quinta-feira, 28 de junho de 2018

Pastelaria Suíça, na baixa lisboeta, vai encerrar brevemente




A mesma entidade que tudo faz, através das suas políticas de Urbanismo ( leia-se Manuel Salgado e Medina ) para acabar com a Baixa como centro Urbano e Histórico, transformando-o na “tal” Plataforma Monofuncional onde o Turismo reina como num Parque de Diversões e onde todo o investimento é dirigido para este objectivo, criou um programa de protecção de “Lojas com História”, cuja a única função é desenvolver uma lista prestigiosa e distribuir placas.
Resultados prácticos: NADA … Nenhuns …
E isto para não falar do chamado ‘Círculo das Lojas de Carácter e Tradição de Lisboa’ criado à boleia do prestígio do “fenómeno” Institucional que colecciona lojas membros como quem colecciona postais ilustrados mas que não serve absolutamente para nada …
OVOODOCORVO

Pastelaria Suíça, na baixa lisboeta, vai encerrar brevemente
Lusa
20:23
https://eco.pt/…/pastelaria-suica-na-baixa-lisboeta-vai-en…/

Localizada na baixa de Lisboa, desistiu da classificação de “Loja com História” e vai encerrar “num futuro próximo”, anunciou o vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Duarte Cordeiro.
A Pastelaria Suíça, localizada na baixa de Lisboa, desistiu da classificação de “Loja com História” e vai encerrar “num futuro próximo”, anunciou hoje o vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Duarte Cordeiro.

Fundado em 1922, o estabelecimento localizado na Praça D.Pedro IV (no Rossio) candidatou-se ao programa municipal “Lojas com História”, mas acabou por desistir de receber tal classificação por ter iniciado negociações com o novo senhorio – um fundo internacional que adquiriu o quarteirão – “no sentido de chegar a acordo para cessar atividade”, disse o vereador.

Numa carta enviada à Câmara de Lisboa há duas semanas (a 15 de junho), e à qual a agência Lusa teve acesso, o proprietário revela que se afigura necessário, “num futuro próximo, o encerramento da Pastelaria Suíça, pelo menos no espaço que agora ocupa”.

A missiva explica que a candidatura ao programa “Lojas com História” foi feito a 20 de julho de 2017.

“Sucede que, desde o momento da aludida candidatura até à presente data, ocorreram várias vicissitudes que tiveram, e têm tido, um impacto negativo na exploração comercial da Pastelaria Suíça, impossibilitando a sua viabilidade, subsistência e continuidade no futuro”, refere a carta, assinada por Fausto Roxo.

Por isso, continua o texto, os proprietários desistiram do processo de candidatura a esta classificação, “dado que o mesmo deixou de se justificar”.

Além da Pastelaria Suíça, o vereador da Economia e Inovação da Câmara Municipal de Lisboa revelou que também a Joalharia Correia (na Rua do Ouro) e a loja de decoração Ana Salgueiro (na Rua do Alecrim) estão em negociações ou chegaram a acordo por forma a cessar atividade.

A Câmara de Lisboa aprovou hoje, por unanimidade, a classificação de mais 44 estabelecimentos como “Lojas com História”.

Durante a reunião, o vereador Duarte Cordeiro explicou que 47 estabelecimentos foram indicados para classificação antes da consulta pública, mas perante a desistência destes três, serão agora classificadas 44 lojas.

Na lista estão estabelecimentos como a “Garrafeira Nacional” (Rua de Santa Justa), o “restaurante Vá-Vá” (Avenida dos Estados Unidos da América), a “papelaria Fernandes” (Largo do Rato), ou a “Casa da Sorte” (também na Praça D.Pedro IV).

A capital conta agora com um total de 126 estabelecimentos distinguidos, aos quais se juntam 19 oficinas e unidades de produção tradicionais que também estão protegidas.

Entre estas oficinas contam-se a “Ginginha sem rival”, o “Hospital das Bonecas” ou a unidade de produção dos “Pastéis de Belém”.

Durante a discussão da proposta, no encontro que decorre nos Paços do Concelho, o vereador João Pedro Costa (do PSD) instou o presidente da Câmara Municipal, Fernando Medina (PS), a “sensibilizar o proprietário [do imóvel] para a importância da Pastelaria Suíça”.

Para João Ferreira, do PCP, situações como esta mostram “as limitações do programa”.

Algumas lojas “vão chegar ao fim do processo tendo passado à história”, considerou, acrescentando ser “preciso ir mais longe”.

Por seu turno, a vereadora centrista Assunção Cristas apontou que o fim de alguns estabelecimentos é ditado por “dinâmicas familiares”, com gerações que não estão disponíveis para continuar o negócio.

Já Ricardo Robles (BE) salientou que a “cidade não se faz só de lojas com história, faz-se também de lojas normais”, e que a chamada “lei Cristas” tem sido “o carrasco” dos estabelecimentos.

Em resposta, o presidente da câmara, Fernando Medina (PS), afirmou que “há coisas que o programa nunca poderá fazer”, nomeadamente ir contra a vontade dos proprietários.

Sem comentários: