoas, como não há memória. E isto só pode ter mau resultado. Não quero ser maquiavélico, mas se calhar é isto que o Governo pretende – para sair airosamente e dizer que não conseguiu executar o seu projecto político e ideológico. Este Governo apresentou-se às eleições com um programa radicalmente diferente daquele que está a executar. Isto é uma fraude política gigantesca, com a qual o Presidente da República é conivente, que não pode deixar de ter consequências no quadro da democracia.

O Presidente tem mandado muitos diplomas para o Constitucional.
Não é isso que está em causa. Quando se enganam assim os eleitores, defrauda-se a democracia e perde-se a legitimidade democrática. A democracia exige respeito pelos eleitores. Não é apresentarmos uma proposta em campanha e executarmos outra oposta a essa.

É essa a sensação que as pessoas têm há muito tempo: que os políticos prometem uma coisa e fazem outra.
Nunca aconteceu com esta densidade. Dantes faziam promessas que não cumpriam. Este derrubou o Governo anterior e quando se apanhou no poder fez exactamente aquilo que prometeu que nunca iria fazer e que acusou o Governo anterior de querer: retirar os subsídios de férias e de Natal, diminuir os vencimentos dos funcionários públicos, as pensões dos idosos…

Também adere à tese de que é preciso evitar a violência que aí vem?
Não sou dos que a desejam. Mas muitas vezes é a única forma de dar escape às tensões que se acumulam na sociedade. Espero que as nossas elites tenham consciência de que seria o pior que podia acontecer ao país, porque sabe-se como começa a violência, mas nunca se sabe como acaba – sobretudo quando a sua motivação é política. Olhe-se para a ocupação dos ministérios, para os polícias à porta do Parlamento. É toda uma revolta mais ou menos contida, mais ou menos reprimida que tem alastrado na sociedade portuguesa.

Qual teria sido o caminho para as coisas não chegarem aqui?
Não sei hoje se a opção que fizemos pela Europa será boa no futuro, se a opção do euro é boa para Portugal e para a Europa. Esta não é a Europa da solidariedade e da cidadania que nos prometeram. Aí está outro logro feito ao povo português, essa adesão cega à União Europeia. Não acredito na recuperação da economia de um país através da asfixia dessa mesma economia, como está a acontecer quando se restringe, de forma tão violenta, o poder de compra dos portugueses. E sobretudo de pessoas que gastam todo o seu rendimento em bens de primeira necessidade. Quando se reduzem 40 euros na pensão de um idoso são menos 40 euros que ele vai gastar no supermercado ou na farmácia. Esta política violentíssima de austeridade tem tido efeitos contrários aos anunciados: o desemprego e a dívida pública têm aumentado. E o programador desta política, o anterior ministro das Finanças, fugiu. Ele fugiu!

Qual é neste momento o salário médio de um advogado?
Há quem ganhe milhões em negócios com o Estado e com a banca. Outros ganham umas centenas de euros por mês. Se não for um génio nem tiver familiares na advocacia, um jovem que comece a advogar sozinho como profissional liberal vai viver à custa dos pais durante anos. Todos os anos há dois a três mil jovens a querer entrar na Ordem. Para trabalharem com quem? Os advogados serão obrigados a dar formação às torrentes de licenciados que as universidades põem cá fora, a maioria dos quais impreparados?

Que conselho dá então aos jovens?
Que fujam a sete pés dos cursos de Direito, que são um engano que vão pagar muito caro. Hoje o ensino de Direito mercantilizou-se, perdeu a dignidade tradicional. Acredito que haja critérios de maior rigor nas universidades públicas que na maioria das privadas – mas também há universidades públicas más. Por outro lado, o próprio Governo tem programas vergonhosos de desjudicialização da justiça – os tribunais arbitrais, os centros de mediação, os julgados de paz… Há processos que durante séculos foram tramitados por juízes, como os inventários, que, de repente, foram entregues a notários, a conservadores, a profissionais que nem sequer são licenciados em Direito – o que diminui a necessidade social dos advogados. O objectivo é baixar o número de pendências nos tribunais. Eu também consigo fazer baixar as pendências nos hospitais, se os proibir de aceitar doentes. Mas é isso que a sociedade quer, impedir os cidadãos de ir a tribunal?

As alternativas ao litígio judicial não são um bom serviço?
Claro que não, porque a justiça é, por definição, pública. Se as partes não se entendem, porque é que o Estado as obriga a fazerem as pazes, em vez de resolver o litígio? O momento que marca a passagem da humanidade da barbárie à civilização é aquele em que o Estado chama a si o monopólio da administração da justiça. Quando exercida por privados, ela será sempre mais favorável aos que são cultural e economicamente mais fortes. Os pseudojuízes dos tribunais arbitrais ganham num único processo aquilo que os do Estado, togados, não ganham em dois anos.

Que evolução sofreu a justiça nestes seis anos?
Não houve. Desenhou-se a hipótese, em 2010, de uma evolução positiva com o desenho do mapa judiciário então proposto, que estava a dar bons resultados nas comarcas-piloto. Mas este Governo, que tem uma tendência morbidamente compulsiva para o mal, acabou com ela. Fechar tribunais só traz prejuízos para a justiça, sem trazer vantagens. Nega o acesso à justiça às populações do interior e obriga-as, nalguns casos, a percorrerem centenas de quilómetros e a precisarem de dois dias, se usarem transportes públicos, para chegarem a um tribunal. Dois dias, no séc. XXI! Passam a noite no hotel? Nas escadas do tribunal? Debaixo de uma ponte? É uma política de terra queimada. É dizer às pesssoas do interior: “Amanhem-se, façam justiça pelas próprias mãos, porque o Estado não está interessado em proporcionar-vos os mecanismos de paz social que dá aos grandes centros urbanos.”

As questões rurais dirimidas nos tribunais do interior têm uma dignidade menor?
Isso é uma postura das elites urbanas decadentes, que não compreendem a dimensão da honra e da dignidade das pessoas nos pequenos litígios, muitas vezes criadora de grandes tragédias. Por um palmo de terra que não vale sequer dez euros morre-se e mata-se nalgumas zonas do país. Mas o Estado nega às pessoas do interior aquilo que dá aos habitantes dos grandes centros urbanos como Lisboa, e que é pago indistintamente por todos os portugueses: oferta cultural, saúde, transportes públicos… É imoral, elas também têm direito a tudo isso! Uma ministra da Justiça que não percebe isto não devia ser ministra. Ela nunca foi a uma aldeia! Não percebe o país! Têm é que abrir tribunais nas sedes de concelho que não os possuem. Uma vez disse a José Sócrates que não havia maior símbolo da autoridade do Estado. E ele ficou a pensar nisso, de olhos assim arregalados.

Já teve essa conversa com Passos Coelho?
Tinha boa impressão dele quando era líder da oposição, mas depois falei com ele e fiquei desiludido. Não tem coragem para pôr cobro às medidas alucinadas da ministra da Justiça. Há muito que a devia ter substituído. Só do mapa judiciário apresentou seis ou sete versões diferentes, para manter a malta distraída.

As secções de proximidade dos tribunais não vão resolver o problema?
Os tribunais são órgãos de soberania previstos na Constituição, não lojas do cidadão, nem repartições públicas. Se estas secções são tribunais, têm de ter um magistrado titular, nem que só lá vá uma vez por semana. Senão são uma mentira, uma ofensa à dignidade constitucional dos tribunais. Das ilusões mais fatais é haver alguns autarcas das capitais de distrito que pensam que vão beneficiar com este mapa judiciário – que, se for avante, é o mais perigoso retrocesso civilizacional das últimas cinco ou seis décadas em Portugal. E para a saúde do Estado e da democracia, ao dar um tal sinal de abandono das pessoas por parte do Estado.

Será também por isto que juízes e magistrados do Ministério Público vieram recentemente a terreiro mostrar alguma revolta e criticar a mais recente versão do mapa judiciário?
Eles criaram sindicatos para defender os seus vencimentos, privilégios e comodidades. Não foi para garantir direitos e melhor justiça aos cidadãos. Têm uma cultura de casta e estão a mexer-lhes no bolso. É verdade que os juízes portugueses ganham pouco, mas, bolas!, em época de crise não podem isentar-se dos sacrifícios. No Tribunal Constitucional é diferente: a maioria não tem uma cultura corporativa, dado não serem juízes de carreira. Acontece que se deixaram resvalar para o movediço terreno da política. Hoje o Constitucional está a ser chamado a desempenhar um papel que não é genuinamente de um tribunal.

Então é de quê?
De uma segunda câmara parlamentar ou de um senado. E isso é mau.

A verdade é que tem impedido que alguns cortes mais gravosos tivessem ido por diante.
Tenho dúvidas sobre esta visão quase sacralizadora da Constituição, que parece só permitir governar à esquerda ou ao centro, quando devia ser maleável e permitir governar à direita e à esquerda. Eu sou um homem de esquerda, mas estou a falar como jurista, não como político. Quando a Constituição estabelece que todos têm direito à habitação, isso gera, na esfera jurídica de cada cidadão, o direito a que o Estado lhe dê uma casa? Claro que não! Podem aumentar-se indiscriminadamente os impostos aos privados, mas retirar não algumas regalias aos funcionários públicos? Naturalmente que sou contra os cortes, mas o que é mais escandaloso é que os sacrifícios não sejam repartidos igualitariamente. E isso significa exigir mais daqueles que podem dar mais e nada exigir a quem não pode dar nada. Os privilégios da ADSE, por exemplo: nunca ninguém questionou esta desigualdade dos cidadãos no acesso à saúde. Porque é que os partidos políticos estão isentos de todos os impostos? Porque fazem as leis em benefício próprio!

Isso leva-nos a uma questão que nunca conseguiu resolver, a da incompatibilidade entre ser advogado e ser deputado.
Quem faz leis na Assembleia da República não deve ter clientes privados interessados nessas leis. Se alguém vai para ministro, presidente de câmara ou para director-geral, tem de suspender a advocacia. Por que é quem vai para deputado não tem a mesma obrigação? É em torno da feitura das leis que se traficam grandes interesses. Ora o estatuto dos advogados é uma lei da Assembleia da República que os deputados nunca alteraram.

É uma das suas frustrações não o ter conseguido? Tem outras?
É. A outra foi não ter construído um apoio judiciário totalmente gerido pela Ordem. Defendo um modelo aberto a todos os que nele queiram participar. Temos hoje advogados em final de carreira altamente competentes que, por necessidade, estão a prestar apoio judiciário, o que é positivo para a qualidade. Rejeito a transformação do advogado em funcionário do Estado, como defendiam algumas consciências mais levianas. E têm de receber os seus honorários a tempo e horas. Neste momento ainda há atrasos de anos no pagamento pelo Estado.

E como está a questão das alegadas fraudes ao Estado por parte dos advogados oficiosos?
Foi tudo propaganda da ministra. Houve 1500 queixas à Procuradoria-Geral da República e o Ministério Público deduziu seis acusações. Seis, em 1500! E irão dar todas em absolvições. Pouco depois de este Governo ter tomado posse escrevi ao FMI, ao Banco Central Europeu e à União Europeia dando nota de que estavam a emprestar dinheiro a Portugal para saldar as suas dívidas, nomeadamente a fornecedores, e que o Estado continuava sem pagar aos advogados.

Mas por que é que acha que existe uma política de terra queimada no sector?
Os titulares do Ministério da Justiça foram humilhados eleitoralmente na Ordem. Até dizem que o bastonário Marinho e Pinto foi eleito pelos descamisados.

Não se revê nessa designação?
Se calhar tive mais intervenções em defesa dos grandes escritórios de Lisboa do que de advogados mais humildes. Nenhum bastonário se insurgiu como eu contra as buscas aos escritórios de advogados como o do dr. José Júdice. Trato todos por igual, e isso é o meu grande mérito. No meu gabinete tanto entraram as maiores vedetas como o mais humilde advogado. Fi-los sentir que a Ordem é deles todos, independentemente da sua riqueza e visibilidade.

Gostava de ter podido ficar mais um mandato?
Gostava de não ter sido obrigado a fazer este segundo mandato. Estou muito cansado e tive graves prejuízos profissionais. A minha conta bancária tem menos 30 e tal mil euros do que quanto tomei posse em Janeiro de 2008, por via da diminuição de rendimentos que tive. Era colaborador do Expresso e advogado, tinha os meus clientes.

Isso é compatível?
É. Também dava aulas na universidade. Ganhava cento e tal mil euros por ano.

Pela primeira vez um bastonário dos advogados teve um salário. De quanto?
Algumas centenas de euros abaixo dos cinco mil. Quando entrei, o meu ordenado era igual ao de procurador-geral da República, mas agora é inferior, porque ele foi aumentado e eu não.

Além disso, a Ordem ainda lhe paga alojamento em Lisboa.
Parte dessas despesas. Pago 60 euros de alojamento por noite num hotel que não é de luxo. Nisso gastei à Ordem 10 ou 12 mil euros em seis anos. As despesas do meu cartão de crédito são muito inferiores às dos meus antecessores. E eu disse na campanha eleitoral que a remuneração era uma condição para assumir o cargo, porque não tenho fortuna. O meu sucessor fará o que entender.

O que vai fazer a seguir?
Quando sair daqui, vou dormir um mês ou dois para um canto qualquer. Depois depende do humor com que acordar.

Chegou a ser desafiado para concorrer a câmaras municipais.
Desde que estou na Ordem fui convidado por três partidos diferentes para me candidatar a presidente de cinco câmaras. Uma era Amarante, outra Coimbra. Claro que rejeitei. Então ia abandonar a Ordem? Jamais, nem que me dessem o lugar de Presidente da República. Até porque este segundo mandato foi de raiva. Depois dos ataques golpistas que me fizeram alguns advogados no primeiro mandato disse: “Então vou a jogo, ides levar comigo mais três anos!” E tive maioria absoluta, em vez de regressar ao meu escritório em Coimbra, às minhas aulas e ao meu jornalismo.

Quer regressar ao jornalismo?
Claro que sim.

Já se imaginou Presidente da República?
Não, as pessoas é que falam muito nisso. Quando terminar este segundo mandato, ficarei livre para ser o que quiser sem dar satisfações a ninguém. Candidatei-me a bastonário porque achava que a justiça estava podre nos tribunais.

Ainda está?
Está. Alguns magistrados fazem um esforço muito grande para dignificar a justiça, mas não têm conseguido.

E como se endireita?
Introduzindo uma componente de responsabilidade no estatuto dos magistrados, que têm de responder quer pelo que fazem, quer pelo que não fazem. E proibindo as pessoas de serem juízes antes dos 35 ou 40 anos, por exemplo, porque é necessária maturidade. Noventa por cento de um julgamento nada tem a ver com direito – mas com perceber quem está a dizer a verdade e quem está a mentir. Muitas vezes os juízes entram para a sala de audiências já com a sentença na cabeça – às vezes até com ela no bolso. Já me aconteceu.

Participou isso a alguém?
Não, de que ia adiantar? Ri-me.

Já falou das suas frustrações, fale agora das suas vitórias.
A Ordem é hoje de todos os advogados e não de uma aristocracia lisboeta. Cometi muitos erros.

Isto não é uma confissão. Mas foi sempre com a melhor das intenções, em benefício dos advogados, dos seus clientes e do Estado de direito. E os advogados estão hoje melhor do que quando entrei. Há muitos contra mim, mas, se eu hoje fosse a votos, teria uma votação ainda maior do que há três anos. Quando cheguei, havia em caixa 800 mil euros, ao meu sucessor deixo quase seis milhões.

Nestes seis anos foi alvo de vários processos disciplinares internos na Ordem.
Tenho para aí oito ou nove, mas estou-me positivamente marimbando. São actos selvagens de perseguição de quem nunca aceitou a minha eleição. Ainda anteontem fui notificado para responder a um deles: critiquei a ministra da Justiça e um advogado fez queixa ao conselho superior da ordem. Mas não foi ela, que tem poder de encaixe, que se queixou de mim. Foram aqueles que lhe querem agradar. Acredito que sinta por essas pessoas o mesmo desprezo que eu.

Isso quer dizer que admira de alguma forma Paula Teixeira da Cruz?
Não é altura para falarmos nisso. Portou-se muito mal como ministra. E eu sempre enfrentei a hostilidade generalizada da comunicação social. As minhas vitórias são feitas de derrotas: senti-me vitorioso quando uma turba ululante de advogados me reprovou o orçamento em 2008. Fiquei com muito maior margem de manobra para gerir as verbas. Estavam convencidos de que iam assustar-me, meter-me medo. Enfrentei-os a todos de cabeça erguida!

Sempre teve uma palavra muito livre. Puseram-lhe processos em tribunal?
Nunca fui condenado, nem sequer julgado. Há aí um processo em que me querem julgar, vamos ver se conseguem…

Que processo é esse?
(ri-se) Foi uma reacção que tive contra três bastonários – Castro Caldas, José Miguel Júdice e Pires de Lima – que saltaram para o terreno em defesa da ministra. Dois deles rasgaram o cartão de militantes do PSD para servirem causas importantíssimas no PS. Um foi alvo de uma participação e a Ordem absolveu-o. Disse que só os advogados de província é que eram condenados. Levei com um processo de injúria por causa disso. Digo muitas coisas incómodas, mas não me dá prazer nenhum ser ofensivo. As pessoas incomodam-se muito quando se diz aquilo que querem ver silenciado.

Como as coisas que disse contra a co-adopção?
Sempre fui contra a discriminação dos homossexuais e inclusivamente a favor do casamento homossexual. Mas aqui estamos a falar dos direitos das crianças a terem referências masculinas e femininas.

Há estudos que suportem essa tese?
Não são precisos estudos. A vida nasce do encontro entre um macho e uma fêmea.

Escreveu numa das suas crónicas no JN que se recordava do momento em que tinha saído da vagina ensanguentada da sua mãe. Como?
A frase não é essa (vai ao computador verificar. Emociona-se, os olhos enchem-se de lágrimas). Não é para entender. São espasmos da zona mais profunda da nossa alma. Eu e a minha mãe estivemos ambos moribundos. E ambos sobrevivemos (volta ao tom combativo). Os filhos não se fazem por download, está a perceber? Para mim é tão contra-natura dizer que o sexo só serve para procriação como usá-lo só para o prazer.

Por si passaram, nestes seis anos, três ministros da tutela e dois procuradores-gerais da República. Como os avalia?
No início tive relações algo difíceis com Alberto Costa, mas ele cedo percebeu que eu não era aliciável. As coisas na Ordem costumavam-se compor com umas avenças, uns contratos… comigo não, eu tinha suspendido a advocacia. A pior ministra foi esta: não dialoga e foi traiçoeira comigo, está-lhe na massa do sangue. Combinava comigo uma coisa e mandava informação para a comunicação social do contrário. O Alberto Martins ia ser um bom ministro, se o Governo não tivesse caído. Estava a fazer um bom trabalho.

Já não apanhou António Costa como ministro.
Não. Esse é o criador de alguns dos piores males da justiça portuguesa, como a acção executiva. Ele e o José Miguel Júdice, que foi seu mandatário para a Câmara de Lisboa e rasgou o cartão do PSD para ir faturar na frente ribeirinha. Estava ali montado um dos mais gigantescos negócios de comissões e luvas de que há memória. Houve uma parte saudável do Partido Socialista que correu com ele. E pode acreditar-se num político como António Costa? Só quem não tiver memória.

E os procuradores-gerais da República?
Pinto Monteiro é um homem de uma integridade absoluta. Foi injustiçado, a ministra da Justiça queria exonerá-lo antes do final do mandato. Cavaco Silva é que não deixou.

E Joana Marques Vidal?
Tenho esperanças nela, tem tido uma postura muito correcta, nomeadamente no que respeita a degenerescências como a violação do segredo de justiça.

Mesmo na trapalhada de Angola?
Nunca controlou a situação, porque o Ministério Público não está verdadeiramente hierarquizado. Os seus agentes agem em roda livre, como se fossem juízes. E muitos estão permanentemente em estado de conspiração e insubordinação contra a hierarquia.

Diz que todo o homem tem um preço. Qual é o seu?
Muito elevado, acho que ninguém o paga. Uma vez, no final dos anos 80, entrou alguém no meu escritório para eu escrever umas coisas no jornal: “Olha que trago aqui muito dinheiro.” Abri os olhos de surpresa porque percebi que estava a falar a sério. Eu ganhava cento e tal contos por mês, não chegava a mil euros. Não esperava que essa pessoa fizesse de mim uma ideia venal. Saiu-me um: “Isso é pouco.” Disse-lhe que cem mil contos era de quanto precisaria para fazer uma plástica à cara, mudar de identidade e sair do país. E mandei-o sair. Hoje cumprimento-o, mas nunca mais lhe estendi a mão.

Não foi a única vez, pois não?
Não. O problema da corrupção é ficar-se nas mãos do corruptor para o resto da vida.