domingo, 31 de maio de 2015

The heat and the death toll are rising in India. Is this a glimpse of Earth’s future? / GUARDIAN.

The heat and the death toll are rising in India. Is this a glimpse of Earth’s future?

Catherine de Lange

The heat and the death toll are rising in India. Is this a glimpse of Earth’s future?
Global warming could also have a shattering impact on our ability to feed ourselves

Roads have twisted in the heat. Hospitals are overwhelmed by thousands of dehydrated people, the poor, the elderly and children among the worst hit. Urgent instructions to wear wide-brimmed hats and light-coloured cotton clothes, use umbrellas and drink lots of fluid have been issued by the government.

India is struggling to cope with one of the deadliest heatwaves to hit the subcontinent. And its attempt to do so is raising a question for the whole planet – how can humans cope with the kinds of temperatures that scientists fear may become ever more common?

In only 10 days, the death toll is reported to have reached around 1,800, a 20-year high. The brunt of the burden has fallen on the southern state of Andhra Pradesh, where 1,300 people have died, the highest loss of life due to heat the state has known, according to officials. By comparison, 447 people in the state died from the heat last year.

The blistering temperatures may, mercifully, be about to break, as there are signs that the longed-for monsoon may be arriving in the form of showers and thunderstorms in the south. But as temperatures neared 50C in recent weeks, leave for doctors has been cancelled and the government has issued warnings for people to stay indoors and stay hydrated. For many, though, that isn’t an option.

The greatest loss of life has been among the elderly and the poor, in particular day labourers who have little alternative but to risk their lives in the heat for fear of losing their livelihoods.

“People are dying and suffering, and I think it shows us the vulnerability that exists even in an area that is used to very hot weather,” said Peter Stott at the Met Office in Exeter. “It can still have a major impact.”

It is hard to say for sure whether any single extreme weather event is a result of manmade climate change, but this is a scenario we should get used to seeing more of, scientists say. As the effects of climate change take hold and global temperatures creep up, extreme heat events will become more common.

“Recent research shows that heatwaves are currently five times more frequent than they would be in the absence of human-caused warming, and the chance of any particular heatwave being caused by climate change is 80%,” a spokesperson for Greenpeace said, adding that unless efforts are made to cut carbon emissions, heatwaves are forecast to be 12 times more likely by 2040.

These trends will push the capabilities of the human body beyond the limits of the cooling systems it has evolved and raise serious questions about the future of food production and farming. Globally, more than half of all working hours outside the home are spent outdoors, mainly in agriculture.

As the heatwave in India shows, those who have to work outside in hot conditions are at the greatest risk of heat exhaustion and heatstroke. There are reports that construction workers in the Indian city of Gurgaon had no choice but to continue working all last week in temperatures higher than 43C, in order to earn their wage of 200 rupees a day (about £2).

“If everybody had the same lifestyle as Europeans and Americans, it wouldn’t be so much of an issue, but most of the food that is generated and grown in south-east Asia, Latin America and parts of Africa comes from small landholders,” said Mark Maslin, professor of climatology at University College London (UCL).

“In the south of the US people in air-conditioned tractors are farming vast areas in an industrial way, but most of the world works on smallholders producing enough food to feed themselves and enough surplus to provide food for the local towns and cities.”

This problem is exacerbated by the fact that humidity in the areas most affected by climate change poses an insurmountable challenge to the way the human body deals with heat.

“Humans can survive for short periods in environments hot enough to cook a steak, as long as the air is dry,” said Matthew Huber at the Purdue Climate Change Research Center in Indiana, who has studied the extent to which humans might adapt to heat stress as a result of global warming. Those same temperatures in more humid climates would kill us. “Humans have a vast and nearly unique capacity to cool themselves by sweating – but this only works when the air is relatively dry,” he added.

In very dry conditions, people can work outside in temperatures of up to 40C. But the safety cutoff drops below 30C when you have very high humidity. To calculate the limits in which it is safe for people to work in extreme heat, scientists rely on a measure of temperature that takes into account both the heat and the humidity.

This is known as the wet-bulb globe temperature. At wet-bulb temperatures higher than 35C, human skin can no longer itself cool down through evaporation. The US military suspends training and physical exercise when this temperature exceeds 32C. Peak wet-bulb temperatures measured in the heatwave in India are around 30-31C.

“While this value is less than the 35C threshold, that threshold is the value for a healthy, fully hydrated person in the shade who is not engaged in labour,” said Huber, explaining why the heatwave in India has been so lethal. “On the other hand, for poor workers in India, not working can also carry serious consequences.”

In recent years, several groups have used this measure to make predictions about what rising temperatures will mean for workers worldwide, and to paint a picture of what global productivity will look like as average temperatures creep up. A recent study published in Nature Climate Change estimates that heat stress has already reduced global labour to 90% of capacity during the hottest months of the year. Under the most dire climate change projections, this could fall as low as 40% by 2200. The regions predicted to be worst affected include India, northern Australia and the south-east of the US.

But countries that cannot afford technological adaptations such as air conditioning will be affected the most. “As climate change starts to bite and these heatwaves come, people in poor countries are very vulnerable because they don’t have another source of income,” said Maslin. “So if their crops fail and they are not able to work outside, they don’t have the money to buy food so they starve.”

The effects of crop failure are also likely to have global repercussions in terms of food security. In 2009, Maslin was involved in a report published by UCL and medical journal The Lancet on how to manage the health effects of climate change. It said that the biggest threat from climate change was to food and water security.

“You have a double whammy: your populations are increasing and the heatwaves are increasing. So the amount of food you can produce is going to decrease and there you have a major crisis,” Maslin said. He pointed to a Russian heatwave in 2010 that affected global wheat prices.

Although numbers are hard to pin down, it is forecast that many people will be forced to leave their homes, making climate migration an international issue. About 17 million people were displaced by natural hazards in 2009, and 42 million in 2010, according to a British government report. People who work outside, in extreme cases of climate change, may become seasonal migrant workers, Huber said.

In the short term, policies that could help include instituting international work standards for heat conditions, or even switching to night-time working to reduce exposure. “I predict that access to air conditioning – or an equivalent technology – will become a fundamental right enshrined in international law,” Huber said.

Nevertheless, such technological solutions come with their own problems. Relying on air conditioning for survival means that power cuts – which are common during heatwaves – would become life threatening. Much better, scientists say, would be to reduce global warming. The next Lancet commission, a follow-up to the 2009 report, is due next month. “It focuses on cutting emissions and why this is so important for global health,” Maslin said.“The reason is that, as far as economists can see, there is no way of ensuring those people have enough money to be protected from the problem of not being able to grow food.”

Stott agreed. Bleak as the picture is, he said: “The key thing is where emissions go. When we think about the future, it’s a very different world depending on what happens to carbon emissions – and there’s still plenty of opportunity to avoid those worst effects. The next few years are crucial. It’s all to play for.”


Cooling The body works hard to keep its core temperature at around 37C. As it heats up, blood vessels expand, sending blood to the surface of the skin to cool it down. Sweating increases in an attempt to cool the surface of the skin through evaporation, though high humidity can make this impossible.

Ode à mercearia / Lucy Pepper

Ode à mercearia

É na mercearia que ficamos à espera para ser atendidos, e enquanto esperamos, ouvimos e aprendemos.

Lucy Pepper
31/5/2015 / OBSERVADOR

Graças a deus que existem cidades antigas, em cujos centros históricos é difícil instalar um supermercado, porque é assim que sobrevivem as mercearias.

Estão abertas durante 12 horas por dia, 6 dias por semana, à espera que eu me lembre das coisas de que me esqueci.

Depois de umas poucas de visitas à mercearia, a Dona Ana começou a mandar-me ir buscar coisas por mim própria, mesmo nas áreas que ficam por detrás do balcão, quando lhe acontece estar ocupada com outro cliente. Se a encontro sentada num degrau ao fundo da loja, a fazer as suas contas, posso deixar as moedas certas para pagar os ovos que tirei da divisão misteriosa ao lado da mercearia.

O frigorífico barulhento chocalha e geme todo o dia com a sua seleção estranha de manteigas, iogurtes, vinhos e refrigerantes, ao lado do congelador onde residem quantidades vastas de lulas congeladas e esparregado. Está sempre escuro dentro da mercearia e os nossos olhos precisam de uns segundos para se habituarem. Nos dias de calor, está ainda mais escuro, graças a uma persiana estendida por cima da porta, de modo que a fruta, nas prateleiras de mármore logo à entrada, não se estrague.
O balcão frigorífico com os produtos frescos — queijos bons de leite de ovelha, queijos maus de tipo flamengo, e pacotes aleatórios de bacon e presunto — oculta o lugar secreto onde a Dona Ana guarda os enchidos. Pelos enchidos, tem se de perguntar. A Dona Ana sugere as versões mais baratas de bolachas, para o caso de eu estar interessada. Atrás do balcão, está a caixa registadora, uma daquelas caixas novas onde tem de se bater no écran com o dedo, categorizando cada coisa, ou passar o código de barras pelo scanner. Ela ri-se, porque a máquina só lê bem os produtos metade das vezes.

Há um banco de plástico para quem precisa de se sentar. Durante várias horas do dia, está sempre uma senhora idosa sentada no banco, à espera de que a Dona Ana acabe de percorrer as prateleiras à procura do que ela precisa. As clientes sentam-se e contam histórias das suas consultas no hospital ou dos problemas dos seus netos na escola, ou simplesmente sentam-se, exaustas pelo calor, olhando para os turistas que entram e pedem coisas em espanhol básico porque não leram aquela parte do guia turístico que explica que aqui não é Espanha e que deviam tentar falar Português básico.

A Dona Ana é a guardiã das fofocas, e quase todas as fofocas são sobre doenças graves ou sobre mortes. Quando entro na mercearia, encontro-a sempre a conversar sobre um assunto qualquer com alguém, e depois da pessoa sair, continua a história comigo, sem voltar ao início, como se eu tivesse conhecido o Sr. João (aquela com a perna esquisita e uma filha em Angola, e que morreu a semana passada) toda a minha vida.

Há um cesto de algas para sushi no chão, ao lado do banco. Há latas de “baked beans” ingleses na prateleira, ao lado das de feijão frade, e que compro nos dias maus, quando preciso do conforte de uma comida da minha terra. “Porque vende isto?”, perguntei um dia. “Ah, há pessoas daqui que foram lá fora e voltaram a gostar disso … são muito populares”. Quem sabe?

As mercearias já estão mais ou menos extintas na aldeia suburbana onde eu vivia antes de me mudar para Lisboa. Em dez anos, quatro supermercados apareceram e limparam do mapa todas as lojas, menos as mais teimosas. A mercearia que sobreviveu perto da minha casa foi uma bênção durante os meus primeiros anos em Portugal. Não por causa dos produtos que vendia, mas por me ter ajudado a tornar-me parte da comunidade.

É na mercearia que ficamos à espera para ser atendidos, e enquanto esperamos, ouvimos e aprendemos. Ouvimos as bisbilhotices, aprendemos os nomes das pessoas, tornamo-nos numa cara que as pessoas começam a conhecer, dizemos olá aos bebés e vemo-los crescer, descobrimos um vocabulário novo, e passamos a figurar na vida local. Aprendi a falar português com maior fluência devido ao muito tempo que passei à espera na mercearia e descobri muita coisas sobre como as pessoas vivem, o que fazem com os ingredientes que compram, como lidam com os seus problemas — muito mais do que teria aprendido a empurrar um carrinho num supermercado.

Na minha rua em Lisboa, há três mercearias, um talho e uma papelaria, e dentro de cada uma delas, pode-se conversar, brincar e ter a oportunidade de começar pertencer a uma comunidade.

E quando a patroa da mercearia aprende o nosso nome e se lembra de o usar na nossa visita seguinte, ficamos a saber que somos de cá.

Le Pen no Egipto, um país muçulmano “anti-islamista”

Marine Le Pen en Egypte, un « pays arabe anti-islamiste »
Après Moscou, Le Caire. En pleine campagne présidentielle avant l’heure, Marine Le Pen poursuit sa tournée de visites surprises à l’étranger. Depuis jeudi 28 mai, la présidente du Front national (FN) se trouve dans la capitale égyptienne pour un séjour de « plusieurs jours ». Elle a été reçue dans la soirée de jeudi par Ahmed Al-Tayeb, le cheikh de la mosquée d’Al-Azhar, une prestigieuse institution de l’islam sunnite.

Le Pen no Egipto, um país muçulmano “anti-islamista”

A líder do partido de extrema-direita francês disse ter “múltiplas convergências de opiniões” com o imã da Al-Azhar

Clara Barata / 31-5-2015 / PÚBLICO

Marine Le Pen foi ao Egipto, e foi recebida por Ahmed Al-Tayeb, o grande imã da Al-Azhar, uma prestigiada instituição do islão sunita. É um surpreendente encontro para a líder da Frente Nacional (FN), que prega contra os imigrantes muçulmanos, afirmando que fazem com que os franceses “não se sintam em sua casa”. Mas Le Pen apoia o Presidente Abdel Fattah Al-Sissi e a sua política “anti-islamista”.
Para ganhar a aposta das eleições presidenciais de 2017, é preciso tornar o partido mais “normal”. Para isso, seria importante fazer uma deslocação a um país árabe, explicou ao Le Monde um elemento da equipa de Aymeric Chauprade, o especialista em geopolítica de Marine Le Pen que organizou a viagem da líder da FN, e que esta semana já a levou também a Moscovo.
O Egipto encaixou-se neste perfil de país muçulmano, pois o Presidente Sissi, chegado ao poder num golpe militar que afastou o Presidente Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana, não nutre quaisquer simpatias pelos movimentos revolucionários ou jihadistas islâmicos, que persegue como terroristas. “Era importante encontrar um país árabe anti-islamista e com uma visão secular da religião”, explicaram ao diário francês.
A Al-Azhar é uma instituição que se tornou um centro teológico do islão sunita, que supervisiona várias universidades e dá aulas a milhares de alunos de todo o mundo. Tem demonstrado um desejo de moderação e diálogo com o cristianismo —por isso, Marine Le Pen procurou ser recebida pelo imã Ahmed Al-Tayeb. Logo a seguir a esta audiência, que soa a uma importante limpeza de imagem da política de extrema-direita, a FN emitiu um comunicado em que afirmava: “As convergências de opiniões entre a presidente da Frente Nacional e a mais alta autoridade sunita do mundo árabe são múltiplas.”
O encontro, diz o comunicado da FN, “permitiu ao grande imã descobrir o verdadeiro projecto político de Marine Le Pen”. Sem hesitação, diz que contribuirá para “apagar os efeitos infelizes da desinformação mediática no espírito de numerosos muçulmanos em todo o mundo”.
Mas o imã Ahmed Al-Tayeb, através de um porta-voz, não pareceu convencido: sublinhou que as “opiniões da FN devem ser revistas e corrigidas”, lamentando “as suas posições hostis ao islão e aos muçulmanos”, adianta a AFP. Além disso, esclareceu que o encontro tinha sido pedido por Le Pen, para “discutir assuntos relacionados com ideias erradas acerca do islão e ideologias extremistas e racismo que estão a fazer sofrer alguns muçulmanos na Europa.”

Marine Le Pen foi também recebida pelo papa copta Teodoro II, a quem manifestou a sua “muito grande inquietação por causa dos cristãos do Egipto, da Síria e do Iraque”. Este líder religioso ofereceu-lhe uma cruz copta.

A Europa deixou de exportar estabilidade para passar a importar instabilidade / TERESA DE SOUSA

A Europa deixou de exportar estabilidade para passar a importar instabilidade

Crises de diferente natureza convergem e entrecruzam-se, levando a Europa em passo rápido em direcção a uma tempestade perfeita.

1. A Europa está hoje a viver uma situação única em que, quase sem se dar por isso, crises de diferente natureza convergem e se entrecruzam, levando-a em passo rápido em direcção a uma tempestade perfeita.
Internamente, os líderes europeus vão reunir-se no final do mês para avaliar o que ainda falta fazer na construção de um governo para a zona euro que previna o tipo de crises que viveu nos últimos cinco anos. Sabemos a história. A resposta inicial e ainda relutante de Angela Merkel acabou por transformar-se numa oportunidade que a Alemanha não desdenhou de redefinir o novo quadro da moeda única, enquanto moeda verdadeiramente alemã, completando aquilo que ficou por fazer em Maastricht, quando Kohl ofereceu o marco em troca da reunificação. Teve de ceder mais do que porventura desejaria, incluindo o papel crucial do BCE para evitar um desastre, primeiro em Agosto de 2012, e depois com a injecção maciça de liquidez nos mercados para evitar a deflação e animar algum crescimento, numa série de medidas não convencionais justificadas pela dimensão e pela gravidade do que estava em jogo. Em contrapartida, e para além da receita da “austeridade redentora” que impôs aos países da troika mas também aos outros, fez adoptar novas regras para o funcionamento da zona euro que obrigam a muito maior responsabilidade nacional sobre as finanças públicas (Tratado Orçamental) e a um programa de reformas para sustentar um modelo económico mais “alemão” e mais competitivo. Os custos sociais foram enormes em muitos países. Politicamente, os estragos foram ainda maiores. A fragmentação política e económica da Europa está ainda longe de se poder considerar superada para deixar de ser um risco sério. Muitos europeus deixaram de ver na Europa uma vantagem. Os do Sul porque se viram sujeitos a programas de ajustamento brutais. Os do Norte porque não querem pagar o preço de manter a união monetária intacta. A prova real: os movimentos populistas ainda estão na sua fase ascendente. Uns são “românticos” como na vizinha Espanha. Outros são realmente perigosos, alimentado o nacionalismo e a xenofobia entre os próprios europeus. E condicionando os governos. Na Finlândia, o novo Governo de centro-direita resolveu dar aos Verdadeiros Finlandeses a pasta dos Negócios Estrangeiros e da Europa. A Grã-Bretanha entrou numa perigosa deriva antieuropeia ainda sem fim à vista. Seria uma catástrofe para ela e para a Europa. A Grécia transformou-se num despojo de guerra. Na França ou na própria Alemanha o desapego em relação à Europa é cada vez mais visível.

2. A crise alterou completamente os velhos equilíbrios internos na União, dando à Alemanha um poder enorme e desviando as decisões das instituições europeias para as mãos da chanceler, agora mais disposta a reparti-las com Paris. Levou tempo, mas, mais uma vez, Berlim percebeu que isolar-se da França não era um caminho avisado. A França rendeu-se à ideia de que a sua relação especial com Berlim é o que lhe resta para manter alguma forma de liderança europeia.

Falta resolver o problema maior: como voltar a convencer os europeus de que a convergência ainda é possível e que a Europa ainda é uma vantagem que, em maior ou menor grau, serve a toda a gente e não apenas a alguns. Incluindo os gregos. A Grécia é a prova provada de que a crise do euro ainda não terminou. Muita gente, desde Wolfgang Schauble a Durão Barroso passando por Lagarde, insiste em que a União poderia gerir facilmente uma saída da Grécia. É duvidoso. Falta ao euro fazer a sua suprema prova, a da irreversibilidade. Tal como a Califórnia, mesmo endividada, não pode abandonar o dólar, a união monetária europeia não pode ter uma geometria variável. A reversibilidade teria consequências de tal modo imprevisíveis que, em Atenas ou em Berlim, ainda ninguém se atreveu a dar o passo em frente.

Os líderes vão tentar avançar na reorganização da zona euro na próxima cimeira, a 25 e 26 de Junho. O Governo português enviou para Bruxelas a sua visão do futuro governo europeu, com uma agenda ambiciosa e sobretudo muito europeia, no bom sentido da palavra. Mas não vale a pena ter grandes expectativas. Primeiro, porque a carta franco-alemã com a contribuição dos dois países é um conjunto de ideias suficientemente vagas para limitar o debate a alguns argumentos banais. Segundo, porque o Grexit e o Brexit dominarão todas as atenções. Hollande quer o máximo de imobilismo, incluindo a recusa em rever os tratados antes de 2017, porque acredita que é o melhor caminho para um segundo mandato, enquanto vai tentando levar a cabo a tarefa ciclópica de reformar a França. Merkel quer manter a ponte entre o seu compromisso com a França e o seu desejo de manter o Reino Unido na Europa. David Cameron já iniciou a sua campanha pela devolução de poderes a Westminster, aliás elevando a fasquia a uma altura que começa a ser perigosa. Nas últimas 24 horas visitou Varsóvia, Paris e Berlim, depois de receber Juncker na sua casa de campo, sem conseguir disfarçar a incomodidade mútua. Merkel mostrou-se compreensiva. Quer discutir coisas substantivas e não princípios gerais. A chanceler precisa de Cameron para levar a bom porto as negociações do TTIP, tendo na França um parceiro muito mais reticente. E convém lembrar que o primeiro-ministro britânico foi o seu único aliado nas cimeiras do G20, quando o mundo inteiro lhe pedia para mudar a sua política de austeridade, de forma a tirar a Europa da recessão e a ajudar a economia mundial.

3. Esta é a crise interna. Falta a crise externa que, enquanto a Europa tentava salvar o euro e salvar-se a si própria, transformou radicalmente o seu enquadramento estratégico. A União deixou de ser, como o foi depois da queda do Muro, um pólo de irradiação de estabilidade nas suas fronteiras para passar a sofrer ela própria da instabilidade gerada nas suas fronteiras. Esta nova realidade estará, porventura, na origem da mudança de atitude da chanceler em relação a Paris. Fê-la ver que a geoeconomia não é tudo e que a segurança é indissociável da economia. A chanceler aprendeu depressa. Quando Hollande interveio no Mali em Fevereiro de 2013 para estancar a ofensiva jiahdista, Berlim respondeu com desdém: “Não temos de pagar as aventuras militares da França." Corrigiu o tiro. Viu o Médio Oriente e o Norte de África incendiarem-se na Síria, na Líbia, no Iraque, acrescentado uma crise de refugiados de dimensões nunca vistas desde a II Guerra para as quais a Europa não tem resposta. Percebeu o risco do novo terrorismo fomentado pelo Estado Islâmico. O maior choque veio, no entanto, do Leste. A Rússia decidiu travar a “europeização” das antigas repúblicas soviéticas que estão entre a sua fronteira e a fronteira europeia, recorrendo abertamente à força militar. A Turquia caminha a passos largos para uma via que a afasta cada vez mais da Europa. A gestão das negociações com o Irão abalam as velhas alianças no Médio Oriente com os Estados Unidos. A Europa deixou de exportar estabilidade para passar a importar instabilidade.

Como encaixar estas duas agendas, a interna e a externa, é o grande desafio que a União tem pela frente. Com todos os seus defeitos, a chanceler leva as coisas a sério. A visita que fez a Moscovo no dia 9 de Maio, a que não se deu grande importância, foi a imagem da sua forma de fazer diplomacia. Primeiro, foi prestar homenagem aos soldados russos mortos na Guerra contra o nazismo. Sozinha. A Alemanha não esquece a sua história. Imediatamente depois, numa conferência de imprensa com Vladimir Putin, disse tranquilamente que a ocupação da Crimeia era um “crime” internacional.


Os últimos dias de Atenas? Talvez não / Jorge Almeida Fernandes

Os últimos dias de Atenas? Talvez não

Mais do que inovador, o Syriza parece uma opção de continuar a “velha Grécia”

Jorge Almeida Fernandes / 31-5-2015 / PÚBLICO

Escrever sobre a Grécia é um exercício de repetição. A “contagem decrescente” está sempre a ser anunciada. Há sucessivas “datas fatídicas” — que podem não ser fatais. No início da semana era o dia 5 de Junho, em que Atenas deverá pagar 306 milhões de euros ao FMI. E outros pagamentos deverá fazer a 12, 16 e 19 de Junho. Terá entretanto de pagar aos funcionários e pensionistas. “Ninguém sabe exactamente quanto resta na caixa do Estado grego”, diz um economista. A falta de pagamento ao FMI não implica um default imediato. Gregos e UE terão mais quatro semanas para alcançar um compromisso.
Grave é o facto de ambas as partes se terem lançado numa negociação “à beira do abismo”, onde cada uma quer ganhar tempo à espera de que a outra ceda primeiro. Acontece que o tempo —e o dinheiro grego — se está a esgotar.
O Governo grego está dividido. O Syriza é um conglomerado de facções divergentes ou até antagónicas. Também os credores não estão de acordo entre si. A Comissão Europeia estaria aberta a um acordo limitado para sair do impasse actual; o FMI defende a reestruturação da dívida, o que Berlim não aceita antes do fim do actual programa; em compensação, o FMI mostra-se intransigente nas reformas do mercado do trabalho, da segurança social, da idade de aposentação, coisas de que o Governo grego e o Syriza não querem ouvir falar.
Nenhuma das partes quer a ruptura. Mas esta dinâmica de negociação, do “risco calculado” e do bluff , é propícia a incidentes que podem fazer detonar uma crise incontrolável: o tempo está a esgotar-se, é baixa a confiança entre as partes, Atenas pode ficar sem fundos e não se sabe o que acontecerá. Uma saída ordenada da Grécia do euro pode ter um preço alto, mas é uma hipótese a discutir. Um Grexit desordenado seria um “buraco negro”.
Para os gregos seria a tragédia absoluta que os faria ter saudades de 2010-12. E para a UE? Preveniu em Dresden, no G7, Jack Lew, secretário do Tesouro americano: “A ideia de que não haverá contágio e de que não haverá consequências fora da Grécia é um erro.” A Grécia deverá fazer reformas e os credores deverão mostrar flexibilidade. “Mas fazer joguinhos é uma coisa perigosa porque basta um incidente” para fazer saltar tudo.
As linhas vermelhas
Atenas sublinha as “linhas vermelhas” de Alexis Tsipras, as matérias em que ele não pode ceder porque foi eleito com base nelas. “O problema é que os gregos votaram ao mesmo tempo para acabar com a austeridade e para permanecer no euro”, observa o jornalista britânico Philip Stephens. Atenas invoca a legitimidade democrática do seu Governo. E se esta entra em colisão com a legitimidade democrática dos governos dos outros países da zona euro?
Noutros termos: pode a Grécia permanecer no euro e pedir ajuda financeira sem um programa económico? O historiador grego Sthatis Kalyvas resumiu o quadro após a vitória de Tsipras: “Dado que o Syriza se opõe a muitas das reformas estruturais que são necessárias (...), a aplicação do seu programa exigiria nada menos do que um compromisso da UE em financiar permanentemente os seus crescentes défices. Isto não é realista.”
O Syriza ganhou as eleições num momento favorável em que cresciam as críticas às políticas de austeridade e às troikas. Não o soube aproveitar. Nas primeiras semanas acumulou erros de cálculo. As exibições de Yanis Varoufakis criaram anticorpos. Tsipras apostou em dividir os europeus e explorar as divergências sobre o euro e a austeridade. Mas nada obteve de Renzi ou de Hollande, para quem eram inaceitáveis as novas exigências de Atenas. Equivocouse sobre as posições de Portugal, Espanha e Irlanda ou sobre os Bálticos.
A campanha nacionalista germanófoba funcionou na Grécia mas não no exterior. A ameaça de viragem das alianças — aproximarse de Moscovo — foi um fogacho. Antes de ser eleito, já Tsipras tinha apostado na inevitável cedência da UE graças ao pânico de um default grego que faria implodir a zona euro. O risco permanece, mas não tem o peso da ameaça de 2011.
Atenas desperdiçou os bons argumentos que jogariam a seu favor. A sua flutuante estratégia negocial é um enigma. As “linhas vermelhas” de Tsipras são o que resta do seu programa eleitoral. Mas elas próprias devem ser questionadas porque as suas raízes são mais fundas do que a ideologia e as promessas eleitorais.
O “antigo regime”
As troikas e os economistas sempre deram pouca atenção às raízes da crise grega que se fundam na natureza do seu Estado — do clientelismo à ausência de uma máquina fiscal moderna. Sem reforma do Estado nenhum programa económico funciona.
Surpreendentemente, Tsipras não deu a indicação de estar interessado na reforma do Estado — o que pareceria lógico, dado o Syriza não ter sido responsável por essas práticas. Estas decorrem da História grega e dos dois partidos que a dominaram desde a integração europeia — a Nova Democracia e o Pasok.
George Prevelakis, especialista da geopolítica balcânica, escrevia em 2011: “Após a criação da Grécia moderna, o principal instrumento do clientelismo foi o emprego dos ‘protegidos’ no Estado. O maná vindo do exterior desde 1981 permitiu engordar o Estado, que emprega actualmente mais de um milhão de pessoas, um quarto da população activa da Grécia. Aos problemas ligados à sua dimensão, junta-se a existência de redes de corrupção que levaram a uma ‘privatização mafiosa’ do sector público [por partidos e sindicatos].”
A que se deve a inabalável resistência do Syriza em tocar no funcionalismo, no sector público, no sistema de pensões, na flexibilização do trabalho ou no sistema das convenções colectivas? A considerações sociais ou revolucionárias? Ao medo de perder eleições? Ou à sua adaptação aos “costumes” da velha sociedade? “O eleitorado nunca apoiou os políticos sérios. Pelo contrário, os eleitores participavam na ‘grande festa’ financiada por recursos fictícios”, anota o mesmo autor.
Tudo isto deixa a noção de que, em vez de inovador, o Syriza significa uma opção esquerdista de continuidade em relação à Grécia das últimas décadas.

Há, no entanto, um ponto em que economistas e tecnocratas não pensam e que muito preocupa italianos, ingleses e, sobretudo, americanos. A Grécia está situada no crítico Sueste da Europa, na vizinhança do Médio Oriente e por onde passam grandes migrações, região em que russos e chineses têm elevado interesse. Um novo foco de turbulência nos Balcãs seria uma catástrofe geopolítica para a NATO. Os gregos sabem-no. É um dos argumentos que jogam a favor de uma política mais flexível perante a Grécia. Foi o que o americano Jack Lew quis dizer no G7 de Dresden.

sábado, 30 de maio de 2015

Coches, corporações e má política / LUÍS RAPOSO / Foi você que pediu uma garagem para coches antigos? / António Sérgio Rosa de Carvalho./ Le Corbusier plus facho que fada / Benoît PEETERS

Luís Raposo volta a analisar de forma pertinente o ilustrativo “casus” do Novo Museu dos Coches.
Em nota de rodapé, será também pertinente relembrar que neste momento em França um dos livros mais lidos no que respeita a História da Arquitectura é : “Le Corbusier: Un Fascisme Français”,( Ver em baixo ) onde o autor Xavier de Jarcy, confirma definitivamente através de sólida argumentação histórica, que a disponibilidade de Le Corbusier em servir o Governo de Vichy não era apenas baseada em puro oportunismo mas, em convicção ideológica “Petainista”. ( Aliás tal como Giuseppe Terragni em Itália com Mussolini / A “Casa del Fascio” em Como, está lá para o comprovar e ilustra a ambígua relação entre o Modernismo Vanguardista e o Fascismo nesta época ).
Estes constituirão factos incontestáveis mas difíceis de aceitar para toda a geração de Arquitectos como Nuno Teotónio Pereira ( a que Raposo se refere ).
Mas, aqui trata-se de Le Corbusier como hábil auto-mistificador e criador de a imagem do Arquitecto como Visionário semidivino e Ser Superior que impõe a sua Obra, indiferente aos efeitos e consequências das suas intervenções nos contextos Humanos e Naturais .
Neste sentido, Le Corbusier foi o inventor do Star System na Arquitectura.
verificamos mais uma vez que a Crítica de Arquitectura é inexistente em Portugal e constitui únicamente um simulacro / extensão dos interesses corporativos da Classe / Lobby Arquitecta, que dominam também o Mundo Académico.
A autora que se intitula “crítica de Arquitectura”, produz apenas um panfleto acrítico e mistificador, de descarado apoio.
Isto só comparável à irreponsável apologia da elevação / “pilotis” neo – corbusiana, precisamente, uma das principais características entre outras, que tornam ( além da grave irresponsabilidade financeira e vazio museológico ) este elefante branco num atentado descontextualizado da envolvente e um insulto ao Povo Português na presente crise.
O lema deste projecto poderá ser reduzido à máxima formulada por Rem Koolhaas, outro
demiurgo do Star System, que num momento de suprema arrogância, abertamente afirmou : “FUCK the CONTEXT” ou seja “Que se lixe o Contexto”
Volto a publicar um artigo da minha autoria já publicado a 27/08/2011 no Público.: “ Foi você que pediu uma garagem para coches antigos?”/
António Sérgio Rosa de Carvalho
Historiador de Arquitectura
30-5-2015 / OVOODOCORVO

Coches, corporações e má política

O novo Museu dos Coches aí está, celebrado por cortesãos, um pouco à laia de órfão enjeitado.

“Decididamente, nesta cidade embalada em lendas, tudo é fábula de museu.” José Cardoso Pires, A República dos Corvos.

Consummatum est. O novo Museu dos Coches aí está, celebrado por cortesãos, um pouco à laia de órfão enjeitado, num ambiente de lenda ou fábula que faria as delícias de um qualquer corvo taberneiro, segundo a narrativa em que José Cardoso Pires dá conta de alguma da mais castiça atmosfera lisboeta. Raquel Henriques da Silva (R.H.S.), em oportuno texto de opinião neste jornal no dia mesmo da inauguração (22.5.2015), disse praticamente tudo o que importava assinalar naquela data. Observou nomeadamente como nesta ocorrência se junta o pior da política com o pior das corporações, sobrelevando aqui a dos arquitectos, sempre dispostos a usar metáforas eloquentes, a falar em construção de cidade e cidadania, mas afinal sobretudo precisados de clientes e por isso solícitos de todos os poderes. Nem todos os arquitectos, é certo, mas neste caso alguns dos mais celebrados pelo centrão dos interesses, incluindo responsáveis da respectiva Ordem profissional, pelo menos na fase inicial do processo.

A publicação de um livro um tanto emproado, juntando arquitectos e políticos de turno, sem esquecer o empreiteiro da obra, confirma o universo ficcional em que tudo se move neste processo (cf. Museu Nacional dos Coches. Lugar, projeto e obra, ed. Uzina Books). Não se comete aqui o erro de encher quase uma centena e meia de páginas com fotografias mais ou menos impactantes, belas por vezes, mas dedicadas apenas a formas exteriores e espaços interiores vazios — como acontece regularmente em revistas prestigiadas (cf. Arquitectura Ibérica, n.º 31, que consagra um extenso dossiê temático aos museus… sem incluir uma única imagem de espaços preenchidos por colecções). Não, aqui faz-se algum uso de coches e até de quem lhes confere cuidados de última hora — cosméticos apenas, claro, porque o estado de conservação deplorável de parte importante da colecção, esse bem pode ficar à espera… Mas, percorridos textos e imagens, o que mais ressalta é essa sensação profunda de que o conteúdo possui dimensão meramente decorativa e, no fundo, se mantém a estranha esquizofrenia de uma arquitectura que se compraz em evidenciar volumes, procurando depois justificações funcionais pseudo-elegantes… Na ocorrência, a ideia genial de que a frieza da garagem dialoga com as colecções… pela ausência de diálogo, ou seja, pela invocação do contraste — o que é particularmente sublinhado pela falta de projecto de comunicação, senão de projecto de museografia (de facto, a directora esteve quase que ausente de todo este enredo e quando surgiu foi para assinalar que também tinha sido mobilizada para ajudar a cobrar bilhetes… cf. Diário de Notícias de 24.5.2015, sob o título Lindíssimo mamarracho. O Museu dos Coches já abriu).

O foco posto anteriormente na corporação dos arquitectos não deve confundir-se nem com o apreço pelo ofício, nem muito menos com a admiração por muitos dos seus oficiais. Como em todas as profissões, existem pessoas que não apenas falam muito de, como efectivamente praticam a cidadania. Foi o caso de Nuno Teotónio Pereira, que desde a primeira hora se juntou aos opositores da opção política da construção de um novo Museu dos Coches e, até, aos que denunciaram o processo de convite sem concurso publico e criticaram o projecto adoptado. Não nos deixemos, pois, submergir em guerras corporativas intestinas, perpetuando relações de amor-ódio que, todavia, sempre existiram e existirão, podendo ser saudáveis, se assumidas às claras.

Não, o cerne da questão não está no projecto de arquitectura. Está em tudo o que o precedeu, acompanhou e continuará depois da sua consumação. R.H.S. contribuiu no seu texto com mais alguns dados sobre esta autêntica saga, esclarecendo como se passou da ideia da ocupação do espaço pela Escola da Arte Equestre, com pequena extensão do Museu dos Coches, para a avassalante situação actual. Depois foi uma sucessão de autismos, e mesmo autoritarismos, por parte de políticos seduzidos pelos fumos dos capitais europeus e sedentos de grandes obras públicas — daquelas de que ninguém sentia a falta, a começar, no caso vertente, pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa e actual líder do Partido Socialista. Começou por dar-se de barato a inevitabilidade da destruição das preexistências do local, onde, em respeito da história, chegou a ser proposta a instalação de uma secção de viaturas mecanizadas da antiga Casa Real, gerida pelo Museu dos Coches, ocupando o restante espaço com uma nova centralidade de movida da arte urbana lisboeta. Ao longo de anos, não se atendeu ao grito unânime e imenso de associações e especialistas que disseram e dizem existirem outras prioridades na política museológica nacional. E haver, mesmo em Belém, outras necessidades, como as da gestão integrada e proactiva do riquíssimo parque patrimonial da zona ou, querendo fazer-se obra nova, a criação do Museu da Viagem (bem diferente de Museu dos Descobrimentos, sublinhe-se), que faz realmente falta. A tudo os políticos de turno fizeram orelhas moucas e agora têm, e temos todos, um verdadeiro elefante branco entre os braços. Mais de 3 milhões de euros anuais para manter portas abertas (ou 2,7 milhões como com curioso alívio pretende o actual secretário de Estado da Cultura), numa situação em que não surpreenderia continuar a haver mais visitantes às velhas instalações, porque em mais de 4/5 são turistas, orientados pelo critério da visita rápida em espaços encantatórios.

Poder-se-ia dizer, como com sentido de humor observou Marcelo Rebelo de Sousa num dos seus habituais comentários semanais, que tudo neste processo é exemplar de como em Portugal se geram projectos que reúnem o centrão político (desde Cavaco Silva primeiro-ministro até Cavaco Silva Presidente da República, com intenso contributo de José Sócrates pelo meio), sem que verdadeiramente ninguém lhes sinta a falta. Ninguém, não. Prova disso foi o interessante texto de opinião de Luís Patrão, secretário nacional do PS e companheiro de estrada de José Sócrates desde a juventude na Covilhã, que no rescaldo da inauguração saudava efusivamente este novo museu (PÚBLICO, 24.5.2015) e afirmava ser a oposição ao mesmo fruto de uma “ideologia da modéstia”. Ora, como foi observado em redes sociais dos museus, qualquer procura em dicionário revelará qual o contrário de modéstia: pretensão, pavonada, opulência, impostura, inchação, pomposidade, aparato, extravagância, excesso, indecência, imoralidade, desfaçatez, impudicícia, etc. Será esta a ideologia favorecida por Luís Patrão, mesmo depois de tudo o que hoje se sabe sobre o consulado socratista?

Enfim, tal como R.H.S., nós próprios já tínhamos em Janeiro antecipado os contornos eleitoralistas desta inauguração (cf. PÚBLICO, 23.1.2015) e tudo leva a crer que novos episódios sucederão nos próximos tempos, alguns já antecipados pelo actual secretário de Estado da Cultura, ao reduzir seraficamente a “somente” cerca de 500 mil euros o custo efectivo do novo museu, assim retirando premência à proposta salvífica que sabe estar a ser preparada para os lados do CCB. Relativizemos, pois, estes fogachos e aguardemos pelo novo ciclo político. Até lá, continuaremos a viver virtualmente por mais algum tempo. Para já e em latim, tal como começámos, é caso para dizer ite, missa est.


Foi você que pediu uma garagem para coches antigos?
A Opinião de António Sérgio Rosa de Carvalho.
27/08/2011 in Público.

Belém, espaço simbólico da lusitanidade, é caracterizado de forma única pela luminosidade do Tejo-Oceano, pelo tom pastel do seu edificado vernáculo e erudito e pelo simbolismo da sua vegetação arquetipamente mediterrânica.
Este espaço de identidade foi criado por várias gerações, num processo acumulativo, baseado num consenso de leitura, apreciação e reconhecimento da sua importância. Na Praça Afonso de Albuquerque, a elegância apropriada do estilo "Seize" do Picadeiro Real e a erudição neoclássica dos seus interiores constituem o contexto perfeito para a apreciação da internacionalmente reconhecida colecção de coches.
O êxito do museu ilustra um produto cultural consolidado, com desafios de conservação, mas perfeito no seu conjunto.
Num processo apressado, sem concurso público, decidido por um ministro pouco económico (mais do que três dezenas de milhões) determinado a deixar marca de regime através da afirmação pelo contraste e ruptura, este projecto deixa-nos preocupados.
Acima de tudo porque é um símbolo de um despesismo inconsciente e irresponsável, destruidor de um equilíbrio perfeito já existente e criador de novas despesas num futuro muito incerto de penúria e crise no universo do património cultural e museus.
Além disso, ao o compararmos na mesma zona com o Centro Cultural de Belém, concluimos que o projecto do mesmo revelava preocupações de contextualização arquitectónica com a envolvente, esta já determinada na Exposição do Mundo Português em 1940. Volumetrias sintonizadas com a massa dos Jerónimos, jardins suspensos para usufruto tanto do horizonte natural como simbólico, contextualização cuidada dos materiais, linguagem arquitectónica intemporal, monumentalidade apropriada à gravitas e "tectónica" da zona. Além disso, apresentava um programa de funções e de apropriação do espaço de usufruto quotidiano muito claro na sua relação com a arquitectura.
Ora o novo Museu dos Coches, apesar das suas promessas de valorização urbana e pretendidas garantias de vivência turística (elevação do solo); apesar da sua pretensão de monumentalidade minimalista, capaz de valorizar através da imensidão abstracta e branca a exposição de objectos de "ourivesaria" movíveis (coches), deixa-nos muito apreensivos. Porque, apesar de todos os argumentos, é um projecto formalista, dirigido fundamentalmente à forma e estilo do objecto arquitectónico, ao qual a função tem que se adaptar, afirmando-se este objecto pela ruptura, tanto em forma como em materiais.
Enfim, receita apropriada e aliciante para políticos que desejam deixar marca dinástica de regime, mas altamente preocupante quando falamos do Genius Loci de Belém e das suas características cuidadosamente consolidadas.
O projecto lembra-nos um modelo de garagem com rampas, saído de uma miniatura do nosso quarto de brincadeiras, ou um espaço caricatural de um filme de Jacques Tati.
A imensidão branca e clínica dos seus espaços interiores (salas ou hangares [?] com 130 metros por 20 e oito de altura) vai obrigar ao restauro exaustivo de todos os objectos, expostos agora a um escrutínio detalhado e implacável. Os seus espaços ("praça" e rampas) exteriores correm o risco de confirmarem a sua vocação de "garagem", ou no place vazio, inóspito e sujeito às correntes de ar - enquanto a elegância perfeita e erudita do picadeiro fica condenada à subavaliação e subutilização.
Um projecto desnecessário, como até António Costa reconheceu publicamente. No entanto, a Associação de Arquitectos, tal como no Largo do Rato, veio apoiar publicamente com 200 assinaturas este projecto, apesar de ausência de qualquer concurso.
Continua a ser a associação, tal como os seus estatutos o afirmam, uma instituição de utilidade pública, ou transformou-se descaradamente num clube de interesses corporativos?

Historiador de Arquitectura

Le Corbusier plus facho que fada
Benoît PEETERS / 18 mars 2015 / LIBÉRATION / LIVRES

Cinquante ans après la mort de l’architecte, deux ouvrages évoquent son compagnonnage avec le fascisme.
Les spécialistes le savaient, même s’ils tentaient parfois de le minimiser : la guerre de Le Corbusier n’avait pas été exemplaire. Cinquante ans après sa disparition, voici que les informations sur son parcours politique se multiplient. Les deux livres publiés ces jours-ci, Un Corbusier, de François Chaslin, et Le Corbusier, un fascisme français, de Xavier de Jarcy révèlent l’ampleur de sa part d’ombre.
L’homme de la Cité radieuse avait été l’un des modèles d’Eugen Robick, l’«urbatecte» de la Fièvre d’Urbicande, l’un de mes premiers albums avec François Schuiten. Dès cette époque, j’avais peu de sympathie pour le doctrinaire. Mais je n’imaginais pas l’ampleur de ses engagements et de ses compromissions. La tentation fasciste ne fut pas pour Le Corbusier une simple marque d’opportunisme : ses relations avec les idéologues de la droite nationaliste ont duré des décennies et marqué en profondeur sa pensée urbanistique. On pourrait dire que Le Corbusier fut à l’architecture ce que Martin Heidegger, son contemporain presque exact, fut à la philosophie : un géant fourvoyé.
Mépris. Né en Suisse, à la Chaux-de-Fonds, le 6 octobre 1887, il s’installe à Paris dès 1917, rêvant de jouer un rôle actif dans la reconstruction. Il devra attendre une guerre de plus. En attendant, il bâtit quelques remarquables villas, tout en multipliant les projets radicaux. L’Esprit nouveau qu’il promeut n’est pas loin de l’Ordre nouveau. Le Dr Pierre Winter, leader du Parti fasciste révolutionnaire, l’avocat Philippe Lamour, rédacteur en chef de la revue Plans, et l’ingénieur François de Pierrefeu, passionné d’occultisme, sont ses amis les plus proches. Tous appartiennent à la frange la plus dure de la droite française, celle qui descend dans les rues de Paris le 6 février 1934. Un jour qui, selon Le Corbusier, marque «le réveil de la propreté».
Classement, hiérarchie, dignité sont pour lui les valeurs suprêmes. Inspirées par les vues aériennes, les perspectives qu’il trace réduisent les hommes à des silhouettes interchangeables. Champion de l’ordre, il affirme que «l’animal humain est comme l’abeille, un constructeur de cellules géométriques». La standardisation qu’il prône a d’abord une valeur morale, que vient souligner l’emploi systématique du blanc : «On fait propre chez soi. Puis on fait propre en soi.»
Le Corbusier cache d’autant moins son mépris de la démocratie parlementaire qu’elle ne donne aucune suite à ses projets. Et c’est donc aux régimes autoritaires qu’il propose ses services : eux seuls pourraient agir à l’échelle qu’il souhaite. Mais Staline ne veut pas de lui à Moscou. Et Mussolini ne répond pas à ses appels. L’architecte, pourtant, ne ménage pas ses éloges : «Le spectacle offert actuellement par l’Italie, l’état de ses capacités spirituelles, annonce l’aube imminente de l’esprit moderne.»
Impétuosités. Le pire est à venir. La débâcle de juin 1940 apparaît à Le Corbusier comme «la miraculeuse victoire française. Si nous avions vaincu par les armes, la pourriture triomphait, plus rien de propre n’aurait jamais plus pu prétendre à vivre», écrit-il à sa mère. Quelques semaines plus tard, il se réjouit du grand «nettoyage» qui se prépare : «L’argent, les Juifs (en partie responsables), la franc-maçonnerie, tout subira la loi juste. Ces forteresses honteuses seront démantelées. Elles dominaient tout.» Le ton de certaines lettres est plus nauséabond encore : «Nous sommes entre les mains d’un vainqueur et son attitude pourrait être écrasante. Si le marché est sincère, Hitler peut couronner sa vie par une œuvre grandiose : l’aménagement de l’Europe.»
L’architecte se persuade que son heure est venue. «Il s’est fait un vrai miracle avec Pétain. Tout aurait pu s’écrouler, s’anéantir dans l’anarchie. Tout est sauvé et l’action est dans le pays.» Cela fait tant d’années qu’il voudrait construire autre chose que de belles villas, tant d’années qu’il rêve de villes édifiées ex nihilo. Alors, pourquoi ne pas faire confiance au Maréchal, même si rien dans le parcours du vieil homme ne le prédispose à accueillir ses impétuosités modernistes ?
Le Corbusier rejoint Vichy dès la fin de l’an 40. Bientôt nommé conseiller pour l’urbanisme auprès du gouvernement, il dispose d’un bureau à l’hôtel Carlton et commence à écrire l’Urbanisme de la Révolution nationale. Le 27 mars 1941, il rencontre Pétain, «celui qui a les pleins pouvoirs pour mettre en œuvre le domaine bâti de la France». Les publications se multiplient : Sur les quatre routes, Destin de Paris, la Maison des hommes et la Charte d’Athènes. Malgré les nombreuses relations que Le Corbusier compte à Vichy, les choses ne tardent pas à s’enliser. En juin 1942, son plan d’urbanisme pour Alger est rejeté. Début juillet, il fait ses adieux «au cher merdeux Vichy». Rentré à Paris, il devient conseiller technique à la fondation du docteur Alexis Carrel, le théoricien de l’eugénisme. Il n’en démissionne que le 20 avril 1944, «l’esprit régnant là ne me convenant pas», découvre-t-il soudain.
Amnésie. Après la guerre, la reconversion est instantanée : «La page tourne et il faut se décider à l’admettre !» Il n’est même pas question d’amnistie, mais d’une pure et simple amnésie. Le Corbusier toilette habilement sa biographie. Non content de gommer les traces de son long séjour à Vichy, il se fait passer pour une victime des pétainistes. Mais il restera fidèle jusqu’au bout à quelques-unes de ses amitiés les plus douteuses, et ne reviendra ni sur son taylorisme ni sur son mépris des «populations parasitaires» et des «habitants stériles».
Soutenu par Claudius-Petit, ministre de la Reconstruction et de l’Urbanisme, admiré par Malraux qui voit en lui le plus grand architecte du siècle, Le Corbusier peut enfin construire les tours et les barres qu’il dessine depuis les années 20. Le fasciste d’hier est désormais le «fada», tandis que la Charte d’Athènes devient la bible des urbanistes. Le mythe Le Corbusier se solidifie. Le 1er septembre 1965, quelques jours après sa noyade à Roquebrune, Malraux salue son «vieux maître» et son «vieil ami», faisant du bâtisseur de la Cité radieuse l’une des incarnations de la France gaulliste…
S’ils se recoupent sur bien des points, les deux livres qui paraissent aujourd’hui procèdent de manière très différente. Nombreux documents à l’appui, Xavier de Jarcy instruit avec rigueur le procès d’un «personnage aux rêves totalitaires, au cynisme en béton armé». Dans son ample Un Corbusier, débordant d’informations mais quelque peu chaotique, François Chaslin propose de son côté un portrait sans complaisance, doublé d’une évocation mélancolique du destin des Cités radieuses.
On ne pourra plus passer sous silence les engagements de Le Corbusier. On débaptisera sans doute quelques rues, on effacera son image de quelques billets de banque. Mais on n’est pas près d’en finir avec lui.
Paraît également «Le Corbusier, une froide vision du monde», de Marc Perelman (Michalon, 256 pp., 19 €).

François Chaslin Un Corbusier Seuil, 524 pp., 24 €.
Xavier de Jarcy Le Corbusier, un fascisme français Albin Michel, 288 pp., 20 € (en librairie le 9 avril).

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Balsemão escolhe Durão Barroso para lhe suceder em Bilderberg / “Bilderberg vai enviar Durão Barroso para uma nova missão” / A jornalista espanhola Cristina Martín Jiménez investiga o clube há 10 anos e conta como Bilderbeg comanda a UE / Senhor Steering. Balsemão, o porteiro de Bilderberg / Escolhidos. Os portugueses convidados para o clube Bilderberg

Os mistérios insondáveis de Bilderberg …

( …) “Quase tudo é decidido e discutido em segredo neste clube. O local da reunião anual costuma ser anunciado com poucos dias de antecedência, assim como os nomes dos convidados, e os temas abordados são divulgados sob a forma de tópicos no site da organização. Os participantes não podem divulgar o conteúdo das reuniões e impera o princípio da Chatham House Rule – podem usar a informação discutida, mas sem atribuir a sua origem. Normalmente acabam mesmo por não comentar os encontros.” 

Balsemão escolhe Durão Barroso para lhe suceder em Bilderberg
MARIA LOPES 27/05/2015 - Público

Patrão da Impresa deixa o poderoso clube internacional ao fim de 32 anos. "É altura de dar lugar a outro português", afirmou ao PÚBLICO.

Ao fim de 32 anos, Francisco Pinto Balsemão vai deixar o restrito clube de Bilderberg e já escolheu o seu sucessor no steering committee, o conselho director que organiza os encontros anuais. Será José Manuel Durão Barroso, o ex-presidente da Comissão Europeia e antigo primeiro-ministro português entre 2002 e 2005, que o irá substituir, apurou o PÚBLICO.

O novo nome português do steering committee, escolhido pelo patrão da Impresa, terá ainda de ser aprovado pelos restantes membros. Espera-se que Durão Barroso assuma o cargo depois da reunião anual do clube Bilderberg, marcada para os Alpes austríacos para daqui a duas semanas – poucos dias depois e a alguns quilómetros do local do encontro do G7, na Alemanha.

Ao PÚBLICO Francisco Pinto Balsemão confirmou a sua decisão de abandonar o steering committee de Bilderberg, assim como a escolha de Durão Barroso. “Achei que era a altura de dar lugar a outro português”, limitou-se a justificar o também fundador do PSD, que poderá continuar a ser convidado para participar em conferências anuais daquele clube restrito.

Durão Barroso já conhece os cantos à casa: foi convidado em 2003 e 2005 e manteve uma ligação como consultor. Há dez anos que ninguém repete o convite.

Balsemão parece gostar de escolher os seus sucessores – fê-lo no grupo de media que fundou, a Impresa, ao passar o poder executivo para Pedro Norton há dois anos, e agora decide abandonar o palco internacional nomeando quem fica no seu lugar. Francisco Pinto Balsemão é membro do steering committee há 32 anos – fez oito mandatos de quatro anos, quando o habitual é metade –, sendo, por isso, dos mais antigos membros daquele conselho director. Em 1999 organizou na Penha Longa, em Sintra, a única reunião em Portugal.

Quase tudo é decidido e discutido em segredo neste clube. O local da reunião anual costuma ser anunciado com poucos dias de antecedência, assim como os nomes dos convidados, e os temas abordados são divulgados sob a forma de tópicos no site da organização. Os participantes não podem divulgar o conteúdo das reuniões e impera o princípio da Chatham House Rule – podem usar a informação discutida, mas sem atribuir a sua origem. Normalmente acabam mesmo por não comentar os encontros.

Clube de poderosos
O steering committee é um órgão intermédio daquela organização. Trata-se do conselho director das reuniões de Bilderberg, que realiza habitualmente duas reuniões por ano, e que escolhe os grandes temas e oradores da conferência anual. É para esta conferência que os conselheiros levam convidados do seu país de origem.

Na estrutura do clube, e abaixo deste conselho director, existe um outro nível de ligação a Bilderberg, constituído por personalidades que prestam algum tipo de consultoria ao steering committee, e que podem já ter passado (ou não) pelas reuniões anuais. Acima está o steering: é constituído por 33 filiados no clube, entre os quais Balsemão, é presidido por Henri de Castries, o presidente executivo do grupo Axa, e tem o magnata norte-americano David Rockfeller como conselheiro.

Os nomes e as referências profissionais disponíveis no site oficial – são políticos, académicos de renome, empresários e gestores de topo e de empresas de peso internacional – mostram a importância daquele órgão. São os membros do steering committee que fazem os convites aos participantes que vão mudando todos os anos.

Acima deste conselho estará ainda um restrito advisory group, com apenas nove membros e que Rockfeller também integra.

Convidados portugueses de peso
Balsemão, que entrou em Bilderberg em 1983 (acredita-se que por alguma influência de Medeiros Ferreira, que fora ministro dos Negócios Estrangeiros), costuma convidar uma personalidade mais à esquerda e outra à direita. Ainda não se conhecem as duas personalidades deste ano, mas o social-democrata tem tido dedo para a escolha de nomes que acabam por ganhar depois relevância política na vida nacional.

Pela sua mão já ali passaram todos os antigos primeiros-ministros (alguns antes de o serem, como foi o caso de Pedro Santana Lopes e José Sócrates, ambos em 2004), assim como praticamente todos os líderes do PS e do PSD – excepto Passos, que foi convidado, mas acabou por não ir.

Mas também gestores como Ricardo Salgado, António Borges, Vasco de Mello, Murteira Nabo, Artur Santos Silva, Vasco Pereira Coutinho ou Miguel Horta e Costa. Jornalistas como Clara Ferreira Alves, Nicolau Santos, Margarida Marante ou José Eduardo Moniz. E políticos, muitos políticos – António Guterres, Jorge Sampaio, Rui Machete, Deus Pinheiro, António Vitorino, Ferro Rodrigues, Paulo Portas, Leonor Beleza, Rui Rio, António Costa, Manuela Ferreira Leite, Teixeira dos Santos, Paulo Rangel, Nogueira Leite, Luís Amado ou Jorge Moreira da Silva.

“Bilderberg vai enviar Durão Barroso para uma nova missão”
A jornalista espanhola Cristina Martín Jiménez investiga o clube há 10 anos e conta como Bilderbeg comanda a UE

Por Rosa Ramos e Kátia Catulo
publicado em 21 Mar 2015 in (jornal) i online

Investiga Bilderberg há dez anos e acaba de publicar o quarto livro sobre o clube. Em “O Clube Secreto dos Poderosos – os Planos Ocultos de Bilderberg”, que acaba de chegar a Portugal, Cristina Martín Jiménez conta como a organização de elite provocou a actual crise económica e como controla a União Europeia (UE). Numa entrevista via email, a jornalista espanhola garante que Durão Barroso será enviado, em breve, numa “missão” ao serviço dos Bilderberg, numa das instituições que o clube controla. Garante também que Ricardo Salgado e José Sócrates nunca mais serão convidados porque no clube não há amigos. Só “falsos amigos”.

Defende a tese de que a crise foi planeada no clube Bilderberg. Em que se baseia?
Os argumentos são explicados ao longo de todo o livro, em que exponho como eles foram escolhendo os momentos, as pessoas e as mensagens divulgadas através dos meios de comunicação oficiais durante toda a crise. E também conto quem beneficiou com esta crise e como. Perderam as soberanias nacionais europeias a favor da UE, que é controlada por eles. Os ricos são hoje 20% mais ricos que em 2007 e o número de pobres cresceu. Será isto produto do acaso? Não. É produto de engenharia económica e social, que se gera e combina nas reuniões Bilderberg.
Diz que Durão Barroso é um dos mais poderosos Bilderbergs. Continuará a ter o mesmo poder agora que deixou a presidência da UE?
Durão Barroso deixou o cargo de primeiro-ministro em Portugal para ocupar a presidência da Comissão Europeia, o que demonstra que Bruxelas era mais importante para ele que o destacado cargo que tinha no governo português. Abandonou assim os portugueses que tinham votado nele. E os políticos ainda perguntam por que razão não confiamos neles? O clube vai enviá-lo numa nova missão noutra das muitas entidades que controla, como a ONU, a Organização Mundial de Saúde ou do Comércio, o FMI, o Banco Mundial, a Comissão Trilateral ou outro cargo de destaque na UE.

José Sócrates e Ricardo Salgado foram convidados. Agora que estão a braços com problemas judiciais voltarão a participar?
Não vão voltar a ser convidados. O que Bilderberg faz é usar as pessoas para o seu próprio interesse. Estão os dois fora, especialmente Sócrates, porque o percurso de Salgado no clube é mais antigo. O esquema de Bilderberg é actuar por cima, por baixo e por detrás da lei. Agora os seus falsos amigos do clube não os vão ajudar. É o que se chama falsos amigos.

Que obrigações são exigidas aos convidados das reuniões?
No que toca às reuniões, é exigido silêncio. Não se pode falar sobre o que acontece lá dentro com ninguém, e especialmente com a imprensa livre. Se os potenciais convidados superarem o exame do clube, serão apoiados para conseguir atingir a presidência de um país, por exemplo. Ou da NATO, da UE, da ONU, que são organizações-satélite. Por isso, e uma vez lá dentro, há que cumprir as ordens do clã superior, das hierarquias, dos círculos concêntricos. O núcleo duro dita as ordens e as directrizes que chegam, a conta-gotas, aos peões, sem que eles saibam na realidade de onde vêm.

Começou a investigar o clube há dez anos. O que a move?
Sou jornalista de vocação. E creio que essa é a principal razão. Em 2004 ouvi falar de uma reunião anual onde uma série de pessoas decidiam o destino do mundo actual, onde se idealizara a criação da UE e do euro e onde se tomavam decisões à revelia dos parlamentos democráticos. Uma associação elitista em que se escolhiam candidatos presidenciais e outros cargos relevantes, onde se planeavam crises e guerras. O jornalismo que habita em mim fez o resto. Quis saber se era realidade ou mito e descobri que era verdade.

Teve problemas durante a investigação?
Os problemas têm sido uma constante. A minha irmã costuma dizer-me que no dia em que eu escrever a minha biografia será um bestseller. Talvez decida fazê--lo um dia, quando for velha. Uma prova é que o meu terceiro livro desapareceu inexplicavelmente do mercado. Há leitores que o procuraram em toda a parte e não o encontram.

O que responde a quem a acusa de veicular teorias da conspiração?
Eu não fomento teorias da conspiração. Sou licenciada em Ciências da Comunicação, sou jornalista. As teorias da conspiração existem desde o princípio do mundo, sobretudo quando o que está em jogo é o poder e o dinheiro. A única coisa que faço é o meu trabalho: demonstrar, através da metodologia da ciência jornalística, as conspirações do mundo contemporâneo. O facto de os meus livros irritarem e incomodarem quem protagoniza essas conspirações é a razão pela qual se tenta desprestigiar o meu trabalho e a minha pessoa. Isso acontece sempre que a imprensa desvenda a corrupção do poder. O que eles pretendem é uma imprensa submissa e subjugada, por isso tentam comprar--nos. Mas não estamos todos à venda, felizmente. E isso irrita-os. Mas somos muitos jornalistas em todo o mundo, cada um na sua especialidade, a desmontar as teias do poder, e não podem calar-nos a todos. São ídolos com pés de barro.

O critério de escolha para entrar no restrito clube é simples: personalidades que tenham influência ou possam vir a tê-la. Com excepção de Passos Coelho, que chegou a ser convidado mas nunca participou, nos últimos 20 anos todos os primeiros-ministros foram convidados: António Guterres, Durão Barroso, Pedro Santana Lopes e José Sócrates. Os participantes são, regra geral, figuras com peso no PSD e no PS ou influência no mundo dos negócios. Nesta lógica, Marcelo Rebelo de Sousa, António José Seguro, Manuela Ferreira Leite e António Vitorino já foram também convidados por Francisco Pinto Balsemão. Mas a lista não se fica pela política: o banqueiro Ricardo Salgado, que foi tido como um dos homens mais poderosos do país, participou duas vezes e o fundador destes encontros era amigo da família.

Senhor Steering. Balsemão, o porteiro de Bilderberg

O patrão da SIC faz parte do clube desde os anos 80 e integra o exclusivo comité que organiza as reuniões

Por Rosa Ramos
publicado em 21 Mar 2015 – in (jornal) i online

É o único membro permanente português do clube e raramente fala sobre Bilderberg,  mas, numa entrevista à SIC, no programa “Quem diria”, Francisco Pinto Balsemão garantiu que só quem “acreditar em livros” pode achar que a conferência anual é um palco de congeminações secretas. “Cada membro do comité director... e eu sou o português do comité director, temos critérios, e portanto procuramos convidar pessoas que ou já têm importância ou que nós entendemos que poderão vir a ter relevância política, social, cultural”, acrescentou.

Antes, em Novembro de 2005, numa entrevista ao espanhol “Abc”, Balsemão já tinha tocado no assunto. Acusou de “inveja” os que os criticam por fazer parte do clube e tentou explicar em que consiste Bilderberg. “É um grupo da sociedade civil que junta uma vez por ano norte-americanos, canadianos e europeus para falar a alto nível sobre os problemas actuais, que tanto podem ser as relações entre os dois continentes como a guerra no Iraque ou a economia da China. Está muito bem organizado e, ao não estar lá a imprensa, não pode haver conclusões nem comunicados finais, as pessoas podem falar de forma muito livre. Muita gente que o critica gostaria de fazer parte dele.”

O patrão da SIC faz parte do clube pelo menos desde 1988, ano em que está identificado pela primeira vez como membro permanente. Na altura tinha deixado o cargo de primeiro-ministro e estava centrado na empresa de comunicação social. Não se sabe ao certo quem o convidou para integrar Bilderberg, mas em 2010 Medeiros Ferreira deu a entender, no seu blogue, que terá sugerido o nome de Balsemão no final dos anos 70. “Fui convidado duas vezes, em 1977, quando era ministro dos Negócios Estrangeiros, e em 1980, quando já o não era. Nessa última vez, alguém do steering committee perguntou-me que nomes eu sugeriria, de outras correntes políticas em Portugal, para futuras reuniões. Lembrei-me de Francisco Balsemão, entre outros [...] Não sei se foi por isso, se por mera coincidência, o certo é que o futuro primeiro-ministro acabou por ser o grande cooptador dos portugueses que participam nas reuniões”, escreveu o antigo dirigente socialista. Balsemão viria mesmo a integrar o steering (comité directivo), órgão encarregado de definir a lista de temas a debater e as personalidades a convidar para os encontros anuais.

As ligações do dono da Impresa a Bilderberg já lhe valeram polémicas. A primeira a seguir ao encontro do clube em Sintra, de que foi anfitrião em 1999. “O Independente” escreveu que a Sojornal – empresa que detém a maioria das acções do semanário “Expresso” e “Visão” – recebeu 40 mil contos (200 mil euros) do Ministério dos Negócios Estrangeiros para organizar a conferência no Hotel da Penha Longa. A Sojornal viria a explicar que o dinheiro não podia ser encarado como um “subsídio”, mas antes como um “patrocínio”.

Mais recentemente, no Processo das Secretas, Bilderberg  surge no relatório apreendido ao ex-espião Silva Carvalho: “Balsemão tem-se revelado, ao longo dos anos, um agente de influência, sabe-se lá ao serviço de quê e controlado por quem. A sua participação em encontros de Bilderberg é disso exemplo”, escreveu o ex-espião no documento em que descrevia o dono da SIC. E acrescentou: “Trata-se de uma organização nada transparente e que, por isso mesmo, muitos rumores e teorias da conspiração tem suscitado, mas que, independentemente dos objectivos específicos, é um concentrado de gente com claras ambições de controlo de tudo o que de importante se passa no globo, sem que se conheçam as suas motivações, nem objectivos, sabendo-se apenas que são os seus objectivos particulares que os movem. Aos encontros de Bilderberg, Balsemão, que funciona como porteiro português do grupo, tem levado inúmeras personalidades.” O i enviou um conjunto de perguntas sobre o clube a Balsemão, que não respondeu por não ter “disponibilidade”.

Escolhidos. Os portugueses convidados para o clube Bilderberg
O i revela 15 personalidades que foram aos encontros de Bilderberg, o que faziam antes e o que fizeram a seguir
Por Luís Claro
publicado em 21 Mar 2015

José Sócrates
Foi convidado em 2004, pouco tempo antes de ser eleito para a liderança do PS com 80% dos votos. No ano seguinte chegou a primeiro-ministro e ocupou o cargo durante seis anos. Quando foi convidado por Balsemão já era influente dentro do PS e apontado por alguns como sucessor de Ferro Rodrigues, que enfrentou grandes dificuldades na liderança devido ao caso Casa Pia. Actualmente,
José Sócrates está preso preventivamente por suspeitas de fraude fiscal, corrupção e branqueamento de capitais.

Paulo Portas
Portas é um dos raros convidados do mundo da política que não pertencem nem ao PSD nem ao PS. O líder dos centristas foi convidado em 2013, juntamente com António José Seguro (Portugal tem, no máximo, três representantes no encontro). Portas foi ao encontro quando era ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros.

António Costa
O actual líder do PS foi convidado para o encontro que junta a elite mundial em 2008. Um ano antes tinha sido eleito para a presidência da Câmara de Lisboa em eleições intercalares. No currículo já tinha os cargos de ministro da Justiça e da Administração Interna, entre outros. Há muitos anos que o seu nome  é falado para a liderança do PS, mas Costa só avançou em 2014. O mais provável, de acordo com as sondagens, é que seja o próximo primeiro--ministro. Curiosamente, Costa foi convidado juntamente com Rui Rio, que era presidente da Câmara do Porto. A proximidade entre os dois tem alimentado especulações de que no futuro se poderão vir a entender para criar um governo do bloco central.

António José Seguro
Foi convidado em 2013. Era líder do PS há dois anos e na altura era forte a possibilidade de vir a ser o próximo primeiro--ministro. Mas, ao contrário de que muitos previam, não foi o governo a cair mas sim o líder do PS, que nunca conseguiu ultrapassar as divergências com alguns sectores dentro do PS. Um ano depois, após a vitória nas eleições europeias, foi desafiado por António Costa para disputar a liderança e foi derrotado.
Saiu da liderança do PS e abandonou o lugar de deputado. Desde que deixou de ser líder do PS que não tem intervenção pública.

Paulo Macedo
O actual ministro da Saúde foi  convidado por Francisco Pinto Balsemão no ano de 2014. Paulo Macedo ganhou notoriedade como director--geral dos Impostos, tendo conseguido bons resultados no combate à evasão fiscal. Foi também vice-presidente do conselho de administração executivo do Millennium BCP.
Foi sempre um dos ministros mais populares deste governo e era até o preferido de alguns sectores da maioria, nomeadamente do CDS, para ministro das Finanças quando Vítor Gaspar se demitiu.

Marcelo Rebelo de Sousa
 Foi convidado em 1998, quando liderava o PSD. Deixou a liderança dos sociais-democratas no ano seguinte, depois de entrar em ruptura com Paulo Portas, o que ditou o fim da aliança entre o PSD e o CDS. Não deixou, porém, de ter influência, sendo o comentador político mais ouvido do país. Quase 20 anos depois, Marcelo admite voltar à política, mas como candidato à Presidência da República, um dos candidatos mais fortes na área da direita. Marcelo contou à TVI, uns anos depois de ter participado no encontro, que não viu nada de “anormal” nessas reuniões. Descreveu o encontro como “muito interessante”, já que lhe permitiu “conhecer figuras importantes dos Estados Unidos da América e da Europa”. O professor está, porém, convicto de que destes encontros não resulta uma rede de ligação. “Eu não notei que tivesse ficado. Não tenho essa visão conspiratória.”

Vítor Constâncio
Foi governador do Banco de Portugal e participou no encontro em 1988, quando era secretário-geral do PS, e em 2010, ano em que deixou o Banco de Portugal para ocupar o cargo de vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), onde é responsável pela supervisão bancária.

Teixeira dos Santos Teixeira dos Santos foi convidado quando era ministro das Finanças de José Sócrates. Um ano depois, o agora professor universitário entrou em ruptura com José Sócrates, quando decidiu acabar com as resistências do ex-primeiro-ministro à vinda da troika e assumiu que o país precisava de pedir ajuda externa. Actualmente é professor da Faculdade de Economia do Porto.

Ricardo Salgado
O banqueiro esteve duas vezes nos encontros de Bilderberg, em 1997 e 1999, quando a conferência se realizou no Hotel da Penha Longa, em Sintra (foi até hoje a única vez que se realizou em Portugal). O fundador destes encontros, Bernardo da Holanda, conta o livro “O Último Banqueiro”, das jornalistas Maria João Babo e Maria João Gago, era “visita assídua em casa de Manuel Espírito Santo, o tio--avô de Ricardo Salgado, que liderou o BES até 1973. Os convites a Salgado foram feitos por Balsemão “antes de as relações” entre os dois “se deteriorarem”, revela ainda o livro sobre o ex-presidente do BES.

Paulo Rangel 
O eurodeputado do PSD participou na reunião em 2010. No mesmo ano foi candidato à liderança do partido, mas foi Passos Coelho quem ganhou. Actualmente, Paulo Rangel é deputado ao Parlamento Europeu.

Durão Barroso
Durão Barroso participou três vezes nas conferências do Bilderberg. A primeira foi em 1994 quando era ministro dos Negócios Estrangeiros. O cavaquismo estava a dar as últimas e já se começava a discutir o sucessor do homem que mais tempo governou o país. Um ano depois de entrar no restrito clube mundial, Durão candidatou-se à liderança do partido, mas perdeu para Fernando Nogueira. Não desistiu e em 1999 foi eleito líder do partido. Não demorou muito tempo a chegar ao governo. António Guterres demitiu-se e em Março de 2002 foi eleito primeiro-ministro. Foi nessa qualidade que, no ano seguinte, voltou a ser convidado para o encontro da elite mundial. Não foi a última vez.

Santana Lopes  
Pedro Santana Lopes esteve no encontro em Junho de 2004. A reunião aconteceu três semanas antes da crise política em Portugal. Durão Barroso demitiu-se do governo, mas não partiu para o novo cargo na Comissão Europeia sem escolher o seu sucessor:Santana Lopes. O “enfant terrible” do PSD chegou a primeiro-ministro pouco tempo depois de ter participado no encontro, as nem um ano esteve na liderança do governo. Santana ainda concorreu nas legislativas, mas o vencedor foi José Sócrates, que também tinha participado no encontro de Bilderberg no mesmo ano. Santana não está actualmente na política activa, mas poderá ser candidato à Presidência da República nas próximas eleições. Actualmente é presidente da Santa Casa da Misericórdia.

Manuela Ferreira Leite
Era presidente do PSD quando foi convidada para participar na conferência do clube de Bilderberg, em 2009. Ao contrário de outros líderes da oposição, que já participaram nestas reuniões, nunca chegou à liderança do governo. Em Abril de 2010, após a derrota nas legislativas contra José Sócrates, Manuela Ferreira Leite deixou a presidência do PSD e foi substituída por Passos Coelho. Participou em vários governos, mas um dos cargos mais importantes que ocupou foi o de ministra das Finanças, no governo liderado por Durão Barroso. Actualmente Ferreira Leite está afastada da política activa, mas não deixa de ter influência através dos seus comentários políticos, que muitas vezes se traduzem em críticas ao governo de Passos Coelho. Foi um dos nomes falados para a Presidência da República, mas curiosamente a hipótese foi lançada pelo socialista Pedro Adão e Silva. Um desafio que Ferreira Leite dificilmente aceitará.

Inês de Medeiros Foi convida em 2014 juntamente com Paulo Macedo. É deputada do PS. A actriz e realizadora está ligada no parlamento à área da cultura.

Rui Rio

Foi convidado em 2008, quando era presidente da Câmara do Porto, um cargo que exerceu até às últimas eleições autárquicas, em 2013. Desde essa data que está afastado da política activa, mas nem por isso deixou de ter uma intervenção pública permanente. O futuro poderá passar por uma candidatura à Presidência da República ou por uma candidatura à liderança do PSD, se Passos Coelho perder as próximas eleições legislativas. O ex-autarca do Porto participa com frequência em debates políticos e em conferências e é um adepto do bloco central. “Não será possível reformar o país sem consenso político e sem o entendimento, pelo menos, dos dois maiores partidos portugueses em matérias de regime”, defendeu Rio, numa biografia publicada no final do ano de 2014. Balsemão já admitiu que Rui Rio é o seu candidato preferido para Belém.